segunda-feira, 31 de janeiro de 2005



O time mais simpático do Rio Grande do Sul...;)
Hum...fiquei triste...tinha me programado para ir a Santa Catarina ver a galera do UNASP e a Pâmela...mas não vai rolar...aparentemente esqueci de colocar uns dividendos nas minhas contas...fiquei triste pois estava absolutamente empolgada.
No mais o fim de semana foi bem tranquilo, coloquei uns pontos finais em alguns assuntos (os que falam do coração principalmente), sai com a Paulitcha nos nossos "desbravamentos" da night gaucha e acabei por conhecer uma pessoa fofa...alias, muito fofa e isso me assusta. Mas legal...acho q agora tenho um time em POA: São JoséHehehe...
Vou trabalhar...bjocas

sexta-feira, 28 de janeiro de 2005

Foi assim, como ver o mar
A primeira vez que os meus olhos se viram no seu olhar
Não tive a intenção de me apaixonar
Mera distração e já era momento de se gostar

Quando eu dei por mim nem tentei fugir
Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar
Quando eu mergulhei no azul do mar
Sabia que era amor e vinha pra ficar

Daria prá pintar todo azul do céu
Dava prá encher o universo da vida que eu quis prá mim
Tudo que eu fiz foi me confessar

Escravo do teu amor, livre para amar

Quando eu mergulhei fundo nesse olhar
Fui dono do mar azul, de todo azul do mar
Foi assim, como ver o mar

Foi a primeira vez que eu vi o mar

Onda azul, todo azul do mar
Daria pra beber todo azul do mar
Foi quando eu mergulhei no azul do mar

Flávio Venturini
Composição: Flávio Venturini E Ronaldo Bastos


Fofa...irreal nos dias de hoje. Mas rara.

terça-feira, 25 de janeiro de 2005

Íris cansada...ou melhor...morta.
Lembrei de um dia que eu tava lá na Vl. Mariana, saindo de casa para o trabalho e uma vó portuguesa me parou e disse: "Vcê não é daqui".
Achei graça naquela senhorinha simpática que me confundiu com uma européiazinha. Fui subindo a ladeira com ela e explicando a confusa genealogia a que fui inserida.
Ao nos despedirmos ela repetiu: "Você realmente não parece daqui".
Nunca mais a vi e a idéia de não ser daqui me cala ainda...Penso que, deveria ir aos meus. Se tenho asas e tempo...deveria ir aos meus.
Mas resta saber quem são.
Ai...tpm com cansaço mental dá uma maluca composição textual.
Trabalho enlouquecidamente corrido. Estou radiante por ter muitas coisas importantes para fazer.
Odeio me sentir sendo "desperdiçada". Mas cansa. Ainda mais trabalhar com prazos que eu abomino (daí veio a idéia de não mais fazer jornalismo).
Mas vale a pena, tá valendo muito.
Vô desbaratinar um pouco para poder dormir...Dormir muito feliz.
15 minutos antes de ir a uma reunião...e eu cheguei a uma conclusão:
Quando a gente tá a fim de ficar a fim de alguém, acho que a cabeça tem que star livre de qualquer outros supostos "alguens".
Essa coisa que falam que acabamos esquecendo ou fazendo esquecer é pura lenda.
Não dá pra você tentar gostar de alguém que não quer que voce goste dele...Complicado eu sei...mas real.
Sei lá...acho que eu não conseguiria investir em ninguém que, ao menos se dispusesse a tentar se apaixonar só por mim e mais ninguém.
Acho que faz parte de uma lógica simples.
Você ou eu até podemos tentar...mas nunca sai do segundo plano. Acho que tô velha demais para crer que o amor pode mudar a pessoa, que faz esquecer outros, blábláblá...
Isso é coisa que inventamos para tentar e insistir no erro.
Na real a coisa é muito mais intima e pessoal do que se imagina...e tenho dito.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2005

Hoje foi um grande dia.
Cheio de coisas relativamente significativas para fazer.
Tô pregada mas com a alma leve...leve...
Deveria cair de boca na minha cama mas to meio elétrica ainda.
Pela primeira vez me senti legal, realmente legal no meu trampo.
Ontem fiquei quase uma hora falando com o Dudu que eu tava morrendo de saudades, falei com a minha irmã mas confesso que não sei quais são suas intenções comigo...hehehe.
No mais tudo normal...alias...normal até demais...
Vou ajudar o Lu a se recuperar da tristeza...fui...
Menos mal...acho q definitivamente não estou apaixonada.
Hum...tenho q trabalhar...Bom dia!

