sexta-feira, 31 de dezembro de 2004

Quando eu era pequena sempre ouvia aquela coisa de ano velho morrendo, ficando sem forças e talz...sempre tinha, de alguma forma um quê de magia no incio do ano vindouro...novinho e recém nascido.
Aquilo tudo me envolvia tanto que ficava imaginando o ano velhinho morrendo e o bebezinho ano novo nascendo todo cor de rosa e gordinho...
Me dava uma ansiedade infantil de imaginar-me brincando e interagindo com ele.
Bom...passei bons tempos da minha vida com esse pensamento.
E hoje é 31 de Dezembro e são exatas 04:28 da manhã e eu to insone, com a mesma ansiedade de 15 anos atras, revendo os acontecimentos de forma mais adulta e com a certeza de que o ano não é um moribundo personificado e sim mais uma etapa cronológica a ser passada.
É engraçado falar de coisas profundas e ouvir Obi.
Tô curiosa com meu novo ano.
Tantos planos e uma impressão de coisas acertadas ocorrendo.
Acho que a insonia deriva disso. Essa vontade de ver o novo ano acontecendo...não a meia noite do 31 mas no decorrer dos meses, no passar do meu aniversário...enfim...ver o rumo das coisas tomando realidade.
Sei lá...
Já começo a me sentir renovada...Que viagem...Ano morrendo, ano nascendo...Que gostoso cheiro de novidade no ar.
Feliz ano novo!


quarta-feira, 29 de dezembro de 2004




Eu queria uma única certeza: Saber que, de alguma forma, toda as minhas
ações, planos e investimentos não fossem todos rotos e vãos
como parecem.

E saber também que tudo contribui para um bem que eu ainda não alcanço
mas um dia olharei tudo que eu faço de errado, na tentativa de melhorar,
e perceberei que realmente foram degraus para uma nova e superior existência
interessante.
Ás vesperas do novo ano já nem sei quem sou.
Há uma impressão de estrutura que acredito ser minha, mas ainda inexata.
Deve ser por conta da indefinição do porvir.
Embora haja uma certeza plena de que as coisas caminham para algo melhor mediante a nossa nobre disposição de tencioná-las, há também um certo desapego às boas notícias do futuro que se aproxima.
Gosto da dor por que ela nos acorda para um sem fim de novas possibilidades.
A derrota nos redime do orgulho e o ganho se transforma em maravilhoso sabor.
Há coleções que todos os anos nos predispomos a iniciar: De vidas, sonhos e realizações.
E todas as vezes percebemos a fuga da rota, o feliz retorno e a certeza de ter tentado da melhor forma possível, construir outro degrau.
Há um silêncio festivo se manifestando dentro de mim.
Um silêncio honrado e lavado a duras penas, com um simpático cheiro de acerto exalando por todos os lados.
Mas, como não podia ser diferente, há o choro, a mágoa, certamente nem tudo saiu como a receita inicial, o plano primeiro.
Dentro de toda essa nostalgia de vivências que, ao medir pela intensidade, ainda gritam vivas e atuais, há, certamente, a sensação de dever cumprido, batalha ganha, mas ainda não dá para precisar se o ganho foi aqui ou do outro lado.
O fato é que a renovação interior é uma constante se nos propormos a ser melhores, dar mais, aprender mais e crescer mais.
Somos a medida exata das nossas intenções e sonhos.
Sem realidades desfocadas por infantilismos. Apenas aquelas que nos trazem suportes para correr as milhas necessárias.
E cada lagrima que marque esse caminho nos serve como pequenos cristais sinalizadores, no vasto e inacabado mundo interior.

Às véspera do ano novo me vem a vaga idéia de ser alguém.
Com pequenos projetos, certezas rotas e uma sensibilidade afinada com alguma coisa que não sei nomear.
Se aproximam hostes intermináveis de novas experiências. E minha pequenez humana me esconde. Mas estou ali. A postos, alerta.
Novas construções de viver.
Novas dores, vitórias, crescimento.
Transformação de ser. Olhar adiante e não ver, mas seguir.
Não. Certamente não será um feliz ano novo. Será como tem que ser em nuances e intensidades.
É essa a certeza. No mais, continuar é a melhor tarefa.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2004



And she takes another step / Slowly she opens the door
Check that he is sleeping
Pick up all the broken glass and furniture on the floor
Been up half the night screaming now it's time to get away

Pack up the kids in the car / Another bruise to try and hide
Another alibi to write Another ditch in the road / You keep moving
Another stop sign / You keep moving on
And the years go by so fast / Wonder how I ever made it through

And there are children to think of / Baby's asleep in the backseat
Wonder how they'll ever make it through this living nightmare
But the mind is an amazing thing
Full of candy dreams and new toys in another cheap hotel
Two beds and a coffee machine / But there are groceries to buy
And she knows she'll have to go home

Another ditch in the road / You keep moving
Another stop sign / You keep moving on
And the years go by so fast / Wonder how I ever made it through

Another bruise to try and hide / Another alibi to write
Another lonely highway in the black of night
But there's hope in the darkness / You know you're going to make it

Another ditch in the road / Keep moving
Another stop sign / You keep moving on
And the years go by so fast / Silent fortress built to last
Wonder how I ever made it



Two Beds And A Coffee Machine
>> Savage Garden

domingo, 26 de dezembro de 2004

Pela Estrada Fora

E fugimos sem ninguém nos ver.
Mas, se ninguém souber que partimos,
Pode alguém saber que chegámos?
E os dias chegam enquanto noites...
Mas, se ninguém souber que caímos,
Pode alguém saber que chorámos?
E o choro confunde-lhes o sorriso...
Mas o tempo não faz mais sentido
Quando somos nós quem passa por ele.
Tal como a dor se perde no ridículo
Quando somos nós quem chama por ela.
E ansiamos por alguém que chame por nós.
Mas ninguém entende porque fugimos
Dos dias que insistem em fugir de nós.

E, então, fugimos até ninguém nos ver.

Tiago Carvalho
Hum...ontem beijei um mocinho muito fofo.
Pena que de tão fofo se confundiu no absurdo da imaginação e no mundo das idéias. Não fosse Saritita ter visto o carro dele e seu vultinho dentro, certamente acharia que foi produto da minha frutífera imaginação...
Hum...mas foi bom...contrariando tudo o que eu até agora construi em cima de beijos gauchos, esse foi muito bom.
Minha tese veio a baixo...hehehe...sorte a minha.
Mas como tudo o que é realmente bom dura pouco, lá se vão os sumiços na névoa espessa do ir e vir que transitamos.
Mas fica certo que foi um bom presente de Natal...ô...mas se tivesse vindo com verdades, seria bem melhor.
Não consigo admitir dentro de mim essas coisas de relacionamentos modernos...acho que sou uma véia sonhadora...mas não se muda a essência das coisas de dentro.
Fui.

sábado, 25 de dezembro de 2004

Natal simpático o meu.
Pela primeira vez não fiquei trsite, não me senti sobrando, não fiz planos para sumir e desaparecer do mapa e me senti tão a vontade que nem sei explicar.
Algo muito semelhante a passar o Natal em familia.
Assisti muita TV, o que é rarissimo para uma Íris tipo eu, e em fim, estou tranquila.
Foi complicado as minhas pequenas manobras para despistar minhas adoráveis amigas e seus convites de ceia de Natal.
Espero realmente que não se magoem...mas Natal pra mim tem o gosto e o cheiro antigo e que não tenho mais: O da minha familia, os pratos que eles faziam enfim...nunca passei um Natal, a não ser o de hoje, realmente bem.
A solidão, ao contrário do que faria a outras pessoas, quem sabe, me fez bem, me fez tranuila e cheia de lembranças felizes passadas e possibilidades futuras de familia.Um dia terei um Natal igual o que minha mãe fazia em casa com a minha própria familia.
Por enquanto fico feliz pelo Natal das pessoas ao meu redor.
Bobo? Não sei.
Mas foi bom e me senti em paz...e confesso que a longos e perdidos 15 anos nunca senti uma sensação tão liberta com a que estou sentindo agora.
Feliz Natal pessoas. Porque o meu, finalmente foi feliz.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2004

Pois é...acordei até meio desorientada depois do sonho maravilhosamente bem fotografado que tive.
O local era Stela Maris, um tipo condominio lindíssimo de casas na beira da praia em Salvador.
Morava novamente com meus tios mas eles não estavam, tinha um quarto maravilhoso com vista para uma ampla praia azul e limpida que me deu vontade de levantar e caminhar por ela como eu fazia antigamente.
Impressionante a claridade da água, a tonalidade da luz do sol incidindo sobre a areia branquinha...e o melhor de tudo: Praia deserta, sem ninguém com seus absurdos guarda sóis e nem bolas voando na cabeça de ninguém.
Tudo era silencio, paz.
O mar, por sua vez, era calmo mas não era bom para nadar.
Também não haviam turistas.
Não sei...acordei certa de que era realidade e já tava prevendo meu menor short e minha blusícula que eu usava quando caminhava no litoral de Arembepe...ai me dei conta do barulho do homem do butijão de gás lá fora, o inuitl telefone na minha vida tocando enlouquecido...e assim, todo meu universo em transe voltou a ser exatamente como era...mas a imagem, o vento, a sensação de frescor estão aqui dentro e explodiu uma vontade imediata de encontrar um lugar exatamente assim...mas onde?
No mundo das minhas idéias será...sei lá...mas a sensação ainda está.
E posso sentir o cheirinho do vento misturado com o sal do mar...putz...preciso ter mais sonhos assim...mas agora vou procurar um remédio porque acho que meu natal será com amigdalite atacada...fui.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2004

Stop all the clocks, cut off the telephone.
Prevent the dog from barking with a juicy bone,
Silence the pianos and with muffled drum
Bring out the coffin, let the mourners come.

Let aeroplanes circle moaning overhead
Scribbling in the sky the message He is Dead,
Put crêpe bows round the white necks of the public doves,
Let the traffic policemen wear black cotton gloves.

He was my North, my South, my East and West,
My working week and my Sunday rest
My noon, my midnight, my talk, my song;
I thought that love would last forever, I was wrong.

The stars are not wanted now; put out every one,
Pack up the moon and dismantle the sun.
Pour away the ocean and sweep up the wood;
For nothing now can ever come to any good.


Funeral Blues - Wystan Hugh Auden

quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

Estava conversando com minha colega de trabalho sobre o novos babies e, qual não foi nossa surpresa quando nos deparamos com a seguinte constatação: Nós eramos retardadas quando crianças.

É incrível como a garotadinha de que acabou de sair da maternidade sabe de coisas profundas e complexas.

A era da "tecnologia da informação" definitivamente resulta em pequenos dicionariozinhos ambulantes...hehehe...crianças são uns bichinhos fofos...minha sobrinha-prima com dois aninhos já entendia inglês...fiz um bom trabalho...pena que ela está longe longe...wel, saudosismos a parte, tenho que pensar nas resoluções de ano novo.

A mais importante de todas é:
- Digitar mais devagar,não comer letras das palavras e acentuar sempre que necessário.

Como pode uma pseudo professora de redação da UFRGS escrever que nem mongol em suas mensagens instantâneas?
Na real: Não pode.

