sexta-feira, 7 de abril de 2006

Acho que entendi o que era a coisa que pairava em minha mente em forma de pensamento . Na real, hoje fui tomada de uma gratidão tão imensa pela vida, pelos meus feitos, conquistas, derrotas e estratégicas posições.

Não posso dizer com clareza exatamente os pensamentos que culminaram nessa incrível e abrangente sensação de gratidão transbordante. Poderia soar antipático, indelicado e não é essa a intenção. A única mola propulsora desse texto é agradecer. Não sei como e nem a quem mas hoje, ao chegar em casa arrisquei uma breve oração à porta. Coisa que nunca mais fiz por modificações básicas de cunho religioso e moral.

Mas a emoção do sentimento é tão forte e saliente que precisei agradecer a alguém ou a alguma coisa. Nunca na minha vida básica quero perder de vista essa virtude rara e que sem querer e por vivências obvias se estaciona em minha vida circunstancialmente.

Dá vontade de ser boa, vontade de ser humilde e grata todo o tempo. Vontade de ser maior que a tempestade de emoções que vagam e varrem de mim importantes condições mentais. Dá vontade de estar dentro do olho do furacão e estar em paz.

Buscar o além, olhar abrangente e sábio o universo conspirando e nesse ritmo buscar inspiração para seguir sempre, quieta e acima de tudo exemplificando grandes conceitos e ensinamentos de sabedoria.

Hoje me sinto delicadamente petulante, ao tentar trazer para mim uma perfeição de iluminados mas sinceramente é isso que eu queria ter hoje. Exatamente hoje queria entender alguns axiomas universais intrinsicamente ligados a nossa condição de ser humano.

Mas o véu de doçura se desfaz e percebo-me tão pequena e falha. Tão mortalmente corruptível e ao mesmo tempo tão ingênua em buscar valores tão esquecidos e sequer publicamente praticados todos nós.

Hoje esqueci minhas dores, meus temores e minha total falta de competência em administrar minha vida e mergulhei na profunda e mágica sensação do agradecer. Tem tantos obrigados que eu gostaria de dizer, confesso que alguns arigatôs, uns merci...

Tantos demônios bobos foram expurgados de dentro da minha mente por conta da mudança de foco. Quando se agradece as minúcias acabam por ficar em seus devidos lugares. O banal, os degetos de nós mesmos se aplicam aonde devem: longe.

O mais legal é que todas as emoções passionais que dançaram hoje enlouquecidas dentro de mim acabaram por desistir de mudar meu foco. Hoje me senti agradecida, humilde e de certa forma forte. Uma fortaleza energética capaz de mudar a minha volta. Mas disso tudo, o principio ativo foi a gratidão. Se é começo de bushido, se é conversão ao cristianismo eu não sei.

Sei apenas que jamais poderia terminar esse dia sem dizer que agradeço. Imensamente. E espero ser melhor a cada dia. Exatamente como meus pais originais desejaram que eu fosse.

Postagens relacionadas

4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Por favor inscreva-se para receber as ultimas postagens no e-mail.