domingo, 23 de janeiro de 2005

Não sei...hoje fiquei meio dançada com meus pensamentos. Acho que devo estar ficando maluca isso sim.
Não quero me apaixonar. Preciso dar um jeito nisso...mas o fato é que ele é uma ótima opção de paixão...não sei...Íris...sempre confusa.
Comprei um vinho pensando em nós, em uma jantinha romântica...mas não sei se isso é legal, pensei em usar minhas velas, um bom som do Moloko, Portshead, Pj Harvey...sei lá...
A real é essa: Sei lá.

sábado, 22 de janeiro de 2005

Será que toda vez que eu beijar a boca dele vou ficar voando que nem uma boboca...Não é certo isso.
Mas é certo que o sorriso dele iluminaria toda a escuridão que pode existir dentro de alguém.
É sempre fantástico vê-lo. É impressionante como existem beijos perfeitos a serem dados, carinhos despreocupados e sinceros a serem recolhidos.
Meus pensamentos são leves. Não sinto o frio na barriga...com ele não.
Acho que é alguma coisa que isso já superou...Sinto intensidade e uma certeza de reencontros...
Fiquei triste pelo tempinho mínimo que o vi ontem...mas alegre porque me pareceu uma eternidade feliz.
Não queria ficar o fim de semana inteiro pensando nele, nas coisas que a gente falou e nos beijinhos que a gente se deu...Mas acho q não terei outra opção...que legal...to pensando e não sei porque...mas é bom...vou continuar assim...leve e pensativa...

sexta-feira, 21 de janeiro de 2005

Não.
O máximo que pode acontecer é uma previsão de interesse a primeira vista...melhor, a um primeiro contato.
E eu fiquei pensando nele depois. Como eu geralmente não faço.
Agora as coisas por dentro, totalmente abstratas e divididas.
Gosto de nomear as coisas dentro de mim. Dele eu não sei. Sei que não é paixão. Amor não vem pronto.
Não sei. Apenas gosto da sua presença. Não vai mais longe que isso.
Porque eu sei exatamente como eu fico quando gosto de alguém. Aquele alguém que some, que trabalha demais, que não parece distante mas ao mesmo tempo é totalmente alheio aos dilemas da minha vontade de te-lo por perto.
Coisa engraçada essa. Um duo incógnito mas totalmente explícito para mim, que enxergo tão claramente.
Sei lá, na mesma proporção que vejo essa valsa de maluquices aqui dentro, não entendo as evoluções...sei lá.
Acho que preciso crescer mais para algumas coisas...tô com sono...hoje a noite quero badalar.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2005

A pedidos (alienígenas e fantasmagóricos), novas receitas assinadas por Iris Ferrera

Pasta Atmosférica

Ingredientes
500g de macarrão espiral (eu usei da Adria)
1 lata de atum picado
2 dentinhos de alho
2 pitadonas de alecrim
2 pacotinho de sazom (vermelho ou verde de limão)
1 colher de mostarda cara e boa (Nada daquelas amarelas de cachorro quente!)

Modo de preparo

Pasta
Colocar a agua para ferver com um pouco de óleo e um pacotinho de sazon e uma pitadona hard core de sal.
Não descuidar da panela pq tem que ficar "al dente" no ponto perfeito que transita entre o cru e o cozido...preste atenção e não fique conversando...Deixar o macarrão no ponto é uma tarefa difícil

Molho (hahahaha...que de molho n tem nada)
Doure os dentinhos de alho em um poquinho de óleo. Corte bem pequenininho! Nada de preguiça!
depois, jogue a latinha de atum e o alecrim.
Deixe exatamente 2 MINUTOS e desligue. Coloque a mostarda, misture e babe mas...fora da panela, por favor.

Junte tudo na panela do atum e sirva tb com vinho branco (beba o vinho...nao regue o macarrão...por favor)

Ó...tudo de bom!

segunda-feira, 17 de janeiro de 2005

Era um sábado comum, de afazeres comuns e liturgias comuns. Não fosse o fato de, pela primeira vez, após intermináveis aulas de canto lirico, iria a mocinha se apresentar cantando uma pequena ária de Bethoven: Óde à alegria.
Anunciado a apresentação, certo temor subiu-lhe as pernas, um rubor incessante incriminava a total novidade a que era imposta e o frio na barriga aconteceu.
Subindo ao palco, visualizou todos e ao som da nota introdutória à sua vez...enfrentou o frio que sentia dentro de si e terminou por fazer o que havia se proposto.


