quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Chegando na esquina da minha casa, observei que a janela estava fechada. Frio e chuva...janela fechada. Sorri.


Antes disso, um ladrãozinho da cidade baixa me "semi abordou" e eu entendi ainda mais o significado de "energia" e agradeci aos céus por ter a minha em quantidades avassaladoras quer seja positiva ou negativa.


Quando entrei em casa senti uma paz imensa. Literalmente como se todo o peso do dia estivesse ficando do lado de fora, excluído, libertado.

Parei por instantes embaixo da minha luminária, no hall da entrada...respirei fundo...senti a boolie boolie e seus pelinhos macios e pretinhos na minha bota querendo brincar...fiquei lá...por alguns segundos que duraram a eternidade suficiente para eu sentir a proteção que eu não tenho, mas que precisava naquele momento.


Acendi a luz, achei a pepa e a casa limpa, linda, serena, minha, silenciosa...cheia de coisas, lembranças, cheiros meus.


Fome...fui a cozinha e um imenso bolo de chocolate...nem sei como a Giovana conseguiu fazê-lo...é por essas e outras que eu adoro ela...não tinha nada em casa a não ser farinha, chocolate e açucar e ela fez o bolo delicia...senti que estava, sem sombra de dúvidas, em casa...na minha pequena e laranja casa. Minha casa.


Estava com os meninos da faculdade até pouco tempo atrás, fui beber uma cerveja e trocar umas idéias...gosto deles...gosto mais de um em específico mas ele também não estava em um dos seus melhores dias...


Na aula eu estava agressiva demais...dei váááááárias respostas ríspidas, ridículas e arrogantes...eu já disse que não gosto do meu grupo? Então...salvam alguns...uma boa parte...bacanérrima...mas por causa de outros...ele se torna simplesmente detestável...acho que sao "teco-tecos"...mas tudo bem...já passou...tô em casa...tô na minha paz.


Jogo do São Paulo...lembrei do banana...lembrei tanta coisa dele que meus olhos ficaram rasos d'agua...como agora...dando a perfeita sensação de perda de uma grande, imensa importância...nunca mais vou tê-lo ao meu lado....ainda que isso seja um dos muitos "tudos" que quero na vida...esse é um luto bem doído...nunca pensei que em tão pouco tempo eu pudesse sentir tantas coisas fortes por ele...no entanto...sinto. E dói.


As vezes me questiono onde foi que eu parei e deveria ter ido mais além...mas tem uma voz interior que me diz que fui aonde tinha que ir, que existiam divisas claras depois deste trecho onde eu não fazia parte da paisagem...sentimentos são coisas tão delicadas...sensíveis...como a semente que ganhei hoje do vento...e guardei ela dentro do flip do celular para plantar quando chegasse em casa...e perdi.


Aumentei a dosagem dos meus remedinhos para o dobro...tô animada. Plena.


Lembrei muito do Jacques...um diretor que eu tinha em São Paulo...eu era moleca quando trabalhava na empresa com ele...sempre fazendo absolutamente tudo errado no auge dos meus 17 anos...18 talvez...não me lembro...


Minhas memórias percorreram este arquivo mental, pois me lembrei das nossas conversas...francas, abertas e extremamente profundas...que falavam não somente ao meu lado "profissional" como ao humano...


Me lembro que eu era um nenê burguês, absolutamente inexperiente no sentido de "vida" e muitas das coisas que ele falava, as doses de informações sábias, eu não entendia...mas passei pensando nela praticamente em toda a construção da minha adolescência tardia. Ele era atrevido...ou pelo menos eu achava um atrevimento dele se meter em âmbitos da minha vida que não tinham nada a ver com o meu trabalho executado naquele lugar. Ele falava que tinha tudo a ver...tinha mesmo.


Hoje me vi fazendo o que ele fazia comigo com meus meninos lá na empresa...me senti mal depois...invasiva, metida, inapta àquele tipo de observações...mas...falei...me dei conta da condição de administradora de pessoas que me encontro, delicada condição...quando vi os olhos dos meninos brilhando, tocados, tristes...sei lá...me senti responsável por eles de alguma forma...nesse momento entendi plenamente o Jacques. Triste...muito enriquecedoramente...triste.


Saí atrasada do trabalho e parei para receber um elogio jamais esperado do nosso grande cliente...bacana...dizimou um pouco o desconforto que eu sentia.


