terça-feira, 30 de maio de 2006

hoje pela manhã eu estava lembrando da Maria Amélia, minha primeira psicóloga...na verdade segunda pois a primeira eu não gostei. Fui uma vez e ela foi idiota e ainda por cima atrasava demais. Imagine eu, no alto dos meus 13 anos com tanta coisa para fazer tinha que esperar a boa vontade da bela...achava uó e larguei.

Ai achei a Maria Amélia. Na real quem achou foi minha tia pois ela que procurava isso para mim. Umas das raras coisas que ela fez mas na verdade tenho certeza de que ela fez para ficar com a consciencia tranquila apenas. Meus pais tinham morrido a pouco e eu estava entrando numa crise enlouquecida de estafa:tonturinhas, sensações flutuantes (que me acompanharam por uns bons anos da minha adolescência).

Lembro de coisas engraçadas dessa época de psicologa. Não sei precisar ao certo onde ela foi fundamental e onde foram banais todas as sessões de terapia...mas sei que ela fez parte de uma construção muito séria de mim mesma. Achava muito monotono ela preenchendo um papel todos os dias que eu ia lá...aquela letra corrida...calmamente escrevia e para mim aquilo era quase um transe.

Tinha vezes que ia lá porque tinha que ir e ficava irritando ela com minhas abobrinhas adolescentes, outras vezes morria de ciumes quando via uma outra pessoa saindo da sala dela. No meu mundinho irreal ela era só minha. Lembro do quadro que dei a ela, da boneca...tudo feito por mim após uma crise grande de depressão.

Lembro da crise que tive quando descobri a cerca do meu pai italiano, das frases profundas que ela me dizia que até hoje, nos meus dias de adulta ecoam em minhas decisões e pequenos medos domésticos. Lembro da ultima vez que a vi, já haviam se passado 1 ano que eu mesma me dera alta devido a tantas viagens que andava fazendo. Ficamos 5 anos juntas e quando a vi foi logo que comecei a namorar sério...aquilo tudo me confundia tanto...fui até ela mas era meio tarde.

Tinha um bebe ali também, dentro daquela barrigona e por isso estava de licensa. Olhei aquilo e acho que pela primeira vez na minha adolescencia sem sentido eu fui madura. Larguei o ciume e a sensação de abandono de lado e entendi que as pessoas seguem seus caminhos.

Não procurei outra, acho que continuei naquela época seguindo alguns chavões classicos da minha existência como: "se você não falar ninguém vai saber", "pai é aquele que cria", e outras que me emocionam de pensar.

É muito bacana olhar para trás as vezes.

segunda-feira, 29 de maio de 2006

Pois é...mais uma vez estou aqui, estraçalhada por dentro, totalmente desiludida por achar que eu já era senhora dos meus limites emocionais...

Agora a nova sensação do momento introself é o olhar. Finalmente tive mais um grande insight...já tava curada do meu ego sensitivo e agora tem a visão universal.
Na real esses nomes quase fantasticos que estou colocando são para me explicar (para a minha propria pessoa) de modo mais ilustrativo.

Acho que a nova vergonha do momento é a sensação indescritível de ter errado todos os papéis e julgamentos por causa de quem? Do meu umbigo feliz e contente que sempre ditou tudo aquilo que é bom ou ruim sem sequer parar e olhar o mundo lá fora com a visão "distorcida" do outro.
É...só que essa visão "distorcida" faz toda uma diferença quando você olha o teu mundo e percebe ele flácido e oco. Achei engraçado essa nova doença da mente que encontrei dentro da minha...olha que coisa incrível. Justo eu que sempre entendi a idéia óbvia de que a gente tem mania de acionar e reagir de acordo com nossas crenças e, por isso temos a visão de tudo a partir da gente.

Ai vem um Dudu qualquer (qualquer nada) e me conta uma história de um guru da alto ajuda qualquer e me mostra um desenho e aquilo, aquelas pequenas coisinhas insignificantes para meu ceticismo default a respeito de coisas impalpáveis, se esvai...foge...sai fora...pica a sua mula manca e fica a porcaria da pulga atrás da orelha.

O engraçado é que eu falava de sabotagem...pessoas se sabotando e olha lá quem aparece no "top of mind" da "self-sabotagem": eu linda, maravilhosa e cruelmente...derrotada por mim...
E a minha mais nova vergonha. Me cobro demais e esse ano parece que o Papai do céu resolveu pegar meu caderno de lições de casa e me apontar os erros discretos de concordância e grafia que tenho feito ao longo desses anos no topo da torre.

O que posso dizer de mim. Na verdade hoje queria falar com a Vanessa (psicologa) para botar essas coisas estúpidas para fora.