Buenas...vou trabalhar no Espírito do Natal...alias esse espírito me deu um trabalhão...mandei zilhões de cartões de Natal...O que é esse espírito...tsc...tsc...

terça-feira, 21 de dezembro de 2004

Meu cartãozinho simplezinho de Natal...

sábado, 18 de dezembro de 2004

Hum...Natal, tempo de amar as pessoas...e meu computador esta enlouquecido...hehehe.
Ontem foi muito legal e a bateria de festas e comemorações sao definitivamente otimas. Mas temo por acabar indo parar no AA.
Certamente eu seria o mito, pois certamente sou a mais babaca de todas que consegue ficar bebada de champagne...
Onte achei que eu fosse cai no chão estatelada que nem um ovo dentro de uma frigideira...patético...fico bebada com muito pouco...chega a ser ridiculo...mas essa é a minha maneira...arre!
Ganhei um vale cd importado e fui troca-lo. Troquei por um CD que me fala muito porque é meio gospel, meio jazz, meio folk...uma coleção de natal da jewel que a 4 anos eu procurava enlouquecidamente.
Até uma ave maria tem lá pra dar uma baratinada na minha mente. Adorei minha aquisição. Tá meio podre mas tá valendo...hehehe...e tem uma faixa que não funciona...espero n me arrepender da minha aquisição...hum...
No mais tudo na boa, minha conta bancaria deu uma consideravel melhorada mas não to com grana pra gastar ainda, ganhei um chocotone do Rê mas o sem graça vai me mandar dinheiro ao invez de mandar chocotone e um cartão de natal...por que homens sao tão insensiveis?
Hum...to super feliz porque meus dois amigos descoordenados parece que se assumira e assumiram seu amor...aiquefofos...falando em amor...tava apaixonada até umas 5 horas atras...agora já nao sei mais...meus novos fofos fizeram um...digamos que, revertério no ranqueamento original...isso bom...sinto que o planeta está acometido de uma nuvem de sentimentos contraditorios e tá tudo caindo aqui, no meu quarto...isso seria bom...se eu nao fosse aquariana...
Ok...não deu pra entender...mas eu entendi...e entendo também que preciso tomar agua porque to com sede. Esse calor é idiota.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2004

Essas épocas de fim de ano, verão e natal são, definitivamente, nostalgicas.Lembro me sempre de Rio Preto e da época que eu era feliz e não tinha noção disso.
Não que hoje eu seja infeliz, mas é que na época eu estava impedida de enxergar a vida bela pelas questões da adolescencia mesmo.
Hoje a gravidade já está abalando minhas estruturas, o sorriso já não é descomprometido e realmente há rugas de preocupações fundamentadas definindo minhas expressões faciais.
É um começo decrepto isso: Estar crescendo por dentro, deformando por fora, apagando as imagens doces e dando lugar a coisas mais pesadas e reais.
Sem sonhos e com muita realidade na bagagem.
Há momentos para ser salame e blasé, para ser hipócrita, irritada, stressada.Não há muito lugar para sonhos e divagações por que a realidade é muito rápida e definitiva.
As cores e o brilho do natal e de todas as outras datas ficam apenas na lembrança com a certeza de te-las bem aproveitado, mas que poderia ter sido muito mais sorvido o gole da pureza que delas se apresentavam.Hoje me sinto meio morta.
Sem grandes alegrias e esperando muito pouco da vida vasta que tenho aqui. Estranho porque meu corpo apresenta dores que eu não tinha, formas que eu nao previa e a mente está muito mais sã, bela e ao mesmo tempo racional.
E confesso que não imaginaria nunca, em meus sonhos infantis, que poderia haver paz dentro disso tudo. Onde o infernal dança e aponta tudo o que é velho e sem graça.
Acho que depois de 2 anos é uma das primeiras vezes que vou respirar o fim de ano e sentir o cheirinho de panetone saindo dele.
Calmo, initerrupto e real.
Sem pressas, medos e sonhos.
Apenas o presente e o fatual.Isso me deixa estranhamente feliz que, até a lembrança morna da época em familia se perde dentro dessa sensação tao madura, e se conforma em habitar o mundo da imaginação retroagida.
Bacana isso.
Respirar realidade e problemática controlada pela experiência.
Nunca pensei que pudesse ganhar presente tão terno e complexo por tudo que até hoje aprendi. Devo ter feito a maior parte das lições corretamente.
E creio que minha media na escola de viver foi boa.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2004

Ganhei uma vela linda da japa girl in poa...que fofa...essas meninas sao tão queridas...minhas migas mesmo...adoro-las...hehehe
Esse fim de semana foi bacana.
Gostei mais do domingo claro.
Fui no cinema com o Dudu que eu adoro e tava morrendo de saudades e mais tarde teve festa do clube da luluzinha lá em casa...tava otimo pq foi à fantasia a revelação do amigo secreto. Saritita tava de "badame zara" eu tava de hippe, a Japa de bruxa de blair, Ale de pedrita, Paula de menininha e aSi de mamae noel...detalhe q a fantasia era apenas da cintura p cima...hahahaha.
Vou ficar com saudades das minhas amigas que vão viajar...gosto delas tanto... tanto...vixi...o espirito de natal ta me passando uma rasteira e eu to sensivelzinha...ou seria a tpm...mistérios...

domingo, 12 de dezembro de 2004

E a crônica continua estranha e descontinua.
A unica coisa certa é a apatia com relação a uma série de sonhos deixados de lado, e a certeza de que eles não vão sair do pó das idéias...até por que não há vontade de lutar por eles. No mais, onde tudo é plano e macio, esta tudo bem. É assim que tem que ficar: Plano e macio. Como tem que ser.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2004

Ok.Não tenho lá altas graduações, não faço parte de uma hieraquia razoavelmente importante no meu local de trabalho e muito menos meu sobrenome é de peso quatrocentão...mas, a parte disso tenho em mim alguns qualitativos de educação e cultura que me excluem da grande massa de ignorantes e medíocres que nos cercam.
Mas acho que, por lapidação do Grande Arquiteto - e extremamente bem humorado que deve rir da minha cara lá em cima - acontecem coisas que me fazem duvidar da minha capacidade de lógica e raciocínio e pior, me fazem refletir a respeito da condição da minha educação mediana e do meu intelecto.
Um momento que me sinto uma perfeita pária da sociedade é quando me deparo com o serviço de atendimento ao consumidor.
Sim...meu banco por exemplo, cada vez que desligo o telefone a sensação que me vem é que eles estão levando meu escasso dinheirinho, eu estou deixando libertamente e não entendo nada a respeito do funcionamento do mesmo com relação às minhas economias.
Ok...minha conta bancária é uma das mais pobrinhas que tem por lá, mas eu contorno a custa de muitos neuronios queimados, uma vez que a matemática não rege minha vida...nesse caso, todo cuidado é pouco na hora de calcular...
Pois bem, sempre tem uma coisa que é irreversível e que eu deveria saber, algum débito que deveria exsitir desde sempre e eu nunca fui informada e o pior, sempre tem a maldita alteração que só pode ser efetuada dentro de 30 dias.
Geralmente essa alteração implica em encargos fora da planilha do mês corrente.
Ai a bela Iris liga para seu gerente, que a atende com o mal humor típico de quem odeia oque faz - e o faz somente por salario no fim do mes e certamente porque deve ser bom flertar com as clientes de alto nivel do personalité - e, com a cortesia que milagrosamente aparece em sua fonética, explica-lhe o caso e deixa claro que caso a "coisa" pretendida não seja devidamente reorganizada, NÃO HAVERÁ FUNDOS...e essa é uma forte ameaça a estrutura de um correntista e seu elo com a gerência.
Aí...desfechando essa utópica história de terror moderno - sim, porque gastos inusitados fazem parte do filão trash de terror urbano do novo milênio - ele informa, com a naturalidade gélida de quem tem certeza de que voce já sabia disso porque é obvio o procedimento - como se a humanidade tivesse em sua pré juventude aulas de rotinas bancárias e comportamento de correntistas perrengues - e certamente, ligando para o maldito 0800 voce resolve a situação tranquilamente sem maiores desastres.
Na onda das aplicações, saldo do dia: Um stress sem precedentes, um diploma de anta gerado pelo seu administrador da conta corrente e um problema, que nem existiria, resolvido, por falta de comunicação.
Penso que eu deveria ter estudado mais...não alcanço a supremacia intelectual dos caras...e nao consigo prever futuros...muito menos debitos futuros...fui...

Obs: Novo sorteio do amigo secreto...grrrrr...

terça-feira, 7 de dezembro de 2004

Bom....quanto ao fato citado abaixo estou bem...obviamente que sed escobrir desnuda em sentimentos não é nenhuma oitava maravilha do mundo mas to na boa...Ando mais encanada com os preparativos para o amigo secreto das minas, que por motivos de força maior vai ter que ser alterado p essa semana mesmo...vo te falá...organizar eventos é cansativo a beça!acabo de receber uma msg da japa que parece que nao recebeu seu amigo secreto...vove
...paciencia...paz cintilante...
...
como eu imaginava...terei que sortear tudo novamente...ai amigas e tecnologia...nao dão certo...No mais ta bão...me redimi com as brigas de ontem...pq eu tava uma pimenta "hot hot hot"...minuto...cris piscando
...
como eu imaginava...novo sorteio...aiaiai...isso pq ainda nao compramos nada pra comer e nem decidimos esse pequeno porém...

segunda-feira, 6 de dezembro de 2004

A cavidade que desliza a lagrima deveria ser uma poesia de varios tempos.
Ela é uma espécie de neutralizadora da alma, destila emoções e contém a sorte.
Ao mesmo tempo que derruba ondas de sensações não seguras, vai além, quando ao rolar por sobre a face, muitas vezes nos limpa os olhos e enxergamos muito mais do que queriamos ver...e nos surpreendemos com a qualidade de informação que delas sai.

Amo alguém que não tem condições de gostar de mim.

Hoje o dia está como um presente: Feio, escuro e chuvoso.
Um reflexo de interiores.

sábado, 4 de dezembro de 2004

Frugalidades da vida...
Bebi...to de pilequinho, voltei pra casa sozinha (isso é um avanço).
Não deu balada porque todos ja estavam fazendo alguma coisa...o melhor a fazer é se recolher...Até o Dudu, cachorro, me deu balão...preferiu beijar na boca do que ver a mim, sua melhor amiga...tsc...tsc...amigos vou te contar...ingratos...
Meu coraçãozinho tá confuso e cético. Hoje a Lima e Silva me pareceu munida de artilharia pesada. Tive medo dela. Há muito não tenho sentido essa sensação boba e infantil.
Uma sensação passada, estranha, nefasta, mas que já se foi.
Agora o que resta dessa Iris alcoolizada é um sono atrasado, pois noite passada varei trabalhando, e a quase certeza de que Peteleco não gosta dela como ela queria que gostasse...hoje foi idiota falar com ele. Tudo pareceu ridiculo e previsivel.
Mas já to ficando acostumada com esses "erros estratégicos" da minha vida.
Uma hora eu acerto, ou erro de uma vez por todas. Sem essa chatisse de tentativas e experiências...Vou nanar...hoje a Ipiranga está agitadíssima...Mas estou tão cansada que nem vou ouvir nada...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2004

Tarde preguiçosissima essa.
Olhando da minha janela, fechada numa saleta fria com ar condicionado, fico observando o sol refletido no metalico avião do aeroporto.
As poucas nuvens e a sensação visual de muito calor do lado de fora do vidro...me parece bucolico mas é bom.
Ontem não fui no exame da academia porque achei obvio demais o estado engordado que me encontro...se o obvio é ululante porque ouriça-lo ainda mais?
Minha calça jeans tá larga.
Mas acho que é pq o numero é maior que eu mesma...nada muito motivador.
Tô relativamente tranquila e só queria que a paz se instaurasse dentro de casa.
Sei lá...esse tempinho morno ta me deixando molenga...to usando meu brincão...vou começar a usar brincão e tamancos...sei lá...combina com meu cabelo.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2004

Hehehe...por conta de um stress sem tamanho e precedentes ontem acabei entrando numa de "fashion descontrol"...mas ta valendo...afinal...eu tenho que me amar!
Hoje vou passar uns nervosinhos na academia mas tudo bem pq a vida é bela...alias...tá belíssima e não tem uma url precisa pra isso...
Novamente surgindo meus trampos frilas mó fofos e legais, algumas coisas boas acontecendo com outros me deixam animada tb...a Sara fala que eu pareço a Amelie Poulain...hahahaha...fui promovida de "Pollyana" para ""...legal, mas o fato é que tem coisas que vc faz na sua vida, não em seu benefício próprio que são extremamente gratificantes. É como se vc erguesse um tijolinho para a construção da ponte.
Me sinto feliz em poder fazer coisas, em poder dar aula na UFRGS sem receber nada em troca, materialmente falando, e por dar uma maozinha a quem possa interessar.
Faz a vida ter, pra mim, mais sentido e razão.
Sei lá.
Essa é meio que minha essencia...se é bom ou ruim só vou saber quando for trocar ideias pessoalmente com o Arquitetão Alah...então era isso.
Preciso achar uma balada para o fim de semana...