Essa até então era uma das únicas e raras manifestações de frio na barriga que eu havia sentido.
Não fosse hoje pelo seu aparecimento após uma semana de total silêncio, quando enfim resolveu, ele, falar comigo.
Pisca a tela e esfria me por dentro.
Não sou dada a muitas dificuldades de me expressar e muito menos de saber o que falar, no entanto, as palavras me esvairam e tudo parecia pouco lógico. Os monossílabos começaram a enlouquecer minha cabeça sem me passar uma saída amena para aquele diálogo.
Marcamos um encontro...e isso encheu meus olhos d'agua imaginando que eu não sei o que farei. Sei que devo ficar bonita para ele, sei que devo falar coisas legais mas parece que ao encontrá-lo as palavras se tornarão dialetos inteligíveis e acabarei por não me fazer compreender.
Tenho medo de fazer tudo errado. Me apreendo, repasso textos e busco calma. Será que deveria falar novamente a respeito de nosso passeio?
Normalmente não falaria...mas será que devo? Acho que não. Devo tentar ser o máximo de "eu" possivel. Ainda que me rasgue em indagações internas.
Frio na barriga. Que vontade de fazer tudo certo, dizer tudo como tem que ser dito e ser o que eu realmente devo ser.
Mas tudo emudeceu hoje a tarde e parece que todo o chão vai me faltar.
Frio na barriga...tudo o que eu queria. E agora...depois do frio vem o tremor...e se eu jantar com ele e derrubar tudo, cair do salto...extrema em desajeito.
Nervosos frios na barriga. Sejam bem vindos a me perseguir. Espero nunca deixar de te-los. E reformatar a minha vida a partir dessa sensação desconcertante e desajeitada.
Conto as horas. Ele estava ali, eu o via mas não tocava. Ainda vejo e não toco. Mas ele me vê.
Frio na barriga...não vá longe de mim.
Tava lendo o Blog do Spanha, que sumiu novamente...deve estar surtado com a namorada espanhola e bipolar...e ele fez uma lista de que personagens ele gostaria de ser...ai fiquei pensando...
E eu? O que eu gostaria de ser?
Segue o show de horrores:



* Evy (do Lasgo)



* Luluzinha



* Luck Sky Walker (versão feminina claro)



* Odete Roitman



* Betty boop



* Pandora (a da caixa grega)



* Marsupilami



* Katia Flavia Godiva do Irajá



* e obviamente nao poderia deixar de citar a translumbrante Andie Macdowell


É...acho que é isso.
É tão bom sabe-lo ali. Ainda que intocado.
Ali. Em sonhos tortos quem sabe meu.
Mas não importa. Enquanto houver uma possibilidade de imagina-lo como sonho bom. O farei.
Hoje fico quietinha, só observando. Prometo pra mim mesma não fazer nada que possa dizimar a pequena posibilidade feliz.

domingo, 16 de janeiro de 2005

Final de semana tranquilo.
Minha mente começa a serenar e as coisas começam a ficar claras.
Levei muita bronca desde sexta-feira e acho que aprendi algumas coisas quew preicsava e acordei para outras que foram cruciais. É engraçado porque quanto mais aprendemos mais temos que aprender.
Fui num churras muito legal numa cidadezinha chamada estrela.
Lembrei muito da minha familia quando éramos unidos e a vida fluia feliz...aquela coisa de clã fechado, muito legal.
Fiquei imaginando como seria legal formar uma familia só pra mim.
Ai que fofinhos...
Me remeteu muito S.J.Rio Preto. Um lugar de nivel economico bacana com familias tradicionais e unidas.
Uma fofura. Nunca pensei que iria falar tão bem de Rio Preto e o pior, sentir saudades.
Falei horrores com a Japa...QUE SAUDADES DESSA JAPA!
No mais, acho que organizei umas coisas que havia quebrado durante a semana, resolvi uns pequenos problemas profissionais e agora posso desfrutar tranquilamente do meu inferno astral.
Vo nessa...mais tarde vou pegar um cineminha básico...Fui

sexta-feira, 14 de janeiro de 2005

Fico indignadamente triste quando percebo que as pessoas estão extremas em preocupação consigo próprias que não tem tempo de ver o outro.
Fico inconsolávelmente triste quando vejo que eu também sou assim.
Hum...ontem quase fiz meu segundo "debut".
Depois de tempos sem por o nariz para fora de casa, ontem sai com as minas e até fui no lugar q eu mais odeio...O que não fazemos pelos amigos!
Bebi além da conta, tudo girava, e recebi uma ligação do ex meio demorada q não tenho a mínima idéia do que se tratou...Espero q tenhamos sido básicos um com o outro.
Agora chega porque beber é ruim porque parece q a gente fica meio murcha e podre por dentro...vou tomar muita agua e comer frutas para tirar essa sensação alcoólica de dentro de mim...vamos trabalhar...;)

