sexta-feira, 6 de maio de 2016

Morte, Gratidão e Amor


Ultimamente, por conta das novas empreitadas que estou me envolvendo tenho me tornado uma pessoa diferente. Ousaria até dizer que estou me transformando numa pessoa melhor.

Percebo isso na quantidade de "Obrigada" sinceros que eu tenhodistribuido. São agradecimentos ricos em gratidão e felicidade por ter recebido a troca com o outro.

Tem também um conjunto de palavras que eu tenho usado de uma forma que nem em meus sonhos mais coloridos eu imaginei proferi-la com tamanha verdade é "Eu te amo". Sim eu finalmente entendi que eu amo do jeito e com a quantidade de amor que cabe em mim. E mesmo esta sendo pouca (ao me ver) é suficiente para distribuir e não ficar sem.

Acho que minha natureza lógica esteve me pregando algumas peças durante muito tempo sobre este sentimento e eu me dei conta agora.

Nas filosofias espiritualistas que eu acredito, existe uma vertente xamanica que fala que a morte é nossa fiel companheira.

Ela vive às nossas costas, como uma mulher japonesa seguindo seu esposo por respeito,  desde o momento do nascimento e a medida que nos desenvolvemos e com o passar dos anos ela vai se aproximando mais até que um dia, quando nossa vida neste planodeve chegar ao fim, ela se aproxima amorosamente e nos toca o ombro.
E neste toque, nossa alma é liberta.

Nesse caminho todo, nosso com a morte ao lado, estes xamanicos costumam conversar com ela longas horas, para se familiarizar com este ente invisível que ganhamos no início do nosso existir.

Esses dias eu conversei com minha morte. Um papo reto como se fala com um amigo. Sem pretenções ou solicitações. Apenas falei que senti ela se aproximando, não com o intuito de me tocar mas de me avisar para me cuidar.

Me cuidei e ela voltou aos 80cm de educação que toda boa morte segue como etiqueta.

Pensar e falar na morte me deu voz para agradecer e amar. A vida é curta, os planos muitas vezes não se realizam e o que fica disto tudo são os aprendizados interiores, os afetos e com um certo esforço, podem ficar também boas lembranças.

Acho que é por isso que estou mais leve, mais viva e mais receptiva e doadora de mim, de minhas histórias e afetos.

Talvez isto tudo seja um acentar de terrenos que vão receber novas sementes em breve. E estas sementes não vem com rótulo logo, não sei quais frutos exatamente sairão desta germinação.

Hoje, a morte, a gratidão e o amor são meus fiéis companheiros

quarta-feira, 30 de março de 2016

Das coisas que se aprende quando está observando o caminho

É... As coisas mudaram por aqui. percepções, ilusões, fantasias e desejos tomaram um novo rumo, foram resignificados e hoje existe uma nova pessoa se reconstruindo dia a dia.

Confesso que é estranho conviver com este novo eu que veio acompanhado de um novo modo de pensar e olhar o mundo. E isto não aconteceu automaticamente e sim foi o resultado de uma série de buscas e jornadas interiores em busca dele: o eu de verdade.

Das coisas que ficaram de aprendizado posso dizer que a maior delas foi olhar, reconhecer e agora conviver de forma realista, com meu ego, meu euzinho, aquele tiraninho que mora dentro da gente e que se mal alimentado tentará o tempo todo nos sabotar.

Acho que por muitos anos, porém não a vida inteira, eu deixei ele ditar as partes mais importantes da minha vida e o resultado claramente foi um tanto quanto desastroso e cômico.

Ah, esse se dar conta... na verdade foi bem menos difícil do que eu imaginava. Compreendeer algumas atitudes, aceitar algumas pequenices que eu disfarçava com arrogâncias e pequenas manifestações de superioridade, abraçar meus medos e caminhar com eles de forma consciente e atenta e o principal: abrir espaço para um Eu maior atuar nos meus dias.

Hoje a tolerancia com meus erros e incapacidades é muito maior. Compreendo tantas coisas e tantos aspectos de mim mesma que terei uns bons 10 anos para integrar de forma plena.

Me sinto mais sadia, mais quieta, mais consciente de mim mesma e daquilo que posso, tenho e quero. O outro, que durante muito tempo foi o maior desafio na minha vida, gradativamente vai ganhando um espaço mais ameno dentro de mim.

Ainda tenho algumas dificuldades com comunidades em geral. Me mantenho quieta, observando tudo e ao mesmo tempo provando para mim mesma que são essas pessoas que vão ajudar a minha melhora.

Aqueles que estão próximos, parentes e amigos, ganharam um novo tom de afeto. Acho que passei a genuinamente a amar de uma forma mais madura aqueles que já amava e aqueles que tenho carinho, afinidade ou mesmo empatia, tenho realizado pequenos ensaios de aprofundamento deste afeto.

Ficou mais fácil. A medida que tudo ficou claro aqui dentro, o outro passou a ser uma figura mais acarinhada por meus sentimentos.

Ainda existem alguns aspectos bem difíceis de lidar e de educar mas eu os conheço. Estes dão trabalho. Me fazem ficar atenta ás palavras, aos sentimentos e até aos significados que estes aspectos recebem quando vivenciados em algum nível emocional. Nisto a meditação me ajuda muito pois minha atenção começou a ser voltada para meus atos e no que eles impactam no outro.

Mas de tudo, o que ficou mais forte e que me serve como mola propulsora para seguir na jornada de ser uma pessoa melhor é a certeza de que eu tenho limites, sou rasa em vários âmbitos da vida e que sou uma buscadora com a eternidade inteira para aprender.

Eu posso dizer, com uma certa propriedade que comecei a experimentar genuinamente os momentos felizes. Não tenho nada, mas tenho tudo pois posso construir a partir disto.

Até meus sonhos mudaram. Meus pesadelos com gatos que tinha desde pequena acabaram, viraram sonhos bons recheados de sentimentos de afeto e cuidado. Não vou chorar mais a noite.

Do futuro eu realmente não sei o que me reserva mas seguirei. Bem de boa, observando a paisagem e como eu caminho por ela. Pois o foco é o agora. Cada dia é um dia importante para aprender a ser melhor e como sou uma aluna muito desligada, preciso aproveitar o máximo que puder.

Tenho bons sentimentos pelo universo. Sempre tive. Agora mais.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Sobre máscaras caindo de si



Quando a máscara cai para nós mesmos. Ela também cai para todos aqueles que nos cercam. Saber-se realmente significa espalhar-se reinventada como se fosse sementes ao vento. E onde cair, vai brotar verdades. Doa a quem doer. Custe o que custar.

É perigoso saber-se. Precisa muita sabedoria para arcar com as consequências.