segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Coisas que eu diria hoje para você

Coisas que eu diria hoje para você

1) As vezes sou muito "imatura" para certas nuances de relacionamentos. Fico vendo uma série de pessoas se separando depois de zilhoes de anos juntos e todas são religiosamente padronizadas em suas válvulas de escape: engata um outro relacionamento, platônico ou não, antes mesmo de a separação ser consumada.

Ai eu fico vendo o mesmo filme, da minha janela calmamente irritante, sem poder fazer nada pois todos estão em seus tempos e fazendo seus melhores por si próprios (e talvez eu venha a fazer a mesma coisa dia desses e nem vou me dar conta) e trocando com certa frequência os pés pelas mãos.

Isto de certa forma me traumatiza no que diz respeito a humanidade. Somos tão grande e tão pequenos e tão perdidos em nós mesmos...

Queria respostas satisfatórias para o caso de viver.

----------------------------------------------------------------------------

2) Se as pessoas trabalhassem mais e não se importassem em ser ícones em suas áreas o mundo seria melhor, mais integro e consequentemente mais produtivo. Como se fizesse alguma diferença ficar mostrando sabedorias dentro de seus skills, através de mídias sociais da vida. 

O tempo que levam para postar as vezes é infinitamente maior do que levaram para absorver o conteúdo. Ai que vem novamente a pensar no trauma no que diz respeito a humanidade. 

Por quê precisamos (incluindo eu mesma nesse montante), em alguns momentos, parecer tanto como pessoas que sequer temos uma partícula de semelhança, 

Queria mesmo ir para Zimbábue ou Madagascar estudar os baobás. Eles sim sabem das coisas.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Outubro...


Crise caracteriza-se por um período raro e incomum, em dado tempo e espaço específico, fora de determinado padrão estabelecido. É de intensidade quase incontrolável, geradora de instabilidade e desorganização de determinada ordem vigente, em sua parte ou todo, servindo como um rompimento de dada estrutura social, que exige ação ou atitude emergencial, através de tomada de decisão, pois parte ou um todo passa a ser impedido de forma parcial ou completa de atuar da maneira padrão.

Tal situação pode se agravar ou abrandar, conforme ações tomadas a posteriori, sendo esse momento um teste de resistência de determinada estrutura. Podemos identificar dois tipos de causas: as práticas (causadas pelo não uso de dado conhecimento existente na sociedade) ou teóricas (quando não há conhecimento e a causa é desconhecida), sendo esta última com paradigmas já desenvolvidos ou não desenvolvidos pela sociedade. E, por fim, podemos, a partir de sua abrangência, defini-la como crise local ou global.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012


Falando com minha irmã...

Mêoooo...respondendo sua msg por celulá...Não lembro da vó falando "curri"...divertido isso! 


Mas dos maloqueiros cheiradores de cola eu lembro sim e não acho q o mundo piorou não... ele involuiu. Trocamos as prioridades...acho q continua a mesma coisa podre, mas naquela época o país tava recém saindo da ditadura que deixava tudo muito velado, vicios, podreiras e talz. Mas as "dorgas" existiam e eram consumidas da mesma forma talvez pela falta de acesso, fossem prazeres de uma classe mais economicamente ativa.


Acho que o que muda é que hj temos acesso a informações e vemos o mundo como ele é. De um lado, nos chocamos com a podrera e outros, chocados com sua situação social ou mesmo humana, tem acesso às informações de que "dorgas" te ajudam a esquecer a vida e talz...e se jogam. Pode ser que tenha aumentado os acessos a essas porcariadas de certa forma pelos anuncios constantes das mídias...e ai tem os quimicos que inventam cada vez mais possibilidades de drogadição para ganhar dinheiros, fazendo drogas mais acessíveis (a cola de ontem deve ser o crack de hj) e assim vai.