quinta-feira, 13 de janeiro de 2005

Perdi a hora e meus compromissos ontem...já era de se prever.
Sabe quando voce deita para dar uma discreta "dormidinha" e quando acorda já é mais de meia noite?
Meu celular recebia mensagens e eu achando q fazia parte dos meus sonhos, os barulhinhos que ele faz..hahahah...foi muito bom...uó

quarta-feira, 12 de janeiro de 2005

Absurdamente com sono.
Fico tentando entender como o Billy para em pé estando a 3 dias sem dormir, trabalhando full time...Meu zóim tá tudo pequeninin.
Ontem recebi uma ligação do Japão de um cara solicitando um orçamento para finalização de um site.
Moral da história: Dormi muito tarde...e tô acordando cedo.
Na boa...to meio quebrada. Sai daqui as oito e meia ontem...cheguei as seis, trampei em casa...mas não há, pelo menos até agora, nada mais bacana do que receber telefonemas distantes pedindo orçamentos. Dá vontade de nunca parar de trabalhar.
Vo lá...

terça-feira, 11 de janeiro de 2005

Ontem a aula foi uma fofura.
Confesso que, quando cheguei lá, pela primeira vez não tinha noção do que falar. No entanto, pensei novamente e, motivada pela filosofia do "mente livre pensa melhor e domina emoções", larguei tudo vagando dentro do espaço gigantão da minha cabeça.
O resultado foi uma enxurrada de informações colocadas de forma agradável a se ouvir e o mais fofo foi receber as palmas da galera.
Acho que nunca me aplaudiram assim. Nem quando cantei ou participei de peças de teatro.
Adoro dar as aulas. Ano que vem se me quiserem novamente tô lá.
Muito bom. Eu não tenho nada a ver com "professora" mas vale cada minuto que eu vou lá e cada din que eu gasto com eles e cada balada que eu perdi por causa deles. Muito legal.
Uma aluna minha, de tanto eu encher o Rê por causa do chocotone que ele disse que me enviaria (colocava nicks relacionados a chocotone no meu MSN), comprou um pra mim. Achei uma fofura isso.
Ó...se você quer ter uma experiência fantástica uma dica: Pegue um talento e divida ele com quem precisa dele. É muito bom.
No mais, ontem eu me vesti de vestibulanda black e, aproveitando o ensejo de "estudar é preciso", fui me matricular no curso de lógica da programação que começa semana que vem.
Tô até vendo a sala cheia de meninos...quesaco...nada contra o sexo masculino, ao contrário, tudo a favor, mas é que paira sempre um ar de "o que ela está fazendo aqui".
Já decidi, pra não decepcionar vou vestida de menininha frágil, indefesa e vou fazer carinha de goiabinha passada...vai ser divertido...senão eu stresso.
Hum...tenho que ir trabalhar.
Madrugar no trabalho na real.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2005

Eeeeeeeeeeeba!
situação revertida e trabalho elogiado...;)
Assim é mais fácil viver...agora tenho que correr para a ufrgs e estudar tudo oq vou falar lá...bjocas

