quarta-feira, 26 de abril de 2006

caracaaaa...tô com frio na barriga! E isso é fantástico perfeito e super! Não estou em prévia de nenhuma apresentação musical (tipo...não vou cantar pra ninguém), não dissertarei nada que eu não tenha conhecimento também...Aigentequefofo! Frio na barriga de loveeeeee!

Me emocionei comigo. Se alcançasse minhas bochechas me beijaria...sim...em tempos de "orfandade" tenho que me emocionar com minhas pequenas conquistas cotidianas...praticidades do mundo moderno.

Hoje estou meio "cheia das energias"...acho que deve ser por causa das minhas meditações com acréscimo de Koans complexos. Tão bão...todos deveriamos meditar. Bacana... até porque tô dormindo extremamente pouco e o relaxamento que antecede a meditação, me dá uma qualidade melhor de soninho e descanso.

Decididíssima a largar a psi... pela nhenhenhésima vez...mas percebo q estou às voltas da crise financeira então devo economizar...cortar gastos: Psicóloga "out" e vou ter que ficar sem a ajuda da minha irmã também...tempos difíceis são difíceis mesmo.

Refletindo eu parei para ver que já vivi crises maiores mas esta é mais psicológica do que concreta...por isso entendo a dificuldade. Mas de tudo tem sempre um polo positivo: Voltei a fazer meus contos e eles estão simpáticos e pouco práticos como sempre...não, não publicarei aqui, obrigada.

Ouvindo muita musica, levando bronca do sempai (alias ele é um amor pq para o mundo samurai sou absurdamente descoordenada...se eu não gostasse tanto da arte e não fosse tão "focada" nos meus objetivos já tinha largado), minhas gatas estão estranhamente unidas...deve fazer parte do novo fluxo energético q se instaura em meu lar...mas a Pepa tá mais louca que a Boolie.

Hum...vou estudar os katas para hoje a noite...mas esqueci o começo do utiotoshi...nervoso que dá...sabe...eu tenho um sonho, um grande sonho: Decorar as coisas associando a qualquer coisa que não seja imagem. Olha o trampo que dá decorar esses nomes! Tenho q decorar a folha do cadernoooo!

E a coisa não para por ai:
A minha rua? Decorei a placa que tá "plantada" no asfalto.
Meu telefone? Decorei a conta da embratel!
Só o celular q já decorei de "coração"...nesses momentos detesto ser visual.

Mas por outro lado tem suas vantagens...bizarras vantagens mas elas existem...exemplo: Minha geladeira fofa e nova tem, à sua extrema esquerda, alguns imãs com telefones importantes.
Se preciso saber um telefone, tipo...do tio da agua...é só lembrar da extrema esquerda da geladeira e o problema está resolvido e de quebra tenho o tel da farmácia, datelechina e do tio do taxi.

Tudo bem...sou doente.

quarta-feira, 19 de abril de 2006

Íris e seu básico humor outonal

Chega essa época do ano e parece que as energias "voodoolizantes" se acumulam de tal forma que tudo fica absurdamente stressante.
A 3 anos é assim...sempre nessa época o caos se instala folgadamente nos meus dias. Ainda bem que eu chuto o "pop's" dele e logo acaba...mas até acertar o chute hard demora um pouco.
Tô dormindo 5 horas por noite, o que podemos considerar com riquezas de adjetivos algo assim...infernal.

Se eu for ser objetiva, dormo 4 horas pois das cinco as seis e meia (sim, levanto seis e meia porque sou uma lenta mulher que não consegue chegar no trabalho as oito e meia se acorda mais tarde. Locomoção casa/trampo: 20 minutos dando tudo errado), a Boolie e a Pepa resolvem ligar as turbinas e ficam enlouquecidamente pulando em cima de mim na cama. A boolie morde meu "pop's" e meu nariz...é triste.

Não, eu não bato nelas, sou uma mãe estupida...e acho lindo as duas brincando enloquecidas...só não gostei da parte em que elas tiraram o cano da pia...ai já é vandalismo demais para 2 seres que juntos, não tem nem meio metro.