É meio doido isso pq se vc for analisar (iris nerd empolgada) Nós evoluimos em tecnologia e involuimos enquanto seres humanos. A geração que hoje está no poder, que era a galera jovem na ditadura, cria muitas coisas mas ainda tá hiper oprimida. Acho que a nossa geração, quando começar a mandar no mundo, será mais consciente e menos "traumatizada" socialmente falando.


Acho que a gente tá num processo. Tem um amigo meu q é economista e professor na UFRGS que falava uma coisa que não me dava conta: a gente tem mania de ver as coisas superficialmente pela ótica da TV.


Ai eu lembro...todas as mudanças realmente importantes na historia da humanindade (e partindo para um universo menor, na nossa própria vida) se dão após uma grande tragédia em grandes escalas.


Até aquela parada do diluvio foi mó beneficio para a humanidade e se originou depois de uma desgracera total...


Enfim...não to falando que vamos morrê pq já evoluimos dessa necessidade de extinção mas acho q vamos acordar. Nossos filhos, o Minhoquinha e seus colegos é q vão dar o start bacana para toda a humanidade. Hj eles crescem num ambiente que preza ecologia e aprendem desde pequenos a importancia das arvores, aprendem varios idiomas, aprendem a viver com a diferença e com as separações (homosexuais e separação nos casamentos), então são criaturinhas que tem tudo para dar uma mudada bacana.


Seilá sabe...acho q agora, olhando direitinho e pensando historicamente a gente pode dar certo.


Buenas...cabô meu momento ativista e encerro com a frase: DÁ EXEMPLO PRO MINHOCA E NAO JOGA LIXO NAS RUAS!!!


Bjocas

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Sonhei um sonho bem legal essa noite. Daqueles que são tão vívidos e trazem tantas espectativas que provocam mudanças no dia todo.

Sonhei que combinava com uns amigos (uns conheço, outros não) uma peregrinação. Não consigo precisar para onde iríamos e nem quanto tempo demoraria todo o percurso mas me lembro da sensação, dos preparativos, da organização dos horários e dos planos de viagem.

Infelizmente o véu do dia cobriu alguns aspectos do sonho que serão enviados para meu cotidiano agitado e vazio, em formatos que não conseguirei enxergar que vieram deste sonho...mas o mais legal foi a peregrinação, o caminhar um caminho por algum ponto e ver, ouvir e sentir coisas que preciso e estão além dos meus dias urbanóides...

Ai me lembrei da minha primeira, grande e transformadora peregrinação e resolvi escreve-la para que os dias que nebulam a memória, não vençam estas lembranças...

Eu não sei se você já peregrinou por ai... Eu sei que eu fiquei alguns meses andando em terrenos estranhos, distantes e mágicos que me remodelou. E o que sei disto tudo é que as coisas aconteceram num limiar. Quando eu estava no limite de algumas coisas que hoje chamo de "coisas sem importancia que dava importancia demais" e neste quase afogar de emoções eu sai.

Fechei as portas do meu lado profissional vendendo minha parte numa sociedade que poderia ser muito promissora, guardei o dinheiro para exatos 10 meses, me amarrei a um pouco de realidade atendendo a demanda de mkt de internet de uma amiga e fui transportada para o México onde aprendi acerca de xamanismo tolteca, disciplina e acima de tudo, energias.

A primeira coisa que fiz quando comecei a ter contato com esta cultura tão antiga foi achar estranho, metodico e um pouco louco, mas a medida que os dias passavam, e talvez meu corpos se desintoxicasse de mazelas sem sentido do dia a dia, eu comecei a absorver as boas energias dos canions, dos mestres antigos e principalmente do encontro de mim comigo mesma.

Talvez o primeiro mês tenha sido de sustos e acostumares mas o segundo eu me vi bem solitária. A disciplina xamanica te faz refletir sozinha e isto foi o que eu fiz: refleti.

Nessa reflexão algumas coisas despertaram, alguns acontecimentos antigos vieram a tona e fui orientada sobre eles e a relação com as energias. Somos inteiros quando somos energeticamente inteiros e cada relacionamento que temos ao longo da nossa vida, seja ele em que nível de intimidade for, levam e deixam energias e por isso, precisamos resgata-las. E eu fiz uma longa lista destes acontecimentos e comecei a fazer todos os dias exercicios de resgate dessas energias.

