sexta-feira, 13 de novembro de 2009


De uns dias para cá estou apaixonada. Enfeitiçada pelas inúmeras possibilidades romãnticas que sobrevoam alegremente meus pensamentos.

Elas não teem um ponto focal especifico mas ao mesmo tempo são extremamente certeiras. Penso nos horizontes. A distancia de cidades separadas por oceanos, histórias antigas, conversas sem fim...Penso também sobre amor.

Eu sempre discuto sobre amor com duas pessoas que considero as mais cultas que poderiam estar passeando sob meus dias e uma delas é minha irmã que, embora sempre demonstre aptidões para a superfície das coisas, tem bastante conteúdo interessante para dispor.

Sobre escolher amar hoje posso afirmar que entendo esta forma de pensamento e é por isto que me sinto tão apaixonada, tão integralmente envolvida e livre...de uma liberdade de tudo e de todos que é fascinante.

Em alguns momentos acho q envelheci tudo o que podia neste ultimo mês e esta sobriedade mental que me faz ser apaixonada é resultado direto desta maturização...depois penso que pode ser o fato de minha mente curiosa descobrir sempre novos lugares e pessoas.

Tenho um pouco de receio disto tudo mas este cheiro de novidade me deixa tão próxima ao extase que posso tranquilamente seguir com ele...criei mais uma personagem para o imramma...acho q vou anexar este post lá para pesquisas posteriores...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Ecos do Alén


Hai un rumor que move o vento no ar
Que encolle a ialma cando o sintes
Hai un rumor que sabe a terra e a sal
Que aínda ten voz na que habitar
E algún rapaz teimando por preguntar
Descubrirá que hai mil historias
Nos ollos calmos de quen soubo gardar
Ecos do alén

Na súa voz
Está por destecer
En cada frase un cantar
Do que xa foi, do que ha de ser
Na súa voz
Quedou sen esquecer
Do tempo un maino alalá
Na súa voz

Non hai silencios si te vexo tentar
Coller na man o mundo enteiro
E así comenzan no teu berce a nevar
As verbas que deixa un ronsel
Antigas lendas da montaña e do mar
E contos nados na lareira
Van debuxando frente a ti, devagar
Ecos do alén

Na túa voz
A luz ha se prender
Mostrando as sombras que fan
Saber que hai máis do que outros ven
Na túa voz
Vieiros ancestrais
Terán alento, meu ben
Na túa voz

Ecos do Alén
Luar na Lubre

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Hoje foi mais um dia estranhíssimo para a coleção de dias estranhos...a auto-hipnose tem me ajudado significativamente a dormir cedo e melhor. Com isto, as olheiras e a sensação de areia nos olhos que me seguiam durante o dia se foram dando lugar a noites interessantemente povoadas por meus velhos sonhos malucos.

Meus amigos maremotos voltaram mais ousadinhos e tentaram afogar uma amiga que eu salvei...geralmente eles viravam marolas quando chegavam perto de mim mas desta vez eu mergulhei neles para resgatar a criatura que não largava a porta do elevador coberto de agua...sim...elevador afogado combina com meus sonhos.

Esta noite sonhei novamente com a classica cena: Minha irmã me sacaneia. Foi engraçado pois eu estava indo a um show de hard rock e encontrei pessoinhas das mais variadas: desde JosiRenatinha até o Jorjão que eu e minhas amigas adolescentes pagavamos pau quando tinhamos 16 e ele...hum...talvez seus 30...

Era engraçada a cena...na vida real as meninas tentavam me arranjar para o tal do Jorjão...porém a coisa complicava pois as dez e meia da noite minha carruagem virava abóbora...coisa que para ele deveria ser patético pois esta hora ele mal começava sua "night"...

enfim...era correria para ele me ver, me gostar, me beijar e eu sair correndo para o carro que me aguardava com um motorista carrancudo me levando para casa...

o dia da minha festa de despedida (eu estava indo para o Internato terminar o médio...sim...despedida com direito a festa com buques de flores e nada de bebidas) ele foi na chácara...foi a coisa mais inusitada, hilaria e vitoriosa da minha vida...ele foi, disse "oi", viu que não tinha absolutamente nada de interessanta e não ser refrigerantes e umas pessoas com cara de "arrumadinhas" demais e foi embora...sem se despedir...ele e sua turma...

mas confesso que foram os minutos mais gloriosos da minha pequena e insignificante adolescencia local.

Imaginem: Se ele tivesse ficado, se tivesse cerveja na festa e se todas as pessoas fossem tão descoladas quanto ele...certamente teriamos ficado e eu finalmente teria dado meu atrasadíssimo primeiro beijo...mas nada disso aconteceu e eu, na madrugada do dia seguinte fui rumo ao IASP dar continuidade a minha gloriosa vida acadêmica...

Bom...essa foi a parte real mas no sonho eu já era essa Iris Basicona, véia e independentemente insana que vos escreve...as coisas se processaram de maneira beeem diferente...quer dizer...nem tanto como deveria...lá estava eu na fila do show da banda de hard rock que não consigo lembrar o nome e ele estava lá tb com 2 meninas...

Algum de vcs já viu algum filme ou um curta mega conceitual tipo daqueles que vc caminha sob a area do mar tranquilo no por do sol e derepente aparece no meio daquela areia toda uma grande feira de hello kittys em liquidação com varias adolescentes e seus iphones querendo barganhar?

...foi mais ou menos assim que olhei para ele dentro do meu sonho: surreal. Mas sonho é sonho e se ele havia dado a honra, depois de anos de total esquecimento, de aparecer no meu show de rock quem seria eu para destrata-lo não é mesmo...bóóóóóra trocar idéias com o Jorjão...

conversa vai, conversa vem e ele me pareceu bem mais simpático do que o que eu conhecia...talvez os anos o tivessem feito mais dócil e menos marrento...ou talvez o fato de o sonho ser meu ele estivesse do jeito que eu queria: fofo e acessivel.

Enprestei minha jaqueta para ele que tinha frio, ele me falou de suas desilusões amorosas...olhei as duas meninas pareciam mais 2 pilares de tão "sem interatividade" e entendi que realmente a coisa andava meio "parada" para ele...adorei a hora que fiz charminho para ele que se mostrou bastante interessado nos meus dotes femininos...

Mas o estadio abriu as portas para o povo que ia assistir o show, tive que entrar (graças a bondade do meu Jorjão que era "mano" dos caras da banda) e não vi mais ele. O show tava ótemo. Pior que nem trocamos telefones...quem sabe a gente se ache de novo no mundo do Morfeu...

Vai entender né...cada coisa...

Por conta disto o dia permaneceu engraçadamente estranho, abafado e chato...a parte do chato é que eu acho q fui meio chata com o terceirizado lá da empresa...eu não sou a pessoa mais paciente do universo e ele muito menos o cara mais esperto...ai já viu...mas a boca que ele tem é maravilhosa...que os deuses das bocas lindas a conserve assim...acho que isso ajuda a minha paciencia a não se esgotar...perai...hum...Jorjão tb tinha bocão...e era cabeludo...como eu gosto de moços com cabelos compridos...enfim...

...vc deve estar intrigado sobre a parte em que minha irmã classicamente me sacaneia, comentada no inicio do post não é?...é q ela queria me vender os ingressos por $200,00 quando eles custavam R$2,00

Na linha do surreal: Dia estranho. Viva os cabeludos!