domingo, 9 de janeiro de 2005

Dane-se a Cinderela que anda rondando meu interior. Morra essa louca que anda achando que predominará ante a minha exacebada visão clara dos fatos. Hahahaha...antes fosse.
Após meu primeiro e ultimo surto de designer acabei magoando um amigo e perdendo um trabalho.
Ria quem estiver afim.
To muito nervosa e triste.
Nunca fui "rejeitada" profissionalmente. Em outros aspectos eu já sou phd...mas profissionalmente não queria.
É o unico universo que transito tranquila. Passo a passo marcado.
É horrivel essa sensação.
Queria falar isso pra alguemn que pudesse entender...aiquesaco...ando precisando falar das minhas coisas mas não queria que o ouvido fosse da psicóloga. Mas não consigo.
A impressão que me dá é que tá todo mundo ocupado demais para ouvir coisas bobas.
Tinha uma pessoa linda que me falava que minhas coisas não são bobas,e que eu não sou boba...saudades dele.
A única pessoa que parecia mesmo se importar com algumas coisas minhas.
Saudades disso.
Acho que to dando importancia demais para esse evento. Mas tô realmente inconsolável.
Queria o lu pra falar...não posso.
Que saco...ou não...hehehe...os "sininhos" a lá Cinderela não pararam de tocar ainda...isso foge das regras de sobrevivência de Íris por serem total nonsense.
Aiaiai...depois se ferra, como já é previsto, ai ó, diz que Deus não ajuda...hum...eu podia estar equivocada uma única vez a esse respeito...hummm...droga.
As vezes a racionalidade atrapalha. Pior que, como toda boa babaca que sou, já to achando sacanagem até "flertar" de brincadeirinha com meu ex namorado.
Sei lá...é que fui pega de surpresa no meu ponto fraco: atenção e respeito. Ai não era.
Não sei não gostar de quem me respeita como eu acho que mereço. Ai já era "de novo".
Já já a semana começa e isso, ao contrário da semana passada me parece ótimo pela possibilidade idiota de falar com ele e dando tudo errado (ou certo) vê-lo.
Aiai...muito trampo na mente esse findi, os meninos fofos e fofos amigos da Sara vieram aqui e eu nem falei direito com eles. Uma pena porque nessa fase decoradora em que vivo, tinha muita coisa para saber do LM...hihihi...mas acho que, de alguma forma estou me saindo bem no ofício...;)
Volá, para a ultima etapa da finalização de um dos projetos para a campanha: "Faça Íris pagar suas dividas."
Beijocas.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2005

Eu nunca me imaginei tendo sonhos de cinderelas e príncipes encantados que chegam e tiram a nossa existência para uma natureza superior e interessante.
Não por que me faltem idéias mas pelo fato de ser racional e lógica demais em determinados aspectos da minha vida.
Mas hoje me peguei divagando numas viagens que não devem existir.
Existem coisas que são por demais estranhas a nossa realidade e que não devem ser desafiadas. Mas hoje as possibilidades me pareceram tão bacanas.
Começo a entender alguns motivos que levaram D. Ines a se casar e já não me parecem tão feios e impróprios.
Acho q deve chegar uma hora que a figura da mulher frágil e dependente se faz presente, por mais auto-suficiente que esta seja, e não por menos que busca de carinho e conforto ela se deixa levar por sonhos, muitas vezes impraticáveis.
Engraçado isso. Uma parte de mim é romance e pensamentos absortos.
Outra é realidade prática e destinos cruzados apenas por momentos tortos.
E nessa lógica racional eu quero me perder. Mas tem um lado que insiste em acreditar em possibilidades de amor que não são minhas.
Por que a essa altura do campeonato, não existem mais finais felizes e seria utópico pensar assim.
Percebo que está nascendo uma outra visão de relacionamentos dentro de mim. Relacionamentos em que a busca é pelo conforto psicológico que o outro pode oferecer.
Ainda que de mundos distantes.
Isso me parece doce de se pensar: O mundo da impossibilidade é realmente tentador. Ele, o mundo descoberto, é dono de um querer desordenado e desorientado que te põe bobo sem perceber.
E as frases otimistas parecem tomar conta de todas as artérias e o pulmão fica cheio de desejos perfumados.
É bom sonhar. Mas temo sair de perto da realidade e quando voltar para ela não entender mais sua lógica. Preciso de lógica. Lógica e racionalidade para poder viver bem.
Mas hoje...o mundo me parece meio cheio de florzinhas adolescentes. E a frase mais linda de todas é: Bem que podia ser...Podia mesmo.
Hum...enfim sexta feira.
Sabe o que eu queria realmente? Dormir o fim de semana inteirinho sem interrupções...cabecinha confusa é uó.
Eu não sou muito boa em ter muitos menininhos rondando os pensamentos. E parece que todos resolveram aparecer...ai fica complicada a equação.
Mas tá legal.
Ontem, finalmente dei a minha tão esperada consultoria em decoração...foi legal. Betito é ótimo.
É uma das poucas pessoas que conheço que teve uma educação semelhante a minha: em escolas protestantes a vida toda. Legal.
No mais, nada. Nadica. Correndo atrás de frilas para pagar as contas, esse findi não poderei dormir porque tenho um top para entregar a um rapazito (ainda bem..."não dormida" do bem).
Hum...tô apreensiva. Acho que é isso.
Essa rotatividade de rapazinhos mental não tá funcionando na boa. Acho que definitivamente sou muito monogâmica até nas minhas "azarações".
"Antice" (de ser anta) da minha parte porque sou solteira e deveria bifurcar mais...sei lá...só não quero mais nenhum carinha pra pensar...senão vou ficar maluca...hehehehe.
Nessas horas que percebo que nasci no século errado e na década tb.
Minha década ideial seria os anos 50. Onde a família era valorizada e os filmes eram doces e focados na união dos lares.
Parece utópico nos dias de hoje mas fico achando lindo imaginar minha mãe naquele contexto. Vestinhos fofos, cabelinhos retos e muita coisa mais simplificada.
Sei lá...esse era o contexto que eu acho parecido com meu interior.
Mas esse é um segredo nosso, uma vez que no mundo real, longe desse blog, sou uma designer gráfica que facilmente pode ser confundida com "porra loka".
Ossos do ofício. Quem dera eu fosse desencanadíssima e porraloquérrima.
Ai estaria vivendo a atualidade, a minha década e me virando bem dentro dela.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2005