Eu sempre digo, e acho que enquanto o sangue circular em minhas veias e artérias eu seguirei dizendo que viver é complicado. Na verdade a escolha de como vc vai viver é a parte mais complexa...


Mas...seguirei vivendo...hoje gosto muito da Lucia, a instrutora da auto escola e do Dr. Hernani, meu psiquiatra.

E o melhor: tô em casa...na minha casa...de todas elas...a minha.

terça-feira, 25 de setembro de 2007


...essa coisa de faculdade é muito...muito xuxu...tem um cara lá...muito fofo...estranhamente fofo e virgula...num sei...ele é fofo...


hoje tirei a primeira nota descente do semestre...tudo tão fofim hoje...betito não fica com ciumes!


Bjo

domingo, 23 de setembro de 2007

Dia de chuva...embora toda a cidade esteja, provavelmente, detestando eu adoro...sei lá...é aconchegante...hoje começa a primavera...data importante...hoje vejo essa "passagem" das estações com mais respeito...é a naatureza, embora maltratada por nós, seguindo seu curso.

Tenho crescido muito nesses ultimos dias...semanas talvez...crescido de uma forma engraçada...magic a talvez...meus sentimentos estão mais maduros...a ansiedade pelo amor já não existe mais com tanta voracidade...penso se são os remédios me permitindo ser eu mais puramente ou se minhas energias estão se modificando...

aprendi a fazer bolo de cenoura...vou tirar uma foto e colocar aqui!!! A faculdade é mó legal...fiz amizade com uns meninos engraçados...tenho meu pagapau q é estranhamente fofo e acho q vou ter q agarra-lo se quiser um contato maior...hahahaha...zoeirinha...to na paz...quero começar a dirigir meu carro logo!

Acho que vou ter que parar de escrever...é engraçado como ultimamente as palavras tem sumido...eu quero escrever um mundo de coisas e não consigo...to ouvindo matanza...amo eles...e cada vez que me dou conta disso acho q sou maluca...e percebo q não to nem ai com isso!

É divertido viver!

Bjo e boas continuidades!

segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Então...já que não nos resta mais nada a fazer a não ser estudar lógica, acender insensos e dar snackitos para as bebes...vamos celebrar o amor...que é a única coisa acima das outras!

A palavra amor (do latim amor) presta-se a múltiplos significados na língua portuguesa. Pode significar afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, satisfação, conquista, desejo, libido, etc.

O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de um vínculo emocional com alguém, ou com algum objeto que seja capaz de receber este comportamento amoroso e alimentar as estimulações sensoriais e psicológicas necessárias para a sua manutenção e motivação.

Fala-se do amor das mais diversas formas: amor físico, amor platônico, amor materno, amor a
Deus, amor à vida. É o tipo de amor que tem relação com o caráter da própria pessoa e a motiva a amar (no sentido de querer bem e agir em prol).

As muitas dificuldades que essa diversidade de termos oferece, em conjunto à suposta unidade de significado, ocorrem não só nos idiomas modernos, mas também no
grego e no latim. O grego possui outras palavras para amor, cada qual denotando um sentido específico. No latim encontramos amor, dilectio, charitas, bem como Eros, quando se refere ao amor personificado numa deidade.

Amar também tem o sentido de gostar muito, sendo assim possível amar qualquer
ser vivo ou objeto.

sábado, 15 de setembro de 2007

Hum...essa foi a semana mais mala da minha vida...ela passou...até tonturas hard core eu tive...tive frio na barriga...absurdos excessos de ansiedade, noites sem dormir trabalhando full, funcionários me enlouquecendo, NA na avaliação da facu...é...ô semana do capeta
Agora to escutando matanza...falando com o betito e pensando que quero beber até cair...preciso achar minhas amigas malucas...para dias de celebração como hoje elas são muito necessárias...

então...vou fazer algo de inutil agora...

domingo, 9 de setembro de 2007

Hum...estou ciente da minha condição de mulher adulta...principalmente depois do deafalque financeiro que eu mesma me dei e das medidas emergenciais que ja coloquei em pratica...vou ter q aprender até a fazer bolo de cenoura...estou viciada em bolo de cenoura...mas muito viciada...absurdamente viciada...só penso em bolo de cenoura para me alimentar...amanhã a noite vou fazer testes com farinhas, chocolates, ovos e as maravilhosas cenouras! Tenho quase certeza de que vai ser um super bolo!