A medida que ia resgatando as energias e devolvendo aquelas que não eram minhas fui crescendo e me fortalecendo.

Talvez isto tenha demorado uns 2 ou 3 meses, não me lembro exatamente. Ao final minhas meditações e jornadas eram ricas e verdadeiras e todos os aspectos doentes e cansados que existiam em mim se foram. Criei coragem para ir a novos mundo e conhecer novos seres. Aprendi sobre os tipos de xamãs toltecas e descobri ser uma sonhadora que espreita. Muito espreitadora.

Nestes momentos conheci ervas de poder, vi de perto a disciplina e o perigo de transitar por entre mundos e aprendi a respeitar aquilo que desconheço.

Mas de alguma forma não era o México que terminaria a minha formação e nem seus poderosos xamãs. Há uma força latente e intermitente que paira sob todas as casas de brujos e eu pude ser envolvida de forma muito acolhedora por elas mas não eram as minhas forças. Mas foram elas que me levaram para onde eu precisava terminar meu primeiro treinamento: os antigos mundos celtas.

Novamente me vi em treinamento porém mais fortalecida, inteira e pronta. É muito interessante que estes "novos caminhos" nos transformam em ambitos que jamais sonharia em entrar se não tivesse saido da zona de conforto dos dias conhecidos para peregrinar.

A minha própria descendencia espanhola/portuguesa me faz crer que tenho sangue antigo, forte e Celta correndo nas veias e foi nesse caminho fui terminar a jornada.

Quando encontrei os xamãs celtistas, entrei em contato com historias que se pareciam muito comigo, com deuses que falavam de mim e com forças que podia, de alguma forma, controlar pois eram minhas.

A Espanha foi um caminho que me voltou ás raizes antigas e mágicas que existem dentro de mim e o que foi despertado nesta jornada, nunca mais irá dormir.

Nesta jornada aprendi sobre a energia feminia, sua importancia e como ela pode ser usada. A manipulação das energias, o conhecimento das forças da natureza, dos seres que não vemos e dos ancestrais, terminaram por formar alguma coisa dentro de mim que me traria para este caminho de forma definitiva.

Aprendi a ser uma mulher inteira, uma virgem, uma bruxa e acima de tudo aprendi a honrar a sabedoria antiga que me foi passada.

Foi algo muito parecido com uma graduação que, ao final do 10º mês esta nova eu voltou ao mundo novo, de uma forma muito mais plena. O reflexo desta mudança se deu em vário aspectos e inclusive no meu novo posicionamento profissional.

Fazem 4 anos desta jornada incrível que me fez aprender a ser eu mesma e hoje, ao sonhar com uma peregrinação me deu uma saudade sagrada deste tempo.

Tudo se transforma quando a gente busca a mudança. Eu agradeço aos deuses das mudanças, aos ventos que me guiam e a vida que é eterna, por poder caminhar sempre...ainda que o caminho seja trilhado muitas vezes em meio a névoas e obstaculos. É assim que tem que ser, para ser o que realmente é.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Ficar 2 semanas de molho por conta de uns pneumococos instalados temporariamente no meu pulmão me fez refletir muito...mas muito mesmo.

Chego a ousar dizer que mudei bastante...e voltei a meditar com assiduidade dei uma "diminuida" no volume de informações processáveis dentro da caixola...

Algumas novas coisas importantes que farei, resultado dos meus pensares:
  • Ir para Malta estudar ingles e filosofias místicas
  • Almoçar em casa 4 dias por semana assistindo Bob Esponja e afofando as pimpins
  • Gastar menos com bobagens alucinadas
  • Decorar a casa usando mais criatividade do que dinheiros
  • Refletir muito seriamente em fazer cirurgia do estomago
  • Sentar na varanda e ficar olhando a lua cheia
  • Maneirar no ar condicionado
E viva nos novos ciclos!