Conversas de Iris com ela mesma no Salão de Beleza:
(momento "loira" futil de ser)

Coisa né?
To bonitinha hoje
- Se olhando no espelho e esperando a unha do pé secar -
Acho q deveria tirar uma foto...tô com a mesma blusa de quando tinha 20 anos e estou bem...essa luz nao mostra a mancha da minha pele...hum....ralça as sardas...até que não são tão ruins assim...hum...como sou pintada...hummm...meu cabelo tá legal...preciso comprar uma digital para registrar esses momentos...
- Levanta e vai pagar saindo com as calças dobradas até o joelho. -
Ser babaca é uó...não tentem fazer isso em casa crianças!
Hum...calor insuportável esse.
Minha "quelida" amiga está extremamente triste e tenho vontade de socar o objeto de tristeza dela por ser tão pequeno, ignorante e impotente diante daquilo que sente por ela. Só lamento porque está perdendo uma pessoa que "ele" mesmo gosta muito por ser fraco e medroso. Odeio esse tipo de gente. Ainda se acha superior...alown pra voce ô looser!
No mais, tirando esse pequeno incidente está tudo tranquilo.
Tô correndo atrás de freelas como quem corre atrás de ouro. Lembrando sempre que freela pra mim é ouro!
Hum...hoje não me sai da cabeça duas musicas distintas: Dublê de corpo (total anos 80) e uma do Ira que meu ex cantou pra mim quando dormimos na casa da Paula, num churrasco que teve lá.
No mais, vou trabalhar.