Essa semana vai ser muito dificil...vou ter q prender meus cabelinhos lisos (só até lavar), que me deram um absoluto ar de "rich girl", atar as mangas do quimono, pegar as espadinhas básicas e sair dando kiais e golpes pela sobrevivencia da casa ferrera...mas o final de semana foi bem bacana para quem vai à guerra...

...estou um pouco decepcionada comigo em relação às tomadas de decisões de ultimamente...porém...não tenho muito tempo para me lastimar e achar que sou a ultima menina boba que o universo ludibriou...isso é adultinho!

Adulto também foi o tipo de conversa que tive, certa noite de sexta feira passada, com um certo rapaz...definitivamente não sei o que está acontecendo comigo mas por enquanto to achando os reflexos excelentes!

Só não estudei o tanto que queria...aliás...estudei 10% do necessário...amanhã saberei o resultado da minha prova de seilaoque...se eu fui mal vou ficar depressiva...

cara...num paro de pensar no bolo de cenoura...ainda bem q n existe tele-entrega desta guloseima...aiai...vou beber agua para esquecer o bolo...

**num vou corrigir o portugues denovoooooo**

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Acho que hoje quero falar de mitos...pois sai da prova de lógica...que terminei em menos de 30 minutos, reflexiva...como se estivesse saído de uma sessão de psicoterapia.

Me esvaziei das lógicas da vida, do cotidiano drástico muitas vezes e libertei minhas reflexões acerca de pensamentos mais etéreos...passei na sorveteria acreditando que é verão, peguei meu sorvete de banana com canela e segui repúlica adentro pensando em mitos, paradigmas, pré conceitos...

Pensava no ex...no luto que vivi pela perda dele...que levou junto de si meus sonhos e outros se desfizeram no momento que passei a conhece-lo melhor...gostei desse pensamento...me senti diferente, não ideal para o rapaz em questão e de certa forma confortável...pois ele também não era o modelo ideal...mas que modelo ideal é esse? Isso não existe...e é lógico.

Na sequêcia pensei no medo do "nvolver-se"novamente...mito...o velho mito de que tudo vai se repetir...de que nada muda, o amor é inviável e impossível e outras quimeras que minam a vontade de estar junto e com ela, as imensas oportunidades que nos cercam...

A gente cria muitos mitos...paradigmas quase inquebráveis que insistimos em sustentar sem valor real...sem a devida importância...

Meu sorvete derreteu e eu me dei conta que meus mitos são fugas...e nós criamos particulares mitologias da vida e de nós mesmos a cada momento, a cada nova vivência, a cada nova experiência concretizada...somos meio "inverdadeiros".
E por essa atitude egoísta de nossa parte acabamos nos sabotando...me vi exatamente assim quando cheguei a essa conclusão...

Viver é um tanto assustador mas nada é tão mítico que não possa ser real. Antes eu achava que nunca poderia dirigir um carro, porque sou desligada, desconcentrada...no entanto quebrei o paradigma e lá tô eu dirigindo...logo em seguida outras quebras: trabalhando em minha empresa, nova faculdade, novos relacionamentos familiares...tantas quebras de pré conceitos...desmistificações...

Porque não o amor ser real e não mítico...aquele que é verdade com defeitos e medos. Com sonhos modificados e muitas horas de desilusões. Construção de vida a dois em alicerces reais e não de contos de fadas...exatamente como se constroi, a duras penas, novos relacionamentos duradouros.

Me vi adultamente criança...gostei do que vi...não sei a dimensão exata dessas constatações pessoais mas sinto que reorganizam alguns pensamentos e quebram paradigmas...

...minhas gatas estão doidas...vou brincar com elas antes de assistir meus desenhos de dormir.

bjo e...tenta tb...enxergar os mitos da sua vida...

domingo, 2 de setembro de 2007

A ritalina me deixa muito feliz...e sem sono...e me lembro numeros...emocionante...em casa, ja achei um chaveiro para o bebe e joguei metade das minhas coisas fora...troca de energias e liberação de espaço em cash...consertei o meu msn e agora vou lavar roupa e depois fazer as unhas! Super mulher!
...para fechar todas estou ouvindo rappa e musica dos anos 90!

bom domingo amélico para todos!