Começo a entender tudo...exatamente tudo...meu ceticismo exacerbado, meu desamor e imparcialidade, e total falta de competencia em administrar meus relacionamentos.
Dá uma vergonha do caramba saber que eu me saboto a muito mais tempo do que se imagina um ser humano. Realmente chegou mais um novo momento complexo para "engolir".

O luto foi engolido a duras penas...agora esse. Ontem dei uma discutida sozinha com o du e perguntei pra ele porque não confiava em minhas observações a respeito das coisas que me trazia. Ele disse calmo e fofo como sempre (eu furiosa pq sou irritadinha imbecil) me disse que muitas vezes ele recebe aquelas informações e junta às dele e outras vezes acha que não cabe ao momento que ele se refere. Acha que não combina com ele (ai percebemos que sou mais menino que ele nesses assuntos que abordamos), e que sou fria e racional demais nos feedbacks.

Ouvi, guardei, juntei com o universo em transe e percebi tudo claramente. Com exageros caracteristicos da minha pessoa claro...hehe
Mas o que ficou obvio é que a frieza do diagnóstico a respeito das coisas dele é a mesma que diagnostico as minhas coisas...e isso me assustou...muito.

Tem coisas que não consigo palpar pq ainda fogem da minha idéia primaria disso tudo. Outras desculpas já correm na minha mente tipo: orfandade, emancipação extremamente cedo, dores, lutos, etc.

OK, tudo muito relevante mas nada prático. Essa é minha frase de sempre: "Tudo muito bonito mas nada prático". Agora pergunto que porra de praticidade eu quero encontrar num mundo onde as pessoas tem que se relacionar fulltime, elas são diferentes em tudo e o principal que sempre há conflitos em todos os relacionamentos por causa de paradigmas particulares de cada um. Como posso eu ousar querer praticidade.

Praticidade é coisa de loucos, solitários, gênios matemáticos que resolvem cálculos absolutos...praticidade é o resolver exato, é um cheque mate.

Praticidade envolve rapides e definição. Como posso eu querer isso em minha vida se ela é extremamente envolvida por pessoas que não podem ser praticas porque ningém é dono da precisão do amanhã.

Caraca...a primeira ação do meu decreto de calamidade pública pessoal é não soltar feedbacks malditos e calculistas...como ainda não estou bem estruturada em termos de ser "dócil" em teorias e pouco prática estou off em feedbacks.

Mas o engraçado é que já pude observar nitidamente o processo mental q isso envolve...Um amigo meu hoje pela manhã me contou uma história muito triste dele. Mais uma destas malditinhas ironias do destino que colocam as pessoas erradas na nossa reta diária.
Ok, ele me fez uma confissão que doeu até dentro do meu coração de tão sentida que foi (menos mal...ainda corre sangue nas minhas veias). Percebi sua dor e armei a minha revolta contra o sistema (sempre meu lado comuna se ativa nessas situações).

Ai comecei a ver os processos de feedback chegando, o "blaséssismo" se instaurando e ai criou-se o feedback. Então...olhei para ele...o gelado e feio-feio feedback forjado nos meus conhecimentos "praticos" de mundo (acontece que cortei o cordão umbilical a 3 anos ou seja...nunca fui e nem tão rápido serei a pessoa mais indicada a dar feedbacks eficazes) e eu não pude despeja-lo.

Era uma informação totalmente alienada e palpérrima de auxilio humanitário. Então...procurei alguma coisa mais amena e...o que eu disse: Você vai ter que buscar o samurai que tem dentro de vc para aguentar essa. Calma. Isso já passou.

Decretado o estado de sítio...nenhum pensamento prático...e para não dar margens a evasão em massa, nenhum tipo de pensamento sai da cachola que não seja de cunho profissional...ainda sim terão que passar por severas revistas até a deposição dessa terrivel menininha de gelo que ta na caixa preta da minha mente.

sábado, 27 de maio de 2006

Pq esse povo insiste em não ser brasileiro?

terça-feira, 23 de maio de 2006

Hoje estou numa versão mais cool...Ontem estava com meu idealismo e "mundodobobbysmo" a flor da pele.

Assumi novamente meu cabelo liso e desbastei um pouco para não ficar armado...cabelo fino é algo...vou começar a usar shampoo para cabelos lisos...