Pois é...ontem a noite parecia uma mongolona de tanta "seilaoque". Chego em casa e trampo que nem maluca...e não tenho grana porque sou péssima administradora...
Agora tô me dando ao luxo de escolher clientes e largando mão daqueles que não tem meu perfil básico. Um já foi, falta outro...esse tipo de "relacionamento" stressa e não flui.

Tô pensando seriamente em largar minhas aulas por conta dessa caótica coisa que vivo atualmente. Ando meio cansada de ter que fazer tudo sozinha. Ainda não entendo como a casa não é auto-limpante e o porquê dos copos não se lavarem sozinhos. Isso tudo me intriga...
Tõ vendo uns cursos para fazer na capital do meu coração. Caramba...lá tem muita coisa que eu gosto pra fazer! Vou gastar uma nota preta mas vai valer cada centavo. Pelo menos uns 2 cursos vou fazer certo! Passar um mês lá, trampando remotamente caso seja necessário e ainda vejo exposições, bienal e quem sabe beijo na boca do meu japa predileto.

Falando em beijo e talz...esse ano estou bem...Minha nova política para namoradinhos me deixa meio só mas me ajuda a gostar.
Ontem tava vendo que bonitinho o meu eu romântico: Tá...nem tão romântico assim...mas serve.

Confesso que tô animada para ir a minha terra não somente pela saudade da mesma, pela vontade de ver minhas amigas, a bienal, meus parceiros e clientes e também, obvio, pelo curso que pretendo fazer. Quero ver tb o fotografo...vontade de bjar ele...acho ele tão fofinho. A porcaria da vida é que tudo oq eu acho fofo ta em São Paulo.

Esses meninos gauchos não me conquistam...a não ser o piloto...mas ele é muito workahollic...mas um doce e tem o nome mais lindo que eu já vi. Mas não tá nem ai para mim. Tipo...isso não é baixa auto estima não! É fato: quando o cara fala cinco mil vezes "amiga" e fica dizendo que a gente é "super especial" pode crer...te tirou para irmã.

É isso que dá conviver com muitos meninos full time. Eles te veem como irmã e nem adianta se jogar porque não se ligam. Ainda bem que sou "doce" como ele diz...senão iria me ver como amigo...aicredo...se me desse aqueles tapinhas estupidos nas costas que só os meninos dão entre si eu matava...odeio aqueles tapinhas ridiculos...sou menininhaaaaa...gosto de beijinho...hihi

Mas, voltando ao foco dos ultimos parágrafos, o piloto eu namoraria tranquilamente mas ele me tirou para irmã. Seria prático pois estamos na mesma cidade...e fofo pq acho ele um fofo. O fotografo predileto fica meio perdido naquela parte das impossibilidades geográficas.

Levando em conta que minha previsão de retorno para sampa, com um considerável "SE" entre o hoje e a data, é 2008. Acho complexo...mas também meu lado romãntico e carente e o psicológico (que mora em sampa e fala paulistanes ainda e não larga), fica muito alterado...desde a última vez que nos vimos...a quase dois anos...sei lá...acho q seria uma pessoa legal para passar os dias (...nos falamos sempre graças às maravilhas da tecnologia voip e msênica), e tenho a impressão de deve ser bom o beijo...hihi...do piloto tenho minhas reservas...publicitários são mais gostosos com certeza...hihi

E a beleza do momento é que ele não me tira para irmã! Hahahaha...isso é patético...hahahahaha
Sei lá...me entupi de palitinhos integrais e tô sem fome...mas pedi um pastel qq por causa da coca-cola...mas vem pepsi...droga...