terça-feira, 4 de janeiro de 2005

Acho que hoje seria um dia perfeito para ter minha mãe. Sei lá...acho que falo demais. Todo mundo fala isso desde que me conheço por gente...
Também é uma caracteristica minha. Mas acho q deveria arrumar uma avó de mentirinha, uma tia de mentirinha sei lá...pra poder falar dessas coisinhas bobas.
Ai morro de saudades de sampa onde as pessoas me olham e me sacam profundamente...mas será tão profundamente assim?
De repente não.
E de repente também ando fazendo tempestade em copinhos de café.
Mas fico pensando se eu tivesse minha avó Paula, por exemplo, por perto.
Acho que seria legal ouvir as histórias dela...da minha origem, da formação do meu bairro que muito foi contribuida pela família dela.
Ou falar com a D. Ines a respeito de seus amores, saber que ela passou por basicamente as mesmas coisas que eu e, no final tudo passa a ser secundário e obsoleto.
Ouvir do meu pai, de como se conheceram, como eu nasci e como sou parecida com ele ou ela. Eu não sei com quem sou parecida...
Fisicamente acho que pareço com ela, pelo que falam, mas e as manias? Será que eu as tenho? Ou será que se perderam no instante em que não mais pude crescer com eles.
Será que peguei manias dos meus tios e jeitinhos deles?
Ou será que sou um misto de características hereditárias de tudo que aprendi, de todas as pessoas que conheci, dos lugares que viajei, dos livros que li, músicas que ouvi...é estranho isso.
Deveria ter ido à psicologa hoje falar de mim...Mas não quero isso. Queria falar de mim para alguém que não precisasse pagar e que não me lembrasse que penso rápido demais, que sou inteligente demais, que sou diferente demais.
Ewan MacGregor é um puta tenor! Me lembra algumas pérolas da musica sacra e lírica...saudades da universidade. As vezes acho que deveria para de ser espírita, onde todos são distantes mas iria me irritar com as regras pouco lógicas da minha religião de educação.
Lá tinha, de alguma forma estranha, um calor que sinto falta.
Só do calor...mas não seria justo com eles e nem comigo me juntar a um credo que não professo.
Deveria ligar para minha irmã para tentar ser amiga dela...mas acho q isso não é possível.
Bah...que saco isso! Essa coisa de ser independente é meio sacal.
Tá...eu queria hoje estar no meio de meus amigos que cantam muito e que perdi de vista...sei lá...essa confusão toda me deixa perdida...tá loko...eu nasci para ser simples...no entanto, me vejo no meio de situações que não sei como agir.
Para muitos, normalíssimas...para mim...complexas equações...se bem que eu adoro resolver equações matemáticas...mas não essas.
Vou procurar músicas líricas para ouvir, lembrar que sou uma soprano bem extendida para o contralto...fazer de conta que vou cantar num casamento...sei lá...hoje tô com saudades de raizes minhas...sempre que surge alguma coisa que vai totalmente conta minha natureza primeira eu me assusto com tudo tão distorcido do que aprendi nos colégios, faculdade e vida em geral.
Ai quero os meus, minhas pessoas...todas elas...ainda que sejam apenas amigos distantes hoje.
Queria falar com a Pamela...Sei lá...
Pois é...Quando a vida da Íris está pacatíssima está pacatíssima. Quando aparece uma encrenquinha ai surge uma avalanche delas...Aimeudeus...
Vô te falar que coisa essa minha vida descoordenada...
Ó...me larguei no quisito "loves"...quero só ver como eu vou me virar essa semana...putz...mas deixa pra lá. Vou esperar um telefonemazinho básico...e ver o que rola.
Hum...Ontem fiz um tratamento de choque com Saritita...Só tosquice hehehe...entramos no skype e fizemos amigos em todos os cantos do mundo...A parte mais engraçada foi nosso contato com italianos...hahaha...deu pra rir horrores e colocar um pouco de grça na vida da minha amiga que tá muito confusa e triste...depois continuamos a maluquice no Bourbon...
Bem...acho as vezes que meu humor é diferente do humor gaucho...humor mais sarcástico...hehehe. A Cintia chama esse nosso humor de "inglês".
Acho que é um humor inteligente, de quem pensa rápido.
A Sara o tem e o amigo dela, LM, também...Hahahaha...esse fim de semana me senti na casa da Cintia. Foi ótimo.
Adoro gente que pensa rápido...hehehe...gente que perde o amigo mas não perde a piada...hahahaha.
Essa é uma das maiores provas de inteligência na minha opinião: raciocínio rápido e saída divertida para as ações coletivas...uó.
Tomara que encontre mais gaúchos com humor paulista por aqui...aiaiai...mas ainda aquele meu presente de Natal não me sai da cabeça...aiaiaiai

segunda-feira, 3 de janeiro de 2005

Mission Aborted: Minhas aulas na academia começam a partir do dia 10/01/2005
COMO EU VOU CONSEGUIR CUMPRIR MINHA SEGUNDA META DO ANO SE A ACADEMIA TÁ SEM FUNCIONAR??????????
mistérios...
Ai...definitivamente o ano começou e já to com preguiça de ter que ir a academia hj e preciso cancelar minha psicologa para amanhã...ou não?
Queria tirar mais férias dela. Pelo menos em algum aspecto da minha vida eu tenho que poder decidir quando tirar férias dele...é...acho que vou ligar lá agora...

...no telefone...

Ótimo...mais duas semanas de férias de psicoterapia...sentirei saudades...mas é bom para meu bolso também.
No mais tudo tranquilo, to ouvindo Pj. Harvey e Pink Martini...bacanas...bem bacanas.

Agora só me resta encarar o restaurante lá embaixo e meu querido trabalho, sempre morrendo de inveja de quem tá de ferias...

Meu chefe me chama...
Fui.

domingo, 2 de janeiro de 2005

Íris também é processo criativo culinário.
Bon apetit

Arroz de Notas Musicais
By Íris Ferrera

300g de arroz
1 xicara de café de azeitonas verdes sem caroço
1 xícara de café de cheiro verde
2 dentes de alho gordinhos
1 cebola pequena
1 lata de milho verde
1 xíxara de presunto light
1 xícara de queijo muzzarela
duas pitadonas de alecrim
uma pitada de sal
2 pacotinhos de sazon "vermelho"
2 colheres de maionese

Modo de Preparo

Colocar o alho e o milho verde refogando até o alho ficar molengóide.
Depois colocar a azeitona, a cebola e o cheiro verde e Cozinhar tudo tb até ficar molengóide.
Colocar a maionese e o presunto e a muzzarea e, por fim, colocar o alecrim.
Deixe cozinhar os ingredientes e quando estiverem com cara de gostoso e voce pensar "acho q vou comer isso sem arroz", rapidamente coloque o arroz e cubra com agua fria.
Em fogo baixo deixe cozinhar e vá tomar um banho frio.
Quando o arroz estiver "ao dente", aumente o fogo e vá conversar com teus amigos na net e depois saia correndo até o fogão e desligue pois está pronto.