segunda-feira, 29 de novembro de 2004

Quinta-feira. Quinta feira é o dia em que o obvio ululante irá se confirmar...Quinta feira vou fazer re-avaliação na academia...e tenho certeza de que engordei.
Mal...muito mal...péssimo...Meu fim de semana será num imenso mal-humor...droga...Justo agora...Hum...acabo de falar com a Cintia e ela disse q pode ser que venha passar o ano novo aqui! Uma fofa essa menina!!! Que saudades!
Tava com o namoradinho frances dela...comendo pizza...que fofinhos...
Final de semana simpatico... e aquela sensação de mulher balão que me acompanhou a sexta e o sábado inteiro se foi...
Acho um saco essas coisas que nós mulheres temos de ficar aumentando e diminuindo full time...
No mais foi bacana, fiz minha lasanha, que há muito não ousava fazer. ..Acho q ficou boa e nem fiquei ruim do estomago (comi relativamente pouco) e não bebi horrores...
Mas na real acordei meio sem rumo e uma puta saudades da minha terra...Saudades do Ro...do Re...e de todas as possibilidades que, como todo ponto geografico, poderia ter.
Vou trampar...beijos.

domingo, 28 de novembro de 2004

Não sei...to me sentindo meio equivocada novamente.
Odeio estar aberta e estendida como roupa no varal se expondo ao sol por alguem que não sei direito o que realmente quer. Se é que quer.
O engraçado disso tudo que eu acabo numa indiscreta sucessão de relacionamentos imbecis e ocos...acho que deveria me acostumar com isso mas não consigo...minha gana de viver bem é maior que tudo o que pode acontecer de ruim comigo.
Não diria que sou uma pessoa de atitudes previsivelmente apaixonadas mas tenho cá meus sonhos...rotos sonhos que dia a dia, minha vida libera a realidade do não poder, não sentir, não fazer...
Tenho medo do que será do meu coração e dos sentimentos que habitam nele daqui um tempo.
Temo me tornar a espécie mais inferior e desumana que um ser pode chegar.
Ao estado "Blasé Mode".
Sei lá...cada dia que passa e cada coisa ruim que acontece dentro do meu coração me faz,a o invés de esperta, mais burra e sonhadora.
Uma idiota romântica moderna.
E quando me vejo nessa situação de exposição de sentimentos "tolos", só me vem a idéia, uma coisa:
Viajar, ver povos novos e me alistar na legião estrangeira...hehehe...acho que sou a louca solitária...que raios de imposição eu me fiz para que nunca funcionasse do jeito que eu queria???
...não quero acertar tudo e sempre....quero apenas um limiar manso e razoável pra viver e colocar meus sonhos fora do mundo das idéias...sei lá...acho que é mais facil ter dinheiro e status...não sei...mas deve ser.

sábado, 27 de novembro de 2004

Acordei do meu segundo sono meio entristecida...passada, mal resolvida.
Como se a vida se misturasse em sonhos tortos que nunca acontecerão e viesse, como um presente de boas vindas, me brindar a manhã.
Ainda que tudo seja abstrato, há uma terminal idéia de fim de nada dentro do meu ser.
Ontem menti, hoje me choco com vazios oriundos dessa decisão e sonhos confusos me invadem as poucas horas de sono.
Ando estou? Que precipício é esse que me espera daqui a poucos dias?
Viver supera vácuos, emoção em demasia, certeza de um nada evoluido.

sexta-feira, 26 de novembro de 2004

Milhões de coisas...to engajada em terminar o site da empresa q trabalho em regime de urgencia urgentissima...acho q hj finalizo e segunda só dou um "confere" no produto.
No mais, as mina foram lá em casa ontem e é sempre uma divertida alegria topar com aquelas peças inusitadissimas...uma japa de ponta cabeça deitada na sala, uma loka paraense ensinando geologia numa lousa do seculo XV, uma nova ruiva com carinha de bellé epóque...e duas loucas gravidas recebendo...detalhe...uma delas dá de beber as visitas com a coca-cola light da outra...uó da folga...
É...é bem legal...tava com saudades dessas coisas. Acho que vamos promover um amigo secreto a fantasia no final do ano...só para nós...e amanha iris vai a cozinha pois esse fim de semana sera de "Iris e Sara recebem em sua grande sala de festas"...hahahahaha!No mais novamente irisinha foi mordida pelo bichinho indescente "loveLove" e tá fazendo mil planos para ela e seu administrador predileto...mas sejamos realistas espero que isso passe logo...ou nunca passe!
Ele é fofo e eu to com vontade de sair correndo porque descobri q to gorda e gorda e nao vou a academia a 2 semanas...hum...liguei pra minha ex-irmã...ela definitivamente está psicotica...nunca foi muito certa, agora entao...mas foi bom ligar pq ja saio da linha dela e nao me torno uma pessoa ingrata na familia chique, elegante e bem resolvida que ela tem.
No mais era isso...quero ir ao Mercado Municipal comprar coisas para fazer panetone...e tenho q fazer a lista da lasanha de sabado...e a lista de presentes de natal...pq acho q vou dar presentes para as minas q eu adoooooro...hum...vou trabalhar...o amor me inspira...aiquebesta...hahahahaha...

quinta-feira, 25 de novembro de 2004

terça-feira, 23 de novembro de 2004

Pra variar ultimamente, desde a derrota da minha vontade remota de sair da analise, tenho relembrado muita coisa antiga da minha vida.
E são coisas bacanas...de quando eu era pequena, com idades de um agarismo apenas...tanto tempo se passou.
É engraçado como eu vejo a relação da minha familia real comigo. E como era ausente minha irmã da minha vida.
É engraçado ver e ler a minha pessoinha quando era pequenininha. Há muito eu não crio uma imagem mental, um personagem mirim baseado em minhas lembranças cotidianas de quando tinha familia.
Hoje faço esse exercicio e vejo como isso é bacana e atual. Minha profissão é absolutamente uterina, antigo desejo de uma pequena iris neném, que tinha vários cadernos, onde desenhava tudo e todos, fazia gráficos, esquemas precários, com os devidos requintes que a infância pode proporcionar.
Legal enxergar tudo isso. Legal enxergar a paciencia voltando para dentro de mim.
Meu lidar com amigos de uma forma mais branda, desconectar de outros de forma suave e reconhecer em pessoas que estão ao meu lado a muito tempo, caracteristicas tão particularmente bonitas, que fazem sentido na hora de compartilhar meus momentos com eles.
Tô falando de organização de gavetas mentais, pingos suaves em "ís" distintos.
Meu trabalho está melhor, meu ânimo está retornando e isso é bom.
Não significa finais perfeitos e vida tranquila...ao contrario...mas é mais fácil viver com animo pra correr atrás das coisas.
Há muito não me via tão completa e com pedigre no sentido de passado e não de estirpe.
Pois é...vou tentar retomar meu curso hoje...ando meio sumida mas vou lá...qem sabe eu pego a matéria....é isso então.

sábado, 20 de novembro de 2004

Acho que ja tenho um cantor predileto gaucho...realmente...quando ele cantou joquim...eu apaixonei...amei o show...na boa!

sexta-feira, 19 de novembro de 2004

Cai a noite na cidade / Vinda de lugar nenhum
E o dia vai embora / Indo pra lugar algum
Não sentia fome / Não sentia frio
Sentado num canto / De um quarto vazio

Sombras e pensamentos / De um sonho só esperança
Nas paredes ecoavam / O silêncio e a lembrança
Entre ruas desertas / Ele está só de passagem
Na vetigem e tontura / Surgiam todo tipo de imagem

Quando a chuva cai / Nas noites mais solitárias
Lembre-se que sempre / Estarei aqui

Se virou e alcançou o céu / E a última estrela
Nada deixava passar / Tudo lembrava ela


Estou levemente reticente...e certa de que vou me incomodar deveras pelos próximos dias.
Tô projetada, evidenciada...e isso é uma coisa que nunca lidei. E causa desconforto quando se percebe os jatos de inveja chegando perto.
Acho estupido e pequeno esse tipo de sentimento e mesmo assim, terei que lidar com ele de forma elegante e com classe.
Sabe...inveja é sinonimo de incompetência. Querer pra si algo q nao vai ter é ridículo.
Cada um com suas possibilidades e, se quiser correr mais que a perna, trate de comprar uma boa bicicleta.
Tudo nessa vida a gente consegue. Basta existir uma situação para podermos reverte-la.
A equação é simples: paciência, espera de oportunidade certa e disciplina.
Acho burro olhar e lancar jatos obvios de raiva e despeito. Acho ignorante trilhar caminhos que nunca vão levar a lugar nenhum achando que é o modo mais facil de conseguir o que quer. Mentes pequenas, futuros rotos.
É a proporcionalização da realidade da maioria: Sem recursos culturais, sem estudos, sem uma idéia de como pode ser resolvido cada entrave da vida pela falta de expansão mental.
Tô esnobe? Antipática? Arrogante? A realidade é uma só. Trabalho muito nessa vida que me submeti a viver para poder dar continuidade a esse ato. O ato de viver.
Renunciei uma série de coisas e hoje colho sozinha frutos de uma longa e continua jornada dupla e muitas vezes tripla de trabalho. Adoro e até faria a quarta jornada se necessário.
Não me esforço pra ninguem. É pra mim. Para eu poder fazer coisas, comer, vestir, me divertir.
Só lamento cada um que busca meios toscos de ganhar a vida. Deveriam perder menos tempo com invejas e planos de vida facil e estudar mais, ler livros bons, gastar menos com bebida e ostentação e viajar mais, conhecer gente que valha a pena pela sua cultura e nao imbecis que acham o fato de ter carro e celular o maior acontecimento da face da terra.
Ja disse isso por aqui e repito. A vida, caras palidas, é extremamente maior que isso e beira muito mais o filosofico do que o fisico.
Viver querendo promoção e status é burrice. Porque isso não paga conta e nao põe comida em casa e muito menos financia viagens e baladas.
Eu ofusco? Desculpem. É que não perco meu tempo achando que sou. Vou lá e viro. Não fico pensando. Vou e faço.
O risco vai por minha conta. O choro e a derrota também. Mas pode dar certo e eu posso vencer. Essa é a ideia. Essa é a lei. Nada que é realmente bom, é facil.
Nem pra mim e muito menos pra voce. E essa corrida pela propria vida faz a gente perder menos tempo olhando as coisas do outro. A gente muda de tamanho.
Acordar...heis a unica coisa que é necessário fazer. Senão, as rugas lhe cobrirão a face e os cabelos estarão grisalhos e perceberá que nada fez, nada pode, nada é.
E realmente acho que isso, para oportunistas e invejosos é o que menos querem se dar conta. Mas se é assim...porque justamente esse caminho é o escolhido?
Sugestão: Pablo Neruda - A vida
To enjoada...gente pequena me enoja...desculpem o desabafo...