Eu e a claro estamos em crise ainda. Isso faz com que ela seja a ultima da lista de pagamentos. Já não uso mais celular, penso que se usasse seria de outra operadora. Acabou meu amor pela claro...muito embora eu saiba que ela tem uma cobertura muito eficaz...gostaria de mudar para a BrasilTelecom...mas sei que estou presa a maldita claro por causa do maldito numero do celular...é o pior tipo de relacionamento esse...dependencia...tenho que criar coragem e trocar de numero...mas sinto certa dificuldade de fazer isso..sei lá...penso depois...

com relação ao discreto abatimento em meu coração por causa do rapaz isso está passando...não se deve apostar em time que esta perdendo...estou voltando a sanidade...ainda bem...fui...e3 não vou acentuar porque estou rebelde.

segunda-feira, 22 de maio de 2006

Tô cansada...o dia foi estranho...cheio de aprendizados. Resquicios do fim de semana maluco que vivi.Estou novamente naqueles momentos em que revejo alguns sentimentos a cerca de um ser. É estranho o estar apaixonada consciente.

Não sei se é bom, se é recato de sentimentos em demasia, desnconfiança demais. Achava legal ser adolescente e ver tudo grande e dificil de controlar. Essa coisa de formatação e visão ampliada de sentimentos é coisa estranha...mais impalpável do que nos aureos tempos em que esses dançavam enlouquecidos sem saber direito para onde iam.

Hoje cheguei em casa cansada, sentindo uma certa ponta de missão não cumprida por causa da aula que dei...mas a aula estava bacana, o objeto não bacana da história era eu mesmo.
Tem dias que a vida é muito cansativa por não ser otimizada. A gente complica tudo e tudo deriva de medos e escolhas impensadas...sei lá as vezes queria ser a tal da minhoca kung-fu que está no meu MSN.

Cheguei em casa e queria novamente falar das coisas que aconteceram...falar para quem? Para a Boolie ou a Pepa? Ainda bem que minha irmã ligou e falei alguma coisa meio reticente para ela.

Na real queria mesmo é chorar. Sabe quando as coisas são grandes e você parece não conseguir comporta-las em suas mãos, e elas escapam, vazam como líquido das estremidades dos dedos.

Sei que amanhã tudo passa e meu universo se reconstruirá no seu cotidiano tradicional: pagar contas, criar artes, brigar com a claro e decidir nunca mais pagar as contas porque ela não entende minhas necessidades de consumidora e não me dá atenção...aliás meu relacionamento com a claro é pior que caso de amor mal resolvido entre um canceriano e um aquariano.

Sei lá...hoje já quis chorar por lembrar da época em que estive sozinha de cama, já odiei com novas gamas deste sentimento meus "parentes" e já os perdoei, ja me vi casada com um grande amigo e me separei, já quis uma Barbie e troquei por um NoteBook...

Agora sei exatamente o que quero: dormir e esquecer que o mundo é mundo e cheio de complicações. Essa semana tô fechada. E nada vai me abrir. Nem um telefonema da claro.

sexta-feira, 19 de maio de 2006

Muito legal a nova paulista que conheci. Me faz ver várias nuances de mim mesma. E me percebo ainda muito preconceituosa. Não preconceito racial mas social. Acho que ainda tenho muito que aprender a respeito de lugares, costumes, níveis sociais.

Sei que a medida que vou compreendendo certos novos universos, o preconceito se dizima. Ou não...na realidade eu sou um novo tipo de comunista. Paty demais para os verdadeiros comunistas mas de certa forma sempre estou idealizando...na faculdade eu era meio xenofóbica cultural e aqui vejo que as massas me irritam ainda. Não sou um ser social. Alias, sou extremamente anti-social e intolerante.

Isso é engraçado...acho que a vida toda vou me surpreender com a minha pessoa. Estou absolutamente sem grana, com alguns projetos muito bacanas de tocar. Pensando muito nessa nova fase cor-de-rosa que estou vivendo. Não sei explicar o que é...é uma sensação de calmaria interior imensa, um baixar de defesas coordenado e racionalizado por uma iris que eu não conheço direito. Aliás, estou começando agora a me conhecer realmente...engraçado...vou fazer meu creme de lentilhas pois a temperatura está perfeita para ele...bye

terça-feira, 16 de maio de 2006

Esse blog está me boicotando. Ontem eu escrevi um putya texto emocionado e ele postou o silêncio da minha alma...

Hoje fui no Cavanhas com a Paula...mó saudades dela...essa semana está mais tranquila e eu tô podendo fazer coisas que há muito eu não conseguia. Coisas simples como limpar a casa, lavar a roupa e sair com amigos. Semana que vem a loucura começa novamente mas tô bem.

Ontem infrentei a primeira inflamação dos meus 125 alunos com um tema que eu escolhi para debater na sala. Acho que me sai bem. Mas confesso que me assustei com o que eu estava vendo. Usei minhas técnicas samurai e improvisei um kamaei para assuntos academicos...hihi...falando em kamae...acho que conquistei uma graduação no jojutsu.