Não vou no treino hoje porque esqueci, nos momentos sonambulicos, de pegar o uniforme...é muito engraçado o processo...lê ai:

(Iris acorda com a boolie pulando no celular q toca "take a Look around" do limp bizkit...sim...ela curte oasis tb e não gosta do leoni)

Iris:
Hard_ Não vou trabalhar hoje. To doente. Doente de sono.
Light_ Vai sim. A noite vc dorme tranquila.
Hard_ nâo durmo não. Tenho que trabalhar...xi...tem treino...não vou no treino e durmo.
Light_ Sim. Vai no treino sim que vc precisa da energia e depois vc dorme. Tira a noite de folga depois.
Hard_ Não, meu banco tá me oferecendo cdc pq já se ligou q to sem grana...preciso trampa...vou matar o cliente X
Light_ Relaxa e vai tomar banho
Hard_Putz...

(Positivo e negativo brigam por causa da roupa, condicionador de cabelo e tictac perco a hora, saio sem o uniforme e sem brincos. Vestida de punk)

É...as manhãs são complexas. Tempos difíceis.

segunda-feira, 17 de abril de 2006

Hoje acordei com reflexos de pequenos vazios dentro de mim. Essa semana que se passou foi angustiante pela gama de coisas furadas que aconteceram em determinado aspecto da minha vida básica.

Técnicamente está tudo contornado, não parei e fiquei observando o desastre iminente se "dar" e, ao contrário, embora despedaçada pela constante e disciplinadíssima mania de perfeição, consegui reverter alguns aspectos e estou tentando amargar de forma nobre essa discreta derrota de batalha (primeira depois de 3 anos) que vivo.

É engraçado que, observo nesse aspecto duas sensações claras e diferentes em mim:
Há uma estranha sensação de falta de crença e uma vontade de crer no etéreo, ter uma ligação com o divino e voltar a confabular com "seilaoquens".Também sinto uma absurda e desgastante cobrança de mim para com os meus erros. Sou minha pior juiza. Me cobro demais perfeições e atitudes corretas.

Ainda bem que fui ver meu sobrinhofo e minha irmã e cunhado...senão o peso seria insuportável de carregar. Fui para uma serra diferente e dormi tanto...a paisagem fria e languida me lembrou a colportagem com a Pâm...saudades.

Tô densa...em alerta, nâo tô legal...ou agora estou...não sei ao certo.Minha cabeça dói e os sentidos estão resfriados...como se na iminencia de um ataque. Faz tempo que não me preparo para batalhas...mas de certa forma é bom. Há muito estava só comendo e bebendo os louros de vitórias que já passaram a muito tempo. Nessa descontração acabei sendo surpreendida...mas não mais. Agora não mais.

sexta-feira, 7 de abril de 2006

Acho que entendi o que era a coisa que pairava em minha mente em forma de pensamento . Na real, hoje fui tomada de uma gratidão tão imensa pela vida, pelos meus feitos, conquistas, derrotas e estratégicas posições.

Não posso dizer com clareza exatamente os pensamentos que culminaram nessa incrível e abrangente sensação de gratidão transbordante. Poderia soar antipático, indelicado e não é essa a intenção. A única mola propulsora desse texto é agradecer. Não sei como e nem a quem mas hoje, ao chegar em casa arrisquei uma breve oração à porta. Coisa que nunca mais fiz por modificações básicas de cunho religioso e moral.

Mas a emoção do sentimento é tão forte e saliente que precisei agradecer a alguém ou a alguma coisa. Nunca na minha vida básica quero perder de vista essa virtude rara e que sem querer e por vivências obvias se estaciona em minha vida circunstancialmente.

Dá vontade de ser boa, vontade de ser humilde e grata todo o tempo. Vontade de ser maior que a tempestade de emoções que vagam e varrem de mim importantes condições mentais. Dá vontade de estar dentro do olho do furacão e estar em paz.

Buscar o além, olhar abrangente e sábio o universo conspirando e nesse ritmo buscar inspiração para seguir sempre, quieta e acima de tudo exemplificando grandes conceitos e ensinamentos de sabedoria.

Hoje me sinto delicadamente petulante, ao tentar trazer para mim uma perfeição de iluminados mas sinceramente é isso que eu queria ter hoje. Exatamente hoje queria entender alguns axiomas universais intrinsicamente ligados a nossa condição de ser humano.