quinta-feira, 18 de novembro de 2004

Tentativa de alta na psicologa totalmente falida.
Ela jogou baixo...na verdade minha mente se lembrou de quando eu era criança em Sampa, das minhas coleções de plantas de casa...adorava arquitetura...lembro que eu e minha irma ficavamos horas analisando as plantinhas e brincando de familia...ai a gente montava maquetes de caixa de papelão de predios e montava tuuudo...mas ela, a irmã, se revoltava horrores porque eu nunca queria brincar...só montar.
Assim também acontecia com as Barbies na minha vida. Sua função era unica e exclusivamente de manequim para os modelos que eu costurava nelas...
Adorava ficar sentada na poltrona do meu quarto costurando horas e horas um infinito numero de roupas...era ótimo...também nunca brincava com a minha irmã...tava sempre costurando, montando maquetes ou lendo livros do segundo grau.
É engraçado como essa coisa de arte eu herdei da minha mãe. Não havia me dado conta de que a D.Ignes além de peruona dona de boutique era uma otima artista.
Minha mãe era bem fofa e sensivel. Tinha umas perspectivas muito boas nas suas telas...as misturas de cores não eram as mais legais e eu sou bem melhor q ela nisso...mas os traços eram incríveis.
É engraçado a aproximação do futil (moda) com o cultural (arte) que minha mãe fazia...era a explicação que eu precisava pra me entender nos dias de hj.
Sou meio como ela: Futil e culta na medida. Sem as peruices dela...claro. Essas ficaram por conta da minha irmã.
Alias minha infancia em Sampa foi engraçada pq eu era uma adultinha...e fico vendo q minha mãe tinha muito medo do meu jeitinho quietinho e sempre criando: Brinquedos, planos de governo para o Brasil, roupas, cortes de cabelo...enfim...sempre inventando alguma coisa.
Eu não era uma bebe muito bebe...isso acontecia entre 6 e 10 anos... no maximo 12...agora entendo pq minha mãe me colocava em todos os cursos do mundo...natação, balet, costura, artesanato, ingles, frances, croche...tá loko...e a minha irmã ficava só com a natação.
Tinha inveja do tempo q ela tinha pra fazer amizade com os vizinhos...mas hj sei que foi bom eu ter canalizado minahs energias altamente criativas.
Penso que, minha mãe devia sentir alivio quando me via brincando com a Atma. Acho q era o momento em que eu mais parecia uma criança mesmo.
Correndo enlouquecida, com aquele cachorro 2x maior q eu (uma São Bernardo), pelo quintal por horas com a pá de lixo...tai...ela devia suspirar e pensar: "Minha filha tá feliz".
Mas eu era feliz aprendendo espanhol, lendo livros de quimica e criando bombas caseiras na mesma proporção q era qdo brincava com a Atma (a cachorra) ou a Catita (a gata), ou quando criava roupas e casas de papelão.Acho que tive tudo pra ser como sou hj: Ligada nas artes, na forma.
Bacana sacar que isso vem de pequena, de dentro de mim e foi alicerçado pela minha mãe e construido por mim.
É bacana ter essa referencia de informação feita pela minha mãe.
É...ela fez um bom trabalho...só n conseguiu me fazer desfilar e nem ser magra...ainda bem! Estou satisfeita com o resultado!
Sete da matina...me preparo pra enfrentar a dona psicologa apois tenho certeza que ja posso me dar alta...acho que vai ser tranquilo.
Já de volta pra casa, a sensação de que estou dentro de uma bolha de sonho é imensa. Dentro do avião era mais forte. Não para ir mas para voltar.
Adoro colecionar sensações...mas esta foi a mais intensa que vivi nos ultimos tempos psicologicamente falando.
Tudo o que eu queria deu certo por lá. E ainda, quando cheguei, meus amigos me receberam tão bacanamente. Os de lá e os de cá. Ontem passei boa parte do meu tempo contando novidades e matando saudades que nem sabia que tinha...engraçado.
Só é estranho que eu deveria estar apaixonada mas não tô...tem coisas dentro de mim que devem e precisam descansar para assumir uma posição real. Tudo fazendo parte de um prisma nunca antes visto...
Sei lá...O que eu sei é que to totalmente sem grana, com várias coisas pra pagar e feliz. Muito em paz e com a certeza que, daqui 4 meses to na area da minha terra novamente.
Preciso de São Paulo por que lá é minha referencia cultural, visual e natal. Amei a desintoxicação.
Acho que vai demorar alguns dias pra eu voltar a gostar daqui...e tolerar as loirinhas burras tb...mas ando tão tranquila desde que cheguei que, de repjnete compreender que todas essas atitudes que eu não aceito como normais, faz parte da cultura local. Não me interfere e não atrapalha...Só está ali. Acontecendo. Como acontecem varias manifestações em todos os lugares do mundo determinando grau de conhecimento urbano, sensibilidade, cultura, sociedades...enfim...um mar de coisas extremas e significativas que originam etnias e grupos...acho que preciso ir por esse lado.
Porque na real ninguém é melhor que ninguem nessa terra descoordenada...Sei lá...mas que eu dei um forérrimo trazendo um amuleto xiintoista para o meu lovinho crente....a sim...foi mancadérrima!
Vô lá na psi...mas antes tomarei um chá...;)

terça-feira, 16 de novembro de 2004

Hum...to voltando...que saco...ma to com saudades do meu quarto e nao vejo a hora de colocar a luminaria japa q comprei...no mais...acho q foi um puta exorcismo vir pra cá. Em todos os sentidos da palavra...bacana vir com saude e com relativas "condições" melhores de vida...bem legal...certo que vou ficar meio sem rumo por uns dias lá em POA...mas me acho...afinal...aquele lugar é o que eu escolhi para morar...e confesso que foi uma boa escolha...mas faz falata muita coisa que naturalmente posso fazer aqui como comer doce romano e comida arabe como se fosse arroz e feijao...e conversar com amigos que tem o mesmo humor que eu...Isso fez falta durante muito tempo e hj me dei conta de como preciso disso...virei mais vezes...sempre que estiver radicalmente stressada. VOu na liberdade comer tempurá...pois é...to no itau cultural sentada nos horriveis pufs anatomicamente incomodos e acabo de sair de um canal frances onde tinha uma entrevista de uma tia que fazia escaladas pela frança que divide a italia...mó interessante...mas agora vou comer pizza e pegar meu rumo...bjos

segunda-feira, 15 de novembro de 2004

Hum...fui a oca e ao mam hoje...to adorando minha performance cultural pela cidade...nada de balada...quer dizer...vove hj se rola alguma coisa...se bem que andar horrores no ibirapuera é meio cansativo...sei lá...vove...ja confirmei o voo...n sei se quero ficar ou voltar...é estranho...

domingo, 14 de novembro de 2004

Hum...domingo legal...cansei da bienal poque tava mó barulhenta...mas foi bacana...to meio com sono...não deveria pois tomei horrores de cappucino e coca-light ...fazer oque não é mesmo...agora to na net d graça pois encontrei um cartao com meia hora e vou usa-las antes que algum espertinho as pegue...hehehe...eu sou a esperta...mas domingo a noite, vespera de feriado não tem absolutamente ninguem na net...e eu deveria dormir...mas vou procurar coisa pra fazer amanha a lém de ir ver a exposição na oca do ibirapuera...chega tá?! era isso...hum...tão me zoando horrores por causa do sotaque...mó crise de identidade...vo dá porrada.

sábado, 13 de novembro de 2004

Fiz uns origamis nada a ver para dar aos amigos...acho q apodreci hj...preciso dormir...nao sei se vou pra balada...acho q nao...percebo que minha estadia aqui será mó cultural...amanha vou a bienal...alias...morro de saudades do ibirapuera...hum....ja matei a saudade do itau cultura que tá com uma exposição muito panc. Agora vou comer lanche light de frango depois de ter brigado horrores com a maquina...e assistir tv...mais tarde decido meu destino...bjocos
Pois é...enlouqueci na liberdade e estou passando mal de tanto tempurá na veia...acho q vou pra fila do hotel pq chegou mó galera e certamente p eu pegar minhas chaves vai demorar uns 300 anos...fui
Tava uma graça a paisagem na hora de chegar...sabe papel aluminio? Assim que, meu lado super infantil definiu a primeira vista da minha terrinha: Papel aluminio amassado e iluminado por uma luz laranja.
To atrasada e preciso ir ao bairro japa...bom...ja que me disseram que vão ler minhas aventuras por aqui...é possivel que o tom modifique um pouco pq nao vou ficar parada escrevendo no computador com tanta coisa p fazer né?
Bjos ...hum...pedrito...comprei uma revista falando de um filme uruguaiu...vo leva p vc ve na quarta!

quarta-feira, 10 de novembro de 2004

Me aguarde paulicéia desvairada...Íris entrando na área...
Há muito não recebia visitas tão bacanas como as de ontem...ou a de ontem em especifico...diria que estou absolutamente feliz como há muito nao tenho manifestado...
Acho que andava solitaria e sem rumo...e presenças familiares são sempre restauradoras. Gostei a beça.
Pra aumentar a sensação bacana o Alfinho me ligou pra gente combinar nosso natal...Meu maninho querido!!!!
E dormi muito bem e sonhei com uns lugares bacanas, pessoas...hum...tb bacanas e achei bem interessante a viagem que eu fiz...tá loco!
Nunca vi uma paisagem tão linda quanto a do meu sonho...preciso achar no mapa o lugar...vi varios mapas nesse sonho e, a europa na época era dividida de forma diferente da atual então, suponho que se tratava da europa antiga...lá pras bandas de cima...onde tudo é mais frio...bem bacana.
Ganhei um aval, estou sob um teste e isso me deixou alegre pacas...acho que as coisas começam a ficar maravilhosamente diferentes a partir de hoje...o diferente é perigoso...mas é fascinante...Entao tá.
Há muito não recebia visitas tão bacanas como as de ontem...ou a de ontem em especifico...diria que estou absolutamente feliz como há muito nao tenho manifestado...
Acho que andava solitaria e sem rumo...e presenças familiares são sempre restauradoras. Gostei a beça.
Pra aumentar a sensação bacana o Alfinho me ligou pra gente combinar nosso natal...Meu maninho querido!!!!
E dormi muito bem e sonhei com uns lugares bacanas, pessoas...hum...tb bacanas e achei bem interessante a viagem que eu fiz...tá loco!
Nunca vi uma paisagem tão linda quanto a do meu sonho...preciso achar no mapa o lugar...vi varios mapas nesse sonho e, a europa na época era dividida de forma diferente da atual então, suponho que se tratava da europa antiga...lá pras bandas de cima...onde tudo é mais frio...bem bacana.
Ganhei um aval, estou sob um teste e isso me deixou alegre pacas...acho que as coisas começam a ficar maravilhosamente diferentes a partir de hoje...o diferente é perigoso...mas é fascinante...Entao tá.

terça-feira, 9 de novembro de 2004

Fonética cidade em horário de almoço

Hora de silêncio.
Não há ninguem por perto e um som melancólico e tranquilo paira no ar.
Sob meus ouvidos.
Descansando palavras que não compreendo mas assimilo como certos balsamos curadores.
Vazio.
Necessidade absoluta de estar de encontro aquilo que foi e nao volta mais.
Ainda que estranho...tranquiliza, revitaliza, reabilita para novas historias e aventuras tranquilas.
Falo de ti.
E dentro desse linguajar suspenso por sussuros envergonhados falo de mim e encontro os caminhos de saida pacífica que ha tanto havia perdido.
Redento, absorto e feliz...cruza os dias do fim do algo a menos que não queria partir.
Olhar de fora, dentro da história, longe do ato e perto da alma.
Algo exatamente perdido no abstratismo do comum.
Algo assim... sem exato sentido mas lotado de indefectiveis sinonimos de liberdade e tranquilidade.
E cada um segue seu caminho de pedras, cbuscando sol na escuridão de ser...nada modificando, rumo é certo.
A volta não existe e o embalo contagia.Sem lógica textual, diagramações e fonética...a vida se transforma naquilo que não queriamos e achamos bom.
Horas de silêncio que se quebram.
Junto a esse instante partido juntam-se vidas a perpetuar a maxima antiga a dizer nos ouvidos, vibrando o corpo e começando a fazer todo o sentido que nada havia na melodia anterior.
Sem vazios seguem se os dias.
Ensolarados e torridos de novas peripécias conjuntas.
Não mais estranho...familiar, palpavel, amigavel e terno na medida em que sua verdade deveria ser.
Verdade essa nao definida em palavras simples e exatas pois continua perdida no limbo quente e certeiro do "tem que ser e não sabe".
Olhar de dentro, sentindo e revendo conceitos.
Aprovando reações.
Complexo e confuso mundo de si.
Onde transformações permeiam e margeiam os sonhos e atos claros...obscuros, de falsas e reais.
Eis que surgem todas as respostas: Vida.
Acima de tudo, um complexo homogeneo de codigos geneticos inspirados no inicio.
Onde o sonho começava...na raia de partida, do ganhar ou perder...ali...onde iniciamos o respirar de forma sentida e a lagrima cai pela primeira vez.
Doce como palavras, confuso e enigmatico como poesia.

segunda-feira, 8 de novembro de 2004

Credo!!!
Minha vida, uma correria...mas tá bom...fim de semana resolvi ir pra balada. Eu, Saritita e Japagirl in POA...adoro elas...mas bebi muito e fiquei com o estomago podre...não sou acostumada a beber e ai ja viu...fiquei meio molengoide o domingo todo...um saco...mas a busca pela balada perfeita ainda continua.
O lugar era legal...mas confesso que me arrepiei de medo quando baixaram uns pagodeiros da BA por lá...mas logo se foram...realemente o local não era apropriado para os gostos dos nordestinos...falei com o dj e ele é fofo e falei com metade do local pois qdo bebo fico mais falante do que o normal...não pessoas...nada demais...sou basica e nao dou bafão...e nem vomito...hehehe...
Mas foi legal...até a japa tava mais solta...ela nao gostou muito, mas se sentiu melhor...eu percebi...que bom...
Eu voltei pra casa arrependida de ter ido pq essa fase depressiva que estou saindo me impede de gostar de qq coisa...mas não vou me dar ao luxo de ficar triste e infeliz deitada na minha cama vendo a vida passar...mesmo que eu volte revoltada por ter colocado roupas diferentes e saido de casa eu vou fazer isso...aiquesaco!
No mais era isso...to correndo e isso é bom mas nada de novo...bjos