Ando meio stressada com algumas coisas e me sentindo muito leve para outras. A calmaria realmente é importante no processo.

Vou brincar com meus pequenos bebes monocromáticos

segunda-feira, 15 de maio de 2006

quinta-feira, 11 de maio de 2006

Ontem fui jantar com o Dudu...amo o Dudu...coisa doce ele...tá tão mudado. Virando um homem. A energia dele tá mudada. Bacana. Comemos shushi e conversamos muuuito. Tudo de bom estar perto de pessoas que a gente gosta.

A fase negra começa a se despedir...fico feliz...só tô triste pelo meu sobrinhofo dodói...tado. A Claudia tá um bagacinho tadinha.

Hoje fiquei pensando na minha filha...não a Boolie e nem a Pepa...a que eu vou ter quando tiver filhos...vi uma menininha rock in roll com seu namoradinho rock in roll e achei que a minha filha seria daquele jeito...não consigo imaginar cria minha patricinha e nem mauricinho...fiquei com vontade de ver como seria o futuro com essa bebe, menina...se bem que ela não vai ser nada do que planejei...mas fiquei imaginando ela com o seu primo mais velho e crente e ela toda estilosinha...eu mãe...tá ai uma coisa que acho engraçado de imaginar mas não me vejo sem filhos.

Acho que não vou ter meninas...acho que terei menino...mas hoje ao ver aquele casalzinho tão fofinho fiquei imaginando oque me espera num futuro. Tenho planos tão conscientes para ele e ao mesmo tempo romanticos pois sei que na pratica nada vai funcionar como planejei...mas tá legal.

Acho que deve ter sido efeito da conversa com o Du, a gente tá crescendo e se dando conta de tanta coisa que parei p pensar nisso. Acho que as mudanças que ele me falou me lembram a mim mesma e as novas interpretações de vida que ando fazendo. Realmente mudei de tamanho ontem...nos dois sentidos...hahahaha...comi demais!

Vou nanar

Beijos

segunda-feira, 8 de maio de 2006

Ninguém sabe o que estou sentindo. Estou praticamente e corujamente orgulhosa de minha filha Pepa...Ela saiu no site da ração que ela não gosta; "whiskas"...aiquelinda"!!!!
Mas ela é lindérrima e linda e fofa e fotogênica.
Aiqueorgulho! vejam minha bebe!!! Cliquem aqui

Num é uma coisa?

Bjo

segunda-feira, 1 de maio de 2006

Iris tinha febre e foi para o hospital...

Patética cena...tudo começou quando tive febre no meu trabalho e nem tinha percebido...mas já estava percebendo as tonturas e a dor de cabeça incessantee meu estranho quse desmaio no dojo...sábado na hora do almoço desisti de ficar jururu e resolvi procurar um hospital qualquer para ver "qualera" a do corpitcho.

Me troquei jururumente e fui de onibus já pensando caso eu tivesse um "coiso" qualquer teria mais gente por perto (só esqueci da parte de que eles poderiam roubar meu celular).

Resumindo fui num hospital que o plano porcaria que eu tenho não cobria, paguei a emergência e fiquei ouvindo o médico muito simpático me explicar o diagnóstico: Falta de dormir.

Realmente tenho abusado e dormido absurdas 4 horas sendo que meu ideal de sono bom é 9 horas. Entendi a febre, a dor de cabeça, o déficit de atenção e tudo o mais. Essa semana tudo vai ser diferente e eu vou trabalhar menos.

Esse final de semana me mantive longe do microcomputador, fiquei muito com meu sobrinhofo e dormi razoavelmente bem. Preciso rever minha agenda...e cuidar mais de mim...essa experiência "sonante" não foi nada agradável.

Hum...vou nanar agora...amanhã começa tudo de novo e eu tenho uma série de coisas pra fazer e outras tantas coisas...mas sabe de uma...acho que preciso namoricar...ano passado que nessa época eu já tinha namoricado bastante não ficava tão neuras...namoricos distraem a gente...mas não quero ficar beijando várias bocas...prefiro ficar assim...mas que namoricar desestressa...quer dizer, por um lado porque nessa mesma época eu chorava horrores por causa daquele careca branquelo confuso e babaca...não...mudou o foco do stress...e eu tinha dor na nuca que eu me lembro...nananananananana...acho melhor focar numa neura só a ter que "neurotizar" em variantes. E falando sério...nunca mais quero viver um por cento do que aconteceu ano passado...o tão fofinho não conseguiu me enloquecer tanto quanto o Holligan tupiniquin...credo...aiai...sai fora...vou nanar...tô lelé...bjo