quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Paciencia...palavrinha muito cotada dentro dos meus dias...

Hoje estou bastante contemplativa. Épocas de aniversário são sempre bacanas para a gente relembrar, pelo menos para quem tem o costume como eu, a lista de desejos que fizemos no ano anterior.

Tem gente que faz isto no ano novo mas eu não curto até porquê não sou cristã e no meu ano novo são contados outros aspectos importantes mas de uma maneira mais global...enfim, wishlist de niver é padrão por aqui quando zera o timmer e começa tudo de novo é legal dar uma checada.

Eu me lembro que me propus 3 coisas e destas apenas uma parece que teve evolução: ter PACIÊNCIA.

No geralzão, para quem me vê e convive comigo de uma maneira social (trabalho, grupos aleatórios, etc) não podem dizer que sou uma pessoa impaciente. Eu sou calma, gosto de explicar e escuto. Mas aqueles que vivem dentro dos meus dias sabem que minha forte caracteristica TDAH, me faz uma pessoa rápida e intolerante em diversos aspectos.

Mas posso dizer que me controlei e me controlo diariamente para respeitar o tempo e a postura de cada um...é dificil mas este ano que se fecha amanhã eu me comportei muito bem quando minha irmã (que antigamente o simples pensar nela me tirava do sério) começa com os assuntos surreais (para minha realidade).

Tive paciencia também...mas não muita...com os Correios e seu atendimento "old school" e liguei seguidas vezes para a NET para conferir se a informação do primeiro atendente do callcenter era verdadeira.

O diferente que antes eu não aceitava hoje eu respeito e por ai vai...a paciência com o diferente está se tornando uma realidade na minha nada pacata vida.

Acho bacana olhar isso e pensar em planejar novas metas para este novo ciclo que começa amanhã...finais que começam...aiai...viver realmente é fluir :D

sábado, 5 de fevereiro de 2011

São exatas 3:15 da manhã de uma lua nova...acabei de assistir um filme que libertou minhas lágrimas bastante represadas e tive que optar entre limpar radicalmente os azulejos do banheiro ou vir escrever alguma coisa que me permita depois, dormir.

Estes ultimos dias, em um hiato de 15 dias e noites, achei que iria perder Boolie Boolie. Essa bichana de nome estranho baseado em "conduzindo miss dayse" conseguiu um grande nódulo no osso chamado esterno e, para continuar lógica a frase " as aparencias enganam", ao que tudo indica foi apenas mais um susto dessa pretinha nada básica...

E olha que ela ja me deu sustos: comeu planta venenosa, descoloriu boa parte dos pelos se esfregando em agua oxigenada 30 volumes (que até hj eu não faço idéia de como ela conseguiu pegar) e uma série de outras bagunças menores mas impactantes tb.

Confesso que embora estude bastante e tenha um entendimento real do que significa a morte, o fato de perder a gata me abalou consideravelmente. Alguma coisa desiquilibraria a força, algo sairia do eixo cotidiano e readaptações teriam q ser feitas. Sem contar a falta da partida e a saudade.

Chorei muito e antecipadamente por um dia inteiro e depois, conforme o nodulo diminuiu e ela continuou maluca, tudo começou a voltar a fluir de forma "familiar" e feliz em meus dias. Me dei conta de algo que ainda não havia parado para perceber: continuidade e lar. Me dei conta de que nunca tive um bichinho fixo por tanto tempo.

Se for ver realmente nem lar fixo eu tive por tanto tempo (coisas de ser orfã) e nesse turbilhão de pensamentos assustadores eu me dei conta de que tenho, a muito tempo, um lar só meu. Me assustei ao olhar para isso tudo e gostei. Não viajo mais tresloucadamente pelos 4 cantos do mundo  a uns bons 7 anos o que me deixa um pouco inquieta mas por outro lado tenho residencia fixa como nunca tive, coisas minhas e bobas, pequenos lugares prediletos e alguns sonhos que parecem que podem se tornar reais (trabalhando...claro).

A possibilidade dessa perda me fez lembrar, por mais distante que isto possa parecer, dos meus pais, do universo que eu tive por pouco tempo e me fez dar muito valor ao que eu construo hoje...construção capenga pela falta de prática em alguns pontos mas vai ficar bem solida e resistente aos ventos e marés...eu acho...

Me questiono se isto, este "stop" seria medo...mas acho que não...talvez seja realmente um deleite incrivelmente novo de construir uma estrada...ou talvez um parque no meio da estrada...nao sei... Sei que depois da Boolie ocorreram outra situações desequilibrantes como probleminhas de saude e upgrades profissionais que contribuiram para a sessão "where I am".

Eu não sou de ter insonia...nunca fui e nos raros períodos elas aconteciam por ansiedade de algo acontecer no dia seguinte. Amanhã não vai acontecer nada...provavelmente vou ao correio buscar as correspondencias da semana e comer salada no meu restaurante predileto e depois fazer uma loooonga e sequenciada soneca...acho que a insonia de hj é retroativa e está acontecendo justamente para eu escrever estas coisas aqui, liberar um pouco dessa tensão toda do tal inferno astral e depois de descongestionar a alma, dormir.

Então...vamos ver se funcionou...Bom dia!