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

Hum...foi legal esse feriado no meio da semana...dormi horrores, vi uma exposição fotografica de um frances muito simpatico Henry Cartier Bresson...recomendo!
Andei muito e tive humor para enfrentar uma espera de uma hora no cavanhas ontem a noite...é...acho q to atingindo um estado similar ao nirvana...hehehe.
Viajar nao vou mais...aproximam se serissimos problemas financeiros...nada que nao possa ser resolvido com extrema economia...hehehe...mas n sei se resisto a uma sandalia...em tempos de verão...aiquesaco por sapato...
Entao fica assim...vo lá trabalhar e vcs me leiam...hum...parei de escrever no Zupi...ando super sem tempo...e sem inspiração literária para assuntos tecnologicos e de design.

segunda-feira, 1 de novembro de 2004

E a gente acorda, um belo dia, e finge que esta tudo mudado e que, os rumos e valores se modificaram de tal forma a conseguir viver plenamente com as migalhas de aparências, construidas de falsos sonhos.
E nesse acordar esquecemos que despertamos também o lado real, que sente, não se limita e se agride por não poder falar.
Silencio natural da madrugada serena que anda dentro da gente.
Sorrateiramente a espera de uma lagrima furtiva se deixar cair.
Sonhos...simples objetos de desejo que a gente escolhe para lutar, ou para olhar, ou quem sabe até para viver.
Sonhar amor, sem pratica excelente. Alguem ja disse que não funcionaria...mas sequer, na loucura de provar o erro, deram ouvidos.
...
Ta tudo bem, mas não me leve a mal / Tôu com alguém que me tirou do normal
Ligo a TV, quem não me vê, me vê chorar / Pra que fingir, que tudo está tudo bem
Ta tudo bem, se vai mal / Ta tudo bom, vendaval
Pra que mentir, se eu já sei quem ligou / Eu sei de cor o que você nem pensou
Na minha vez, você não quis entender / Fingir pra quem, se tudo está tudo bem
Ta tudo bem, se vai mal / Ta tudo bom, vendaval

...
Bah...definitivamente bah...hoje meu corpo se recusa a acordar. To de jejum para desintoxicar meu corpo que esse final de semana extrapolou e eu havia completamente esquecido de que preciso cuidar meu colesterol por causa do stress.
Esse final de semana foi bom porque me dediquei a mim mesma fazendo coisas de make-up e finalmente fazendo as unhas das mãos...o que tem um apelo muito significativo pois a primeira coisa que uma mulher deixa de fazer em depressão é "unha"...tive de corta-las um pouco mas sobreviverei.
No mais, Saritita me apresentou um cara indiano muito bom, o ex da Bjork...manda bem nas flautas o tal de Talvin Singh...adoro musica indiana e resolvi fazer yoga! Semana passada fiz uma aula e achei tudo de bom! Obviamente meu pequeno condensado de gorduras localizadas, aliado a perna direita ainda não totalmente reabilitada, me impedem de executar uma boa parte das posições...mas ainda assim foi otimo e adorei e vou fazer!
Ta começando o calor insuportavel, e eu to gorda e cheia de manchas como um dalmata...preciso resolver essas questões...Parece até que estou apaixonada...querendo ficar bonita...hahahaha...mas e daí né?
O ciclo é sempre o mesmo e obviamente a paixão seria direcionada ao objeto errado...ja deveria ter me acostumado...mas não custa ficar mais bonita...hj vou a academia de verdade...esses dias de trabalho intenso tem me impedido de viver e me condicionar corretamente...to com sono...hj meu corpo se recusou terminantemente a sair da cama...ainda to molengona...mas preciso trabalhar...era!!!!!!!!!

sexta-feira, 29 de outubro de 2004

Pois é...quase desencanto minha melhor amiga sobre a minha querida familia (detalhe que, ela esta indo para a casa deles hj conhecer meu primo)soltando so cachorros numa atitude revoltada e agressiva de raiva, raiva e raiva...
Com esse incrivel pensamento raivoso, acho que não vou mais a São Paulo porque não acho bilhete razoavelmente em acordo com minha realidade financeira e tô preferindo investir em maquinas digitais ou viagens internacionais, uma vez que o motivo que leva a terra natal é futil tb...
enfim to chata, acida e com, nada discreto picos de verborréias incontinentis...acho que merecia me alistar na legião estrangeira ou quem sabe virar eremita num monte no tibet...hum...boa ideia...
No mais ta tudo tranquilo...alias tinha que tá né? Porque o redemoinho que se instalou dentro de mim e mais alguma coisa externamente nao iria aguentar...ai...penso q nao foi uma boa analise...a psi é otima...pior que é mesmo...e eu fico que nem retardada adolescente revivendo tudo de novo...freud..odeio freud...
Na boa...preciso dormir...

quinta-feira, 28 de outubro de 2004

Hoje é um dia de colocar oculos escuros numa noite sem lua e em ruas mal iluminadas.
Temperatura baixa e uma leve garoa caindo do ceu. Como um choro, um aviso, uma trilha sonora.
Um percurso maior, mais distante e cheio de obstaculos para que concentrar intenções e intuições no caminho traçado.
Olhar ao redor e nada ver.
Pensar em vozes, em barulhos e nada ver...escuro, decrepto, inconsistentemente solitário.
Isso é bom. Trabalho melhor em dias escuros.
Um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar: A loirinha sentou-se ao meu lado novamente...e eu estava acidérrima...

quarta-feira, 27 de outubro de 2004

Eu simplesmente adoro quando minha tese de "paz e estabilidade se resolve mudando de cidade" funciona.
Ontem me aventurei nas fronteiras dessa POA nervosa...lógico que sempre rola um stress pq sou traumatizada pelas fronteiras paulistas que eu tinha que cruzar de metro. Beleza.
...fui num forum bacana...não fosse a paty loira burra e porca que sentou ao meu lado!
Ta vendo só? Não adianta se vestir legal se quando vc masca chiclete se assemelha a um dromedario ruminando seu jantar.
Nada contra dromedários porque eles fazem o que melhor pode e dentro do que sua exclusiva constituição genetica os permite...
Mas tudo contra as loirinhas idiotas que mascam chicletes que nem umas "dromedárias" (minhas apologias aos porcos e burros citados acima) sem a minima noção de espaço, e logica humana...pois mascar chicletes como trilha sonora para sua vida e fazer terríveis "tec's" com o celular me irrita...hum...acho que to ficando velha...ou aprendi isso com a unica anciã pós moderna e fresca de casa...ou é feio mesmo.
Só lamento...mas tive que mudar de lugar senão minha boquinha acida não iria se conter...na sutileza...ia tirar a mina...uma por ser loira tipica daqui e outra por ser porc...dromedária.
Mas...mudnando de assunto, cheguei no fim do mundo, onde acontecia o forum, calma. Muito calma.
Peguei o onibus certo, fui para a direção correta e voltei direitinho.
Sem stress (mas com gente tipica de fim de mundo pelos lados que me olhavam estranhamente devido as minhas vestes...hj tô mais basica para me confundir no meio deles..."mim adaptar costumes locais).
Adorei um case os outros não porque odeio gente que enrola pra falar e fico com sono e hj quero só ver oque o tiozinho da Claro tem a me dizer a respeito daquela logo ridícula...na verdade queria mesmo é perguntar porque minhas contas chegaram com 4 meses de atraso...e porque eu nunca consigo estabelecer uma conversa adulta com os tiozinhos do helpdesk deles...mas vou me ater a logo.
Desde que eu não surte com outra coisa loira mascando chiclete ao meu lado.
Fui pessoas...tenho que comprar souvernirs para minha querida familia e não tenho ideia do que compro...acho que vou mandar uma foto minha de prenda..hahaha...que besta. Bjos

terça-feira, 26 de outubro de 2004

Bom...essa coisa de mover rios e ventos para viajar é, definitivamente meio stressante...mas ontem aconteceu algo bacana porque vou encontrar uma amiga muito minha cara lá!
Aiquemaravilha...falaremos a mesma lingua, o mesmo sotaque e com o mesmo humor! Ela tá em Brasilia fazendo um treinamento e é bacana porque ela é tão boa em historias absurdas de vida quanto eu. Muito legal.
E as coisas estao funcionando. Resta agora tempo para organizar minha vida e viajar...mas tô tão empolgada...vai ser muito legal!
Ver os meus...será que vou conseguir?
Aiai...no mais tudo flui. Meu humor esta razoavelmente bom, to até a fim de me vestir de drag queen numa festa a fantasia que fiquei sabendo que vai acontecer ontem por intermedio da Vanessa "A Rainha do Deserto" (naó é biba não...é loka mesmo)...hehehe...acho que vai ser uma festa a fantasia mais legal do que a que ja tinha marcado porque vao bibas e onde elas estão sempre tem alegria e certamente se me vestir de drag vai ser bacana...o que ja não tenho certeza que aconteceria na outra...vo ligá pra cidadã e vê se a outra cidadã não vai ficar chateada...mas amei a ideia de me vestir, ou melhor montar...hahahahahaha...vai ser divertidérrimo...veremos e nada de fotos para voces!!!
Adorei falar pra psi a respeito da minha "ddaZice" e da chatice que eu sinto em saber de tudo antes de todo mundo...essa coisa de QI é sacal...ainda bem que tenho o Dudu pra dividir isso! Hum...vo escrever pra ele...fui

segunda-feira, 25 de outubro de 2004

Descobriu que amava. E, dessa descoberta no meio do vazio de tudo que há dentro de mim, houve panico e ranger de dentes pelo simples fatode não saber oque fazre com essa resposta.
Me peguei pensando de uma forma que nunca pensei em ninguem. E logo me veio a mente a inevitavel interrogação: "Será que vale a pena?"
Ele, na sua intensa e unica maneira de ser amaria uma cidadã confusa mas que sente sua falta, bonita mas feia pela distancia que se coloca em tudo...duvidas e questionamentos que nao são resolvidos assim, na cabeça de quem ama...mas por que esse sentimento enfraquece e deixa o ser desnudo e receptivo.
Mas descobriu que nao amava assim...da pretença forma que acreditou ser. Houve um alivio porque aquilo era grande demais e nao entendia seu comportamento solto e irreverente desordenadamente comprometendo sua realidade inferior...
Choveu aquele dia...tantas descobertas toscas...tantas e irreversiveis sensações

sexta-feira, 22 de outubro de 2004

Ontem foi um amigo que eu não via a muito tempo em casa...na verdade ado fazendo uns frilas pra ele.

Foi bacana a beça porque é tão dificil vc encontrar gente desencanada nesse mundo...tava realmente precisando de um bom papo sobre a vida e futuros promissores...as vezes eu reclamo horrores de estar longe da patria amada mas tenho que confessar: de alguma forma as coisas estao super tranquilas por aqui...

Falando em tranquilas...hoje tô com vontade de escrever mas nao posso porque pode abalar algumas estruturas concretas que ergui, está me revoltando horrores e vai me fazer mais uma vez, arregaçar as mangas e relatar como um tcc de faculdade.

Bem revoltante porque eu acabo achando que minha missão num determinado segmento de minha vida consiste em organizar dados e gerar condições.

Putz viu...um bilhão de coisas pra fazer, academia sem ir a 2 semanas (embora eu perceba que emagreci...como nao sei...hehehe) e uma tentativa a dois meses de viajar pra sampa...sem resultados positivos até agora...

Otimo...vou ter que parar tudo e estudar estratégias que odeio porque sou uma chatinha competitiva e com mania de perfeição...aiaiaiaiai...porque não virei pintora de telas abstratas?

