quarta-feira, 9 de novembro de 2011



Eu preciso escrever. Falar do tempo, da vida, das formigas enfim, escrever. Parece que tem tanta coisa querendo brotar de dentro de mim em forma de palavras que não sei por onde começar. Não são textos técnicos, não são estudos aprofundados de teses e não tem cunho estruturado. Somente escrever.

Não consigo ver a linha do horizonte desse emaranhado de palavras que gostaria de expor pois são tantas...talvez seja um processo louco mas vou escreve-las:

Amo joia adulto vejo sinto logo longe tédio saco brisa mar verão quente altura medo prazer vingança acido sulfúrico pimenta copo caneta lança pavio moderno algo algoritmo tanajura hermano besta politica casa.

Roma desastre média alto baixo cadeira escada turma televisão amor método humor riso telha madeira vida morte casa mento rua pobre rico palha aço ferro limalha trena egípcio saude doença cores anteriores casa.

Divino saco tendencia mercado halterofilismo psicose cultura pintura grafia letra musica tema doidos cheio cansaço vazio tela.

Preto branco canhoto camuflado azul vento paisagem arroz amora esmola tédio luxo paciência sossego televisão vida retorno critério nuvem amanha sol tristeza pratica nervoso agulha pano verbo vela arame farpas liteira cruzes surgimento mar ondas veiculo dilema dor momento partir talco Dutra velocímetro ar disciplina organizada terror panico automobilístico dueto soma adulto sagrado ritmo loucura ridículo salto tumulo.

(Tá melhorando...)


Poético estrela falso burro entorpecido audacioso arriscado normal miscelânea kratos terra vida argentina mistério pedras gatos sacro arroz coração veia livro anel ouro tesouro cru misto adjetivo arraigado declínio tebas desnecessário obsoleto sobre humano despistado claro obtuso declarado feio.

Grito agulha dor morte pressão vias veias artérias susto cosmo espasmo fluido sessão necessidade viagem augúrio curió menino pelado dança criança vestido verdade musse pintura pastel pincel criatura nojento abobora abobado descarado antigo esquecido limitado destemido verdadeiro útil incolor inaudível antisséptico cristalino registro sentado dor.

Saber conhecer participar partilhar estudar encenar encarar esnobar cansar comer dormir acordar nadar ferver esconder sumir vencer dever temer acordar descansar cadeira mesa banho fogo automóvel pano de prato carro eficiente velho novo estranho normal esquisito verde fresco.

Tingido molho açúcar melão conhecimento declínio era verdade mundo mistico mistérios vingança dores vida morte retorno verdade mentira silencio criança dor estilo sentido começo década setor avanço ciência oligopolio destroços cachaça humor audível seletor canal mostra monstra cripta terror vazio varão velho sentido.

Palavras...elas dizem tanto sem precisar contextualizar em frases...