Mas o véu de doçura se desfaz e percebo-me tão pequena e falha. Tão mortalmente corruptível e ao mesmo tempo tão ingênua em buscar valores tão esquecidos e sequer publicamente praticados todos nós.

Hoje esqueci minhas dores, meus temores e minha total falta de competência em administrar minha vida e mergulhei na profunda e mágica sensação do agradecer. Tem tantos obrigados que eu gostaria de dizer, confesso que alguns arigatôs, uns merci...

Tantos demônios bobos foram expurgados de dentro da minha mente por conta da mudança de foco. Quando se agradece as minúcias acabam por ficar em seus devidos lugares. O banal, os degetos de nós mesmos se aplicam aonde devem: longe.

O mais legal é que todas as emoções passionais que dançaram hoje enlouquecidas dentro de mim acabaram por desistir de mudar meu foco. Hoje me senti agradecida, humilde e de certa forma forte. Uma fortaleza energética capaz de mudar a minha volta. Mas disso tudo, o principio ativo foi a gratidão. Se é começo de bushido, se é conversão ao cristianismo eu não sei.

Sei apenas que jamais poderia terminar esse dia sem dizer que agradeço. Imensamente. E espero ser melhor a cada dia. Exatamente como meus pais originais desejaram que eu fosse.

quarta-feira, 5 de abril de 2006

Estive pensando...e olha que na atual conjuntura da situação, Iris pensando é algo raro e digno de estudo comportamental.

Mas, depreciações a parte, estive pensando...pensando muito e não entendi nada...Ai, para desbaratinar um pouco ouvi musicas pop's...ando idiotamente pop ultimamente...culpa da transamerica que escuto todos os dias por causa da GI e do SAM...mas é bacana...vale a pena o sacrifício e até que toca umas coisas paulistas simpáticas.

Hum...saudades de sampa? Sim. Não como antes que era uma necessidade física desenfreada de estar lá...era passional demais para ser real...mas ainda tenho sonhos doces com minha vida brilhando lá...mas não deixo de viver o brilho da vida aqui nos pampas. Tô fazendo uma ponte muito bacana Porto Alegre/Sampa. Confesso que a ponte é muito mais psicológica que física. Mas tem surtido confortantes resultados.

Uia...meu sotaque tá quaaase normal de 3 anos atrás...eba! Nada contra o sotaque gaúcho mas é uma questão de tradição...e de tradição os gauchos entendem então vão me compreender...
Cansei de escrever e não vou corrigir novamente...argth! Sou um animal: miau.

domingo, 2 de abril de 2006

Pois...comendo macarrão yakisoba (nissin)...minha nova paixão. Super "single" style...;)
Já já enjoo...como enjoei de clight mate...argth...tenho váááááários ainda no armário.

Nessa nova visão que estou tendo da minha vida...muitas coisas mudaram (exceto a Boolie Boolie). Algumas teorias romanticas estão totalmente contextualixadas em vontade de tornar real...engraçadamente inseridas no cotidiano.

Uns medos e umas certezas rotas se perderam nessa nova ordem psicologica. De alguma forma rejuvenesci e ao mesmo tenho fiquei madura. É engraçado e fascinante como o lidar com a realidade palpável é gratificante.

Reconhecimento de várias coisas...olhar muito mais atento a mim mesma...tudo parece muito mais em seu lugar. Alguma coisa como nascer denovo depois de 15 anos de trevas disfarçadas. Fico feliz com o que passou, consciente do valor de tudo que agregou-me.

Vontade grande de trabalhar muito, pular, ser normal e achar o máximo tudo ao meu redor. Que fase borboleta estou...hihi...Mas essa celebração toda marca o fim de uma série de pontos de interrogação que margeavam meus dias. Tudo agora se faz muito claro e a autêntica calma e serenidade adentram meu ser.

Caraca...a psicologa tá sendo um rombo no meu orçamento...mas tá sendo muito importante nessa fase...aijisuis...preciso trabalhar 25 horas...uiui...

Vou tentar resolver o pobrema do blog...