No mais era isso...esse findi vou brincar de casinha com minhas amigas no sim's e comprar presentinhos pra galera lá de casa pq paulitcha tá voando pra lá...tsc...tsc...que louca essa vida...bjos

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

Hoje eu to esperando a hora do almoço como quem espera uma redenção vindoura.
Fico ouvindo um som novo e pensando na diversidade de destinos e a forma fatal como alguns caminham alegremente para sua propria destruição.
Pequenos detalhes, leves e discretas formas de ação determinam um fim...e daí?
Quem quer saber de fim quando ele é incognito e indefinido.
Educação? Talvez.
Destino? Não creio que se façao pó o que poderia ser uma grande iluminação palpável e feliz.
Fico preocupada com minha interação omissa nisso tudo.
Mas na verdade o que posso fazer senão ver e pensar que podia ser diferente.
Sou pequena, de mundo distante e realidade aparentemente errada...não sei.
Quero almoçar e comer brocolis...quem sabe um quiche de cebola...e a omissão se faz presente. Furtivos objetos de desculpas esfarrapadas. Doces pirulitos de esquecimento na sobremesa.


terça-feira, 19 de outubro de 2004

Como definir as coisas aqui dentro exatamente agora?
Acho que foi bacana ir a analise, falar com uma estranha que usa as bijouterias mais nada a ver que eu ja vi, e me transmitir em sua loirisse, a calma que precisava pra entender uns conceitos e umas caracteristicas que pulam dentro de mim.

Parece que todo choro interno cessa e todo nome começa ficar familiar, até parece que posso ter novamente o sentido recuperado dentro de mim e a rota novamente traçada.
Não gosto do automatico, do vazio e do evasivo. Nunca fui assim e estava deixando me dominar por caminhos que nunca pensei seguir por estar perdida.

Perdida ainda estou mas parece que há um mapa...to calma. Respondi uns emails como a muito não fazia e não recebia, deletei algumas coisas que nao faziam sentido agregar e entendi outras.

Fazer analise vai ser meio caotico porque vai, incondicionalmente, mexer com as coisas mais doentes e doídas de dentro de mim com novos acrescimos...mas será legal.

Só fico achando engraçado esse misto de morno e tranquilo que tá dentro de mim.
Temo acordar para a realidade e encarar que não gosto de cotidianos e muito menos de vidas tranquilas...

Não sei...tudo me parece possivel a partir de agora, e, ao remexer a iris adormecida, quero só ver o que sairá de dentro e para onde toda energia vai querer pulsar...sinto realmente que será penoso e cheio de mudanças essa coisa de analise...mas vai ser bom...

segunda-feira, 18 de outubro de 2004

Final de semana interessantissimo, diria mais, com cenas épicas de bravura e salvamento de "camponesas" indefezas.
O bull do final de semana foi minha tão esperada formatura no CTG.
Até que não fiqeui tão feia como imaginava.
Confesso que é estranho voce se vestir de acordo com a cultura local e se sentir bem.
Ainda bem que a Cris, minha amiga também paulista e japonesa (pra complicar mais a coisa) foi junto.
Ela era minha madrinha...hehehe. Isso fez a coisa toda ficar menos pesada...Mas foi legal.
Perdi meu anel de estimação no meio do salão, mas que "prenda" mais sem noçao de ir com o seu anel no baile...só podia ser prenda paulista...no mais, houve um lindo salvamento do anel pelo mocinho.
Sorte de toda a população local pois eu ja tava armando trombas d'agua advindas de meus olhos.
Quando o pobre heroi me entregou o anel eu ja tava com aquela cara de choro que quem me conhece muuuito bem ja sabe quão patética é...mas foi fofo...me senti uma menina medieval...recebendo de volta o anel dos seus ancestrais, apos brilhante luta contra o dragão da maldade, das mãos do principe...tsc...tsc...to surtando mesmo...hehehe...tá vendo porque preciso de psicologa?!
Porque estou confundido a realidade da ficção e entrando em processo de negação de idade...tô numas nóis de combinar tudo que visto...coisa de adolescente...e paty adolescente ainda por cima...
No mais, já antevejo que me espera uma semana absolutamente lotada de trabalho e pouco sono, o que ira significar um crescimento expressivo no meu mal humor, consequentemente significa para a paz reinar, um melhor aproveitamento da minha amizade, um distanciamento basico e eficiente.
Não liguem, não mandem e-mail, não me cumprimentem na rua porque possivelmente não verei.
Me tirem tudo...até comida. Mas sem sono em dia, definitivamente iris não funciona...vô lá...tem layout pra terminar...

sexta-feira, 15 de outubro de 2004

Na boa, não existe nada mais dignificante para uma mulher beirando os 30 (hehehehehe...), do que dormir depois de uma noite sem dormir...Estabilizei meu humor, meu olho está sem aquelas malditinhas areinhas e a vida segue seu curso normal.
Ontem marquei analista e confesso que to com dó e medo por ela. Eu preciso falar muita coisa que tá guardada desde que saí de São Paulo...bah...minha mente tá uma maquina cuspidora de palavras soltas...ela vai ter que se exercitar, por isso resolvi analisa-la primeiro, antes de ser analizada por ela.

Os requisitos para a minha analista de apenas 3 meses (não quero entrar numa nóia freudiana e ficar mais 5 anos co-dependente de analise...qdo era adolescente era bom...hj não!)

Os pré requisitos p ela são poucos, mas definitivos:
1) Ser, no minimo uns 15 anos mais velha que eu, ou seja, no minimo 35 a 40 anos. Isso é imprescindivel para nosso bom relacionamento;
2) Não ser freudiana;
3) Ter saido de POA pelo menos por um ano. Mesmo que tenha sido mestrado apenas...

Credo..quando eu era adolescente eu pensava apenas que minha psicologa teria que ter cabelos bonitos e ser "legal".
Hoje eu já mudei e, ao contrário da coisa toda, eu vou analiza-la mais do que ela a mim nos primeiros dias. Mas fala sério!
Eu sou assim desse jeito: Cosmopolita, desencanada, matraca e cheia de historias...temo pegar uma recem formada provinciana que não consiga separar as minhas coisas (muitas vezes hard) da realidade dela...pensei até, caso fosse necessário um analista macho do que as femeas da espécie...pelo menos tira a ideia competitiva...sei lá...acho que to analitica demais para com a futura analista...mas confesso que quando a secretária disse o nome dela eu entortei o nariz...que nominho mais de psicologa recem formada...temo.
Temo muito que ela se dê melhor com "iris adolescentes" do que "iris adultas"...e, defnitivamente, dentro da "iris adulta" não há resquicios de "iris adolescente"....hum...a não ser quando joga the sim's...perfeito!
Se no dia da consulta eu acha-la meio "despreparada" para mim fico falando do the sim's até dar o horario e depois troco de analista!
Que brilhante ideia! Ela vai me achar uma imatura e babaca designer mas ai vai estar empatado porque, na real, eu também vou te-la achado exatamente com esses adjetivos se começar levar a prosa para the sim's...hum...um pouco estranho confesso...essa minha metodologia de analise de analista...mas quero poder falar tuuuuuuuudo que penso sem bairrismos!
Temo pelo bairrismo local...ô se temo. Fui...
Saudades da minha psi behaviorista...aiai...

quinta-feira, 14 de outubro de 2004

Hoje basicamente não dormi. Eram cinco e meia da manha e eu queimando cd de apresentação p cliente...passei a noite toda flashando e resultado disso foi um trabalho bacana, 2,5 litros de coca-cola light na veia e um mal humor caracteristico de "iris sem dormir".
Nunca embalei a noite acordada por causa de trampo...e olha que trampar sempre foi um exercicio simpatico a minha pessoa...hehehe...preciso dormir...e acho que a paradinha ficou bacana. E sabe de uma coisa...acho que essa foi a primeira noite de muitas...hehehe...vo lá...e tadinho daqueles que me supotarem hj...ô coisa mal humroada. Tavaa implicando até com minha jaqueta coral.
Fui peoples

quarta-feira, 13 de outubro de 2004

Feriadão...que nada!
Trabalhei horrores e pouco usei os dias sem trabalho com feriado mesmo...mas deu pra perceber que preciso de ferias de mim e de psicologa mesmo...credo! Nunca pensei que fosse lidar de forma tão dificil com a distancia e que tria um estupido saudosismo me cercando...acho que deve ser coisa da idade...antes eu nao dava a minima para codigo postal agora me parece tão...sei lá...acho que tem a ver com aquela coisa universal da solidão humana.
O Espanha falava disso e eu não entendia...credo! tô véia...falando em coisas nada a ver...tava lendo o nome desse blog e até agora só fez jus a palavra "bobagens"...tá..."papo feminino" rola...mas "cronicas"...a muito nao vejo por aqui...resolvi que a partir da semana que vem vou escrever cronicas...será a semana das cronicas...pra mudar um pouco essa coisa melancolica que vem cercando esse pequeno ser de uns tempos pra cá...fui que tenho q trabalhar...

quinta-feira, 7 de outubro de 2004

Acho que tô falando a beça com a galera de sampa, da facul...com a Paulinha que eu estava com saudades porque é tão "enlouquecida" quanto eu...queria que ela mudasse para cá...alias...queria o fabio jogando the sims aqui tb...as vezes tenho vontade de ir visita-los...

mas...nada é flores completas...iria topar com a minha irmã que me odeia e nem me deu opçãpo de defesa...
não entendo...ontem vi que meu cunhado vai se formar e certamente não passa pela cabeça dela, me convidar.
Pior, nem na dele...

...falo com todo mundo menos com a criatura q não me liga, não responde meus torpedinhos...é chato vc ser acusada de algo (porque certamente tenho um veredicto certinho na mente dela para que me bloqueie dessa forma) que não faço ideia do que seja e todos os perdões necessarios da minha parte ja foram pedidos e nada...sabe...ja chorei muito e muita analise fiz por essa ausencia que preferia nao ter de suportar mas... hoje cresci e entendo algumas coisas.

O tempo passou e tanta coisa mudou...
E o tempo é o melhor remedio...pra mim ja passou as tristezas, as brigas de irmãs, os desentendimentos porque eu tenho certeza de que existem coisas maiores para se chatear...sei lá...

E a moça continua naquele mundinho particular, onde tudo gira em torno da vida dela e do seu unico ente querido...confortavelmente isolada de todos.
Não posso fazer nada se tem raiva, inveja, vergonha ou, se me ver significa que corri atras de sonhos rompendo barreiras e ela não...falava sobre se acomodar com a Paulinha agora pouco...reclamava da irmã que se acomodou no trampo.A minha se acomodou na vida...oq é pior.

A pena disso tudo é que, em dias como hj, em que busco enlouquecidamente em amigos da facul e da vida toda, uma referencia alegre pra espantar essa saudade que me invade os poros, não posso contar com minha irmã para nada.
Por que eu nao sei ao certo. Sei apenas oque vejo e aceito: Me odeia sem muito sentido de ser.

Mas não vou ficar mais triste do que posso por isso. Já fiz muita analise por isso e sei que eu não sou a culpada e, todas as culpas que poderiam ter ocorrido nesse interim ja foram esclarecidas com a propria cidadã.