Recomendo comer tomando um vinho branco seco...
Dia "insuportavelmente" ensolarado e com um aspecto simpático até...limpei a casa porque a devastação e o Napoleão e sua cavalaria, juntamente com o exército de espectros do Tolkien havai passado pela "sala de festas" na virada do ano.
Resta apenas um monte de louças para lavar que, talvez após muita meditação eu consiga movimenta-las debaixo da água.
Confesso que, neste segundo dia do ano, a minha principal resolução que é, "digitar corretamente", está me ocupando um lado do cérebro que eu a muito acho q não usava.
Mas, tô melhorando. Quero deixar claro para meus leitores que, quando falo, ou melhor escrevo "corretamente" não estou falando em escrever palavras completas tipo...n=não, mas sim "não" ao invéz de "nao"...saca? "normal", ao invéz de "normla".
Complicado porque digito muito rápido mas há limites para tudo nessa vida, principalmente para uma garota que se diz professora de redação...definitivamente, há limites.
Sinto isso como um processo re-educativo e chato...mas chego lá.
Acho q vou assistir rock e gol, e pensar melhor sobre a constatação bélica que, meu lado mãe Dinah (que deu certo) está prevendo...e Íris começa o ano arrumando rolo para a cabeça...hahahaha...super do bem, diria mais.
E como eu mesma, num surto de loucura e desapego, disse para mim mesma: Sabendo do que se aproxima e tendo "noção" do tamanho da encrenca, se resolver pega-la para si, o que eu duvido porque Íris se tornou folgada demais para criar e educar encrencas...hehehe, bom...mas já sabendo das possibilidades, a "encrenca" certamente será melhor monitorada...
Bom...acho que era isso com um adendo: Quero deixar registrado q essa semana irei, com exceção de quarta-feira (eu acho) a academia todos os dias.
Vamos começar de uma vez esse programa de condicionamento que eu adio a 4 meses...uó
Fui e voltarei em breve com descrições detalhadas da minha nova arte...hihihihi...digo, encrenca...;)
E ano se inicia novamente...sucessão incansável de ir e vir.
Meu ano começa na medida: frio, distante, promissor e corrompido.
Sabe...dia a dia vejo o amor de uma forma distante da minha realidade. Sempre a um passo de ser alcançado, mas furtivo como pequeno animal selvagem.
Assisti Moulin Rouge...deveria ter assistido antes. Como musical é um excelente filme. Sinto falta de musicais, sinto falta de música e de cantar. Como sinto falta de pegar uma musica lírica qualquer e cantá-la.
Esse post pode parecer alguma coisa semelhante a um cansaço, um desanimo. Mas na verdade não é.
Existem renascimentos que se fazem de mortes, e mortes que inspiram vidas embora doam e precisem ser presenciadas.
Confuso? Extremamente.
Esse post é para a Iris daqui de dentro que desistiu de esperar o seu tempo de amar. Para que ela, só ela entenda a grandiosidade disso tudo e mais: Nada do que viveu ainda hoje, se compara com um futuro daqui duas, tres horas...Ninguém ainda realmente significativo entrou em sua vida de forma a mudar conceitos, dar frios na barriga e tirá-la para dançar aquela música tão preciosa.
Os tempos são extremos.
E há necessidade de sacrificios indecifráveis e muitas vezes mortais.
Picos, nada de superficial. Tudo profundo e real.
A clareza te ofusca a visão? Mas desembaça a alma. Libera o sol e o ar puro.
Valeu a pena de alguma forma redentora tudo o que poderia ter sido e não é.
Isso passa, como tantas coisas realmente complicadas ja passaram.
As vezes é necessário jogar muitas coisas fora do armário, para colocar outras novas.
E sempre que fazemos essas limpezas, invariavelmente temos que tocar em cada velharia para jogá-las da nossa vida.
Elas não partem sozinhas. Temos que retira-las.
É tarde e o ano principia com boas promessas. Esse não é um post triste. É um post final, de quem busca o feliz.