Acho q a definição de familia pra ela ficou pior do que pra mim...sei lá...hoje eu entendo melhor algumas coisas que fazia e entendo o lado escuro que leva dentro de si...respeito muito e por isso entendo essa descartada que, eu e tudo que restou de familia leva...
...seria melhor se o pacote de recisão familiar que me foi entregue em tenra idade fosse total...me polparia algumas tristesas ou em enloqueceria de vez...credo! to gotica!
Fui...

quarta-feira, 6 de outubro de 2004

Acordo, depois de uma noite extremamente reflexiva onde falta de familia e, consequentemente, parametros, fazem uma grande diferença...alias essa droga de depre que de tempos em tempos bate me faz bem. Humanissima, falhérrima, certa de que inumeras coisas me serão impossiveis de executar e isso me tira de uma possivel arrogancia...
viro gente quando me deparo cruelmente com minha realidade. Isso é bom. Tenho todos os predicados necessários para ser uma petulantezinha ridicula mas eu sou podada pela minha realidade fria e solitaria que, vez ou outra me acorda, sacode todo meu ser e fala com ar de superioridade sabia: "Quem voce pensa que é?"
Ai eu passo a refletir que realmente, dentro de um contexto mundo não sou nada, ou...alguma coisa infima que faz parte da paisagem do mundo.
E que só pode contribuir com algo util se fizer algo util e não ficar reclamando, se achando e outras coisas mais que costumeiramente nos mortais fazemos com maestria.
Esses "chacoalhar" de ideias é bom.
Me faz absolutamente apatica, alheia a correria do mundo e a minha conta estourada por causa de gestos nobres...não tô com raiva.
Obvio que já acordei abstraida do contexto humano que estou inserida, entao essas coisas não me atingem tanto...tem uma ponta de raiva dentro de mim por causa do garotinho recepcionista da academia, da porcaria dos 90,00 extraidos da minha conta a toa...enfim...to de saco cheio. de conhecer meu final, saber meu futuro e não pode reclamar, porque é bom. Apenas não é oque eu planejei para mim.

terça-feira, 5 de outubro de 2004


hum...muito sono...altas ideias...minina em expansão.

segunda-feira, 4 de outubro de 2004

Pois é...eleições se passaram e eu e essa mania de não ser nenhum pouco politicamente correta nas eleições, deixando claro minhas aptidões pseudo-anarquicas herdada da ancestralidade italo que corre em minhas veias...pois...deixei para justificar hoje nos correios, uma vez que ontem estava preguiçosamente a fim de ficar em casa, jogar the sims e dormir muito...o que acabou não acontecendo porque fiquei jogando joguinho e fui trocar ideias com o felipe no gasometro e descobri mais um lugar cheio de gente q não é a redenção...devia ter justificado ontem...tsc...tsc...bom, voltando ao assunto mas abrindo um parentenses para informar que quase matei o meu querido companheiro de ceva ontem de ingestão excessiva de gordura...levei o cidadão pra comer x no speed..tatinhu...espero que sobreviva e que não tenha ficado com impressão de "Iris- Uma morena (para paulistas) assassina."
Bom...voltando às eleições - hj tô naqueles dias em que as palavras estão saltitando gratuitamente de dentro de mim e todos os assuntos viram grandes declamações de poesia concreta - almoçei com um dos diretores aqui, que foi legal pq conversamos muita coisa boa enfim...fui ao correio e qual não foi minha surpresa ao descobrir que não se justifica mais pelos correios!!!
Pensei que tô ferrada com a justiça eleitoral...aiaiaiaiaiaiai...agora só se justifica nos lugares de votação no dia da eleição...eu definitivamente estou fora da lei e mais...sinto que toda a vez que resolvo ser uma cidadã correta e cumprir com minhas obrigações eu acabo fazendo confusão...tsc...tsc...deveria ser europeia isso sim...ai nao teria problemas com justificativas eleitorais...E não há justificativas que minimizem meu estado total "out" a respeito de politica no Brasil...alias...to muito feliz pq fiz um site tabless e em quatro horas somente p quem tinha um css de pre-escola estou ficando muuuito espertinha!
Bons fluidos da minha nova constituição pessoal...alias, aconselho a todos se reprogramarem um dia e deletar as coisas deletaveis.
Como isso Srta. tabless?
Simples meu véi e minha véia: Sabe aquele guarda roupa cheio de coisa antiga que não usamos mas guardamos p uma "eventualidade" que nunca chega?
Pois jogue fora o que não usa e abra espaço para novas aquisições...;)
That is the way mano!
Fui pq to muito pentelha e falante demais hj...meu alunos q me aturem a noite...hehehe...putz...acho que vou escrever no zupi a respeito de tabless...amo tanto o css na minha vida...hum...tchau.

sexta-feira, 1 de outubro de 2004

Quando essa moça que vos fala chegou aqui se sentiu tolhida.
De repente pela situação de adaptação a niveis de extrema dificuldade e hora até de necessidades, que viveu, lhe fizeram repensar sua capacidade de ser livre.

Passaram se os tempos, driblados os dejasustes pela não cidadania local, tudo ficou tranquilo, trabalho reconhecido, liberdade de vida resgatada.
Mas a saudade da garota paulista ainda é muito grande.
Hoje de manhã recebi uma noticia de um cara que desenvolvo uns projetos que me soou a mente, como uma canção da Jewel.

Tá, cada vez que termino trabalhos tem ficado comum, ainda bem, meus clientes brincarem querendo me contratar mas esse foi diferente.
Acho que é a pessoa que falou, meu amor antigo e cheio de promessas romanticas....hahaha...bem diferente da minha realidade atual...sabe aquelas coisas que voce acredita porque quer acreditar? por que, quando conheceu a pessoa era assim? Tudo era mais facil e possivel? Meio assim...

Então, esse mocinho tem uma empresa, eu to fazendo toda midia e ele me disse que ja trabalho com ele.
Putz...lá vai a moça viajandona...já me imaginei do jeito que queria estar, tranquila, com meus jobs freelas ja fidelizados (tenho um fiel até agora), morando em sampa novamente...me pareceu tão bom...trabalhando com ele meio que em casa mesmo, fazendo Panamericana ou uma facu de culinaria no SENAC, caminhando no Ibirapuera e pentelhando o Cesar lá no Itau Cultural...

hum...me pareceu mais romântico e distante que um tour na Europa...me pareceu o começo de um sonho reverso, me pareceu quase um objetivo de vida escondido dentro de mim...me pareceu que cresci e fiquei forte pra correr atrás...me parece novamente loucura...

quarta-feira, 29 de setembro de 2004

Uma mensagem vinda da internet

Vou te dizer o que penso de amor:
Amor é uma coisa antiga, tão antiga que o século que vivemos ainda não consegue entender com a exatidão necessária e coração disposto.

Como pode entender de amor um jovem que passa suas tardes e noites escolhendo sua amada pela tela de uma tv, e nessa escolha passa por tantos rostos e é um tal de cola, manda e-mail, manda foto, responde questionários, marca encontro, se decepciona, encontra outra, se esconde daquela e outras coisas que fica difícil qualquer tipo de relacionamento assim.

Antigamente o leque de opções, por ser restrito trazia mais fidelização aos sentimentos.
A gente conquistava mais, entendia mais, deixava passar pequenos defeitos com mais facilidade.

Hoje não. Tudo obedece um padrão mínimo imposto pela enorme gama de corpos soltos em orkuts, salas de bate papo e mensageiros instantâneos.
É tanto lugar pra encontrar o par perfeito que acabam perdendo o alvo no meio do caminho.
Nem o vemos, nem o sentimos e nunca amam.

Se amor é convivência como ter amor se não passam para o real o afã do virtual?
Querem enlouquecidamente conhecer, encontrar, beijar e ser felizes mas em que ponto da história da vida houveram relacionamentos duradouros senão por longo tempo de conhecimento?

Final feliz virtual?
Deve haver, um ou outro. Certamente de pessoas que não se "ilimitaram" e, ao contrário de muitos, deixaram o deslumbre da variedade de lado e buscaram um único corpo que logo conseguiram converter em rosto, coração, sentimentos.

Mas é dificil, o mundo está rápido. Inventam muitas coisas para aproximar sem perceber que distanciam de tudo e de todos.
Ilham-se em sonhos, e desses sonhos fica a sobra de uma solidão incontinente, vazando pelos sites a fora, sem cessar.
Até quando isso tudo vai acontecer e não vão perceber que o amor está longe disso.

Ensinam a chegar a marte, mas não ensinam a chegar no coração.
Será isso tão impossível?
Mas é fato polêmico. Qualquer rodinha de amigos, qualquer pessoa pode responder que, ao menos um dia questionou sua vida amorosa desde que deixou de buscar no real.

Uma sensação vazia isso sim. Depois das janelas fechadas as portas realmente se abrem e passam a se ver só.
Exatamente como estavam no início de tudo.
É tanta gente, tantos corpos, tantas opções, tantos e incessantes destrinchar de personalidades (muitas vezes forjadas) que é tão difícil, cansativo, petulante e soberba sua definição.

Ainda que o mundo evolua de tal modo a teletransportar no momento em que conhecem virtualmente alguém, ele nunca vai tirar o gostinho do primeiro olhar, do descobrir os gestos e advinhar as preferências pelo jeito do outro.
Nada substitui o real. Ainda que a facilidade seja grande. Só no real poderiam ter uma vaga idéia do amor
.
Enquanto isso a busca incansável continua. E nessa troca de imagens jpg até quanto durar a sorte, os corpos indefinidos continuam se buscando, encontrando e perdendo.

A juventude...eterna criadora de casos e soluções...não encherga o simples: O amor não se vê, não tem extensão e nem se mede em bitmaps.
O amor é mais que isso e para sabe-lo, é necessário senti-lo com suas cascas grossas e seus medos, até ultrapassar para a outra esfera.
Esfera real, limpida e franca. Sem dpi's.

Ou entao o amor não é desse século mesmo...E num futuro virará uma lenda, a paixão será a unica definição lógica para tal sentimento nobre e ninguém será infeliz.
Por que ninguém saberá mesmo o que perdeu por desgaste...acho que nunca saberão...talvez no dia em que faltar luz, e as pessoas sairem de casa e se verem, deixando de ser meros corpos em ebulição juvenal.

E nesse black-out começarem a enchergar suas vidas sem alta resolução e ouvir suas vozes sem metaliza-las.
Será preciso tudo escurecer para o óbvio se fazer visível: O amor nasce de convivência e costume.
Se deriva e não saltita de tela em tela.

terça-feira, 28 de setembro de 2004

Não há madrugada, nem sensação sufocante do verão que deixou de existir naquele instante de segundo, onde a brisa suave envolvia tudo ao redor e, o gosto salgado de agua do mar chegava a boca, pelo vento e lembranças daquela paisagem.
Dias insolitos, intensos e felizes, mas sem lembranças relevantes. Era apenas uma sensação tranquila de vento litoraneo na face. Cabelos e pensamentos tão perdidos no insano dia a dia da metropole.
Queria que tudo voltasse? Na verdade a unica coisa eterna aquela hora seria ao sentido imediato ao passar a mão pelos cabelos desgrenahdos pela ventania vinda da praia.Tempo bom, de poucas cobranças mas também poucos sonhos.
Muitas musicas e delirios porém poucas lições e crescimentos.
Tempo bom, não fosse o futuro.
Mas nada daquilo valeria, hoje, como lição. Apenas a sensação tranquila de estar muito além daquilo tudo, nada alcançando, nada absorvendo e ao mesmo tempo tudo tao necessário e vital.É o que chama de viver.
Acima de tudo conhecer ilimitadas formas de ser e estar feliz. Ainda que a fugacidade imprima inúmeras falhas e tristezas em nossas mãos, vale a pena sentar e olhar para trás um só isntante que seja e estar lá, ainda que para voltar rapidamente e não visitar o passado outra vez.
Vale a pena por que tudo passa a ter renovado sentido quando o que foi vivido na realidade, nao teve a menor importância.
De vida, de historia e de alma.Voltou lá, porque não acreditava nisso.
Mas percebeu a verdade nessa promessa.
Nada valeu, mas se não o vivesse, nunca teria sabido.



hum...to bem ansiosa com a instalação do the sims...na verdade um pouco demais para meus vinte e tantos anos...e nessa logica infantil eu e as meninas ontem ficamos até tarde da noite jogando "jogo da vida"...pra variar um pouco fui milionaria...coisa que nunca acontece pois sempre me transformo numa filosofa pensadora da flexibilidade do rabo da lagartixa.

Cancelei meus futuros compromissos para o proximo mes e vou trabalhar muito, jogar muito simuladores e engrenar na academia que alias ontem tava mó legal...mas preciso cuidar p não fazer amizades senao...tsc...tsc...eu nao malho mais...heheheNo mais era isso, tenho um post bonito para colocar aqui mas to sem inspiração e tenho que ver oq acontece com meu orkut que re repente começou a chover gente estranha oferecendo sua amizade...acho legal isso...ams dá trabalho abri-lo todo santo dia...bjos

segunda-feira, 27 de setembro de 2004

Bom...mais uma semana se inicia...to desanimadissima dela, não fosse pela alegria do bem adquirido seria chato...acho q preciso de ferias...dormir muito, comer coisas boas e jogar sims sem me preocupar com nada...A
lias...acho q to precisando trabalhar com crianças...um trabalho voluntario logico.
Mas nao tenho tempo...as minhas aulas na UFRGS já são assim, o limite da minha sobra de tempo. Queria dar aula de musica pra crianças de uma vila qq...que nem em Salvador mas não vou conseguir conciliar.
Não esse ano. Ano que vem quero continuar as aulas na UFRGS se me quiserem obvio e queria arrumar um tempo pra outro tipo de voluntariado.
Queria mexer com interiores de uma forma mais profunda...sei lá...crianças a gente acaba trabalhando muitas outras coisas e adolescentes/jovens fica mais complicado fazer algo diferente que não seja "dar aula".
Não sei...isso certamente me ajudaria a perder essa sensação de improdutividade que sinto...Pareço a loka né?
Quanto mais coisas faço mais quero fazer...tava pensando em pegar uma criancinha pra passar o Natal lá em casa mas logo perdi a vontade porque casa de solteira é super entediante para crianças...não...definitivamente não seria uma boa...preciso fazer o bem sem olhar a quem num "level two".
Preciso achar o quem...ou os quens...hum...mas não adianta inventar porque to sem tempo...hum...tá...vou trabalhar agora e pensar numa saida para essa tresloucada necessidade de fazer alguma coisa a mais...bjo.

sábado, 25 de setembro de 2004

hoje quase enlouqueci depois que finalment achei a mesa para o micro...fui tirar referencias decorativas na feirinhad a redenção e vi meu sonho de infancia: casinhad e bonecas completa de madeira.
Ai...acho que minha irmã precisa urgente ter uma filha para que eu possa mimar minha sobrinha...uma vez que eu ser mae esta meio fora de cogitação pela realidade a que me encontro inserida...tô preguiçosissima, amanha tenho que terminar umas pinturas na mesa e vou agooora comprar pipoca pra assistir filme com a Jê...hum...hj andei o dia in teiro sem meu celular...fantastico! a gente se sente leve e sem aquela hoprrivel necessidade de consulta-lo a cada cinco minutos para ver se nin guem ligou, no meu caso se o celular n ligou sozin ho p ninguem (sempre esqueço de bloquear o teclado) e se não chegou mensagem...alias...tem um amigo meu que namora muuuuito serio e nao quer me confessar...Não é pecado geologo! É bunitinho...;)
Bjos e aproveitem o findi...estou com pressa e com vontade de tomar iogurte comendo pipoca...fui

sexta-feira, 24 de setembro de 2004





E mais uma vez fecha-se as cortinas e o espetaculo acaba.
Sem hora para terminar mas sempre terminando mais cedo. Essa rotina densa e desgantante de se esperar encontrar algo ou alguém que valha a pena e que nunca dá certo.Ao logo da minha pequena vida de mulher tenho tentado ser rasoavel, compreender, amar, enlouquecer e ser casta, desligar e conectar...mas acho que desisto dessa dificil tarefa de ser uma mulher com sonhos.
Sonhos não existem, casamentos são coisa da midia e os namoros sao pequenos atos de duas mentes surtadas mas que sempre caem em si.
Não existe o que eu quero. Não é perfeição é sintonia, não é beleza e sim cumplicidade e não é pra sempre e sim enquanto dure, como ja dizia o poeta.
Frugalidades, encontros bobos e sexo é muito facil, é muito bom, é quase nada.Não sou uma pessoa de metades, não quero uma parte.
Quero inteiro, ainda que sonhado...que loucura...não existe amor.
É tão obvio isso e eu ainda fico querendo acreditar que vou encontrar uma pessoa que vai me olhar docemente e sacanamente e será esse o "cara". Mas nunca essa dualidade acontece.E o mais engraçado é que, quando desisto e resolvo aproveitar a superficialidade dos encontros descomprometidos e desacredito nos relacionamentos alguem sempre aparece para me fazer desistir dessa meta e, depois de algum tempo, as vezes um prazo pequeno de uma semana, todo o sonho se desfaz...e a vida passa a ter os mesmos fotograficos coloridos de estar só e não saber por que.Na verdade acho que falta coragem para todos nós assumirmos nossos desejos.
Conheço tantas pessoas que querem estabelecer um relacionamento tranquilo com alguem e nunca conseguem porque procuram esse "alguém" no lugar errado ou porque nao sabem ainda o que querem. E eu? Eu sei? Na verdade, eu sei. Mas sou sozinha nessa realidade, ou tenho me deparado com pessoas tão perdidas que ainda não se decidiram a casar ou comprar bicicletas.
Daqui uns anos entro pra casinha dos 30 sem nunca ter vivido alguma coisa com alguem que valeu a pena. Sem tranquilidades agitadas, sem loucuras, sem paixão, sem amor.
Daqui um tempo decido ter filhos, porque trabalho para ter condições por mim mesma, uma produção independente, é possivel que com o passar dos anos fique linda, enigmatica, sensual...e tudo que havia sonhado nos meus vinte e tantos perderá a realidade e vai passar a ser um devaneio de juventude."Como eu era ingenua".
E pergunto agora, para mim mesma: É isso que quero pra mim? Me tornar uma pessoa cada dia mais fechada, auto-suficiente e decidida onde uma compra de computador jamais fará um turbilhão na minha mente...será facil e racional...Não...definitivamente não foi isso que planejei para meu futuro.
Meu futuro é exatamente uma Puta dona de casa.
Mas faltam homens, faltam situações, falta amor, falta vida dentro de cada olhinho que cruza os meus.Hoje eu me sinto cansada de procurar entender.
Tem agora duas luzes no meu msn piscando. Meu contato de trabalho em Londres que me rende uma projeção muito bacana profissionalmente e financeiramente e meu "amor" paulista que provavelmente também só quer me comer...preciso atende-los...mas me falta força...acho que cansei de fazer de conta que sou boba e acredito que nao estou sendo enganada quando estou certa de estar sendo enganada. Na boa.
Queria qualidade de verdades e não as fabricadas.
Queria realmente não tensionar cada vez que conheço alguém porque tenho que empatizá-lo a tal ponto de prever sua pretensão.
Queria a liberdade de sentir algo por alguem sem medo. Fosse o que fosse...queria sorve-lo e não engoli-lo apressadamente.
Não sei o que a futura mulher de 30 pretende fazer...hoje ela quer trabalhar, se descabelar com investimentos pequenos mas totalmente estranhos para ela e terminar o dia dançando com um desconhecido lá no fim de POA...e acordar no sábado...sozinha, no meu quarto minimalista...ok luzinhas piscantes...vamos ver oque vcs me reservam...

quinta-feira, 23 de setembro de 2004

Engraçado...depois que se adquiri uma certa "experiencia" em filhadaputices a gente começa a pesar menos quando tentam nos tirar para otario...
A coisa funciona mais ou menos assim: fazemos de conta que estamos sendo enganados enquanto somos enganados.
Principalemente mulher tem ser PHD nesse tipo de detecção.
já nem to com uma série de coisas já "previstas" acontecendo nessa minha vida.
A unica coisa triste é que, a receita acaba englobando as pessoas "belezera".
Mas é dificil indentificar de primeira, segunda, terceira e as vezes até em anos vc não saberia dizer se tal pessoa é ou nao filhadaputa.
O que vale é ter felling e ficar ligado, a todo tempo.E prever tudo...mas não entrar em nóia.
Ter em mente que, "poooode ser" e nao que "é".
É um misto de andar resabiado e deixar rolar saca? tipo blasé que indica:" se nao for dessa vez é em outra, andem filas!"
Alguma coisa como entrar sem esperar muita surpresa feliz...ai é legal! porque quando vem sempre é bacana!
Não tentem fazer isso em casa...;)

quarta-feira, 22 de setembro de 2004

Engraçado o perdão.
Ele não livra as lembranças indesejadas mas as permite caminhar dentro da gente com mais leveza, menos importancia.Pensei que, ao passo de declarar perdão tudo se sublimasse e o passado mostrasse grande indisposição ao conspirar para meu futuro.
A regra ainda continua simples, a equação exata e a vida ainda tem suas ferrugens pelos caminhos tortos que não foram trilhados sozinhos.
Mas o perdoar te diminui a improtancia dessas farpas e manchas e faz com que exatamente tudo passe a ter saúde.
É assim que tem que ser, as lembranças ruins, as cenas desnecesárias continuarão dançando na mente mas sem a importancia de antes, afinal, que passado é esse tão algoz que pode nos impedir de desfrutar caminhos doces, ainda que machucados, num futuro?
A vida é bem mais que perdoar e ser perdoado...ainda que este se faça necessário para libertar. É boa a sensação. Parece não haver nada mais suave que o depois...Bom dia.

terça-feira, 21 de setembro de 2004

aiaiaiai...é tão complicado controlar...pulsação insandecendo, vontade de nao achar nada achando que é tudo...odeio isso..descontrola, desmotiva, deixa todo o controle fora da gente...é tão bom...mas as vezes essa pulsação tão enlouquecida me dá vontade de cortar logo os pulsos pra resolver essa saltitação e cessar de uma vez...temo.
temo o contrario, o engano e "o sinto muuuuito mas, parada errada".
enloqueci o dia inteiro imaginando porques, nomes, endereços e agendas mas nada me ajuda...só a nitida sensação de andar em circulos dentro de um quadrado que as pontas tem listas telefonicas...estranho né?
humano demais para mim...humano, exatamente do jeito que tinha que ser mas parece nao ser...igual alguma coisa sonhada mas diferente.
tem cheirinho de coisa boa, é fofo e pode ser colocado dentro do meu coração a qualquer momento.
se tudo é tão bom...pq essa indescritivel sensação de "Out"...acho que preciso ler mais, trabalhar mais e sonhar menos.
olhos mareiam de imaginar o grande equivoco que posso estar concentrando dentro dessas linhas...subjetiva, eu? imagine...são seus olhos que não conseguem enchergar o obvio...;)
Final de semana mediano, com chuvas e trovoadas e temperatura amena...otimo para dormir e acreditar num mundo melhor. Nessa crença, onde a inercia invadiu meu ser tenho de saldo:

- Balada nova;
- Queimaduras nas mãos;
- Arroz "Unidos venceremos" muito saboroso;
- Feio, feio corte no rosto onde tirei um pedaço da pele;
- Guarda roupa ok;
- Unhas e depilação ok;
- Um livro lido;
- Dois filmes assistidos dentre eles senhor dos anéias as duas torres que é muito fiel ao livro mas faltou o exercito de espectros, o elixir que os hobbits tomam dos ents e a cronometragem estava inexata...deu vontade imensa de fazer minha tattoo o mais rapido possivel.
Tolkien pra mim n é simplesmente um escritor, é um contador de lendas da alma, um fabricador de arquetipos. E me fala muito a alma toda a saga da terra média.
Amo muito essa literatura.Alias, ouso dizer que ela me ajudou muito nos seis meses de sampa em que estava sozinha, me reabilitando e sem um puto no bolso sequer pra comer...acho que se nao tivesse me esteriotipado nos personagens extremamente fortes de tolkien, certamente teria outra historia pra contar...well;
- Uma ligação do Alfinho;
- Um desejo de que o dia não acabasse;
- Uma visita e
- Um banquinho semi pintado.

E foi assim o fim de semana prolongado. Nada de novo, tudo por dentro e pacificamente tranquilo, sem perspectivas maiores das que eu tenho em mente: trabalhar, nao querer me entender, entender o fato de que psicanalise é um dinheiro q vou jogar fora no momento, ir a academia e fazer o basico para o joelho nao inchar e ir ao cinema sozinha...ja q nao tenho criaturas disponiveis nos meus horarios e falar com a gerente do banco p saber porque a correspondencia importante nunca chega.

sexta-feira, 17 de setembro de 2004

Dia tranquilo...hje o Alfinho fez um post no blog dele pra mim...achei fofo.
Saudades da faculdade e da epoca em que sexta feira a gente se lotava (todos os amigos) de bilhetinhos, presentinhos e o diabo a quatro com desejos de bom sabado...hehehe...relembrando velhos tempos, fiz alguns cartões para umas pessoas que considero bem importantes para mim.
Tão legal, escolher a cor, a imagem, a frase...tudo personalizado para aquela pessoa.
Acho tão importante demonstrar afeto, carinho, amor.
Tenho deixado isso meio de lado com meus egoismos mas na real não seria ninguem sem uma pá de gente que tenho ao redor e as vezes a kilometros de distancia mas em intensidades de sentimentos que as trazem para perto imediatamente.
Com essa atmosfera bacana de depois da tempestade, iris versão faixinha na cabeça vai procurar trabalhar muuuito.
Bom final de semana.