sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Sonhei um sonho bem legal essa noite. Daqueles que são tão vívidos e trazem tantas espectativas que provocam mudanças no dia todo.

Sonhei que combinava com uns amigos (uns conheço, outros não) uma peregrinação. Não consigo precisar para onde iríamos e nem quanto tempo demoraria todo o percurso mas me lembro da sensação, dos preparativos, da organização dos horários e dos planos de viagem.

Infelizmente o véu do dia cobriu alguns aspectos do sonho que serão enviados para meu cotidiano agitado e vazio, em formatos que não conseguirei enxergar que vieram deste sonho...mas o mais legal foi a peregrinação, o caminhar um caminho por algum ponto e ver, ouvir e sentir coisas que preciso e estão além dos meus dias urbanóides...

Ai me lembrei da minha primeira, grande e transformadora peregrinação e resolvi escreve-la para que os dias que nebulam a memória, não vençam estas lembranças...

Eu não sei se você já peregrinou por ai... Eu sei que eu fiquei alguns meses andando em terrenos estranhos, distantes e mágicos que me remodelou. E o que sei disto tudo é que as coisas aconteceram num limiar. Quando eu estava no limite de algumas coisas que hoje chamo de "coisas sem importancia que dava importancia demais" e neste quase afogar de emoções eu sai.

Fechei as portas do meu lado profissional vendendo minha parte numa sociedade que poderia ser muito promissora, guardei o dinheiro para exatos 10 meses, me amarrei a um pouco de realidade atendendo a demanda de mkt de internet de uma amiga e fui transportada para o México onde aprendi acerca de xamanismo tolteca, disciplina e acima de tudo, energias.

A primeira coisa que fiz quando comecei a ter contato com esta cultura tão antiga foi achar estranho, metodico e um pouco louco, mas a medida que os dias passavam, e talvez meu corpos se desintoxicasse de mazelas sem sentido do dia a dia, eu comecei a absorver as boas energias dos canions, dos mestres antigos e principalmente do encontro de mim comigo mesma.

Talvez o primeiro mês tenha sido de sustos e acostumares mas o segundo eu me vi bem solitária. A disciplina xamanica te faz refletir sozinha e isto foi o que eu fiz: refleti.

Nessa reflexão algumas coisas despertaram, alguns acontecimentos antigos vieram a tona e fui orientada sobre eles e a relação com as energias. Somos inteiros quando somos energeticamente inteiros e cada relacionamento que temos ao longo da nossa vida, seja ele em que nível de intimidade for, levam e deixam energias e por isso, precisamos resgata-las. E eu fiz uma longa lista destes acontecimentos e comecei a fazer todos os dias exercicios de resgate dessas energias.

A medida que ia resgatando as energias e devolvendo aquelas que não eram minhas fui crescendo e me fortalecendo.

Talvez isto tenha demorado uns 2 ou 3 meses, não me lembro exatamente. Ao final minhas meditações e jornadas eram ricas e verdadeiras e todos os aspectos doentes e cansados que existiam em mim se foram. Criei coragem para ir a novos mundo e conhecer novos seres. Aprendi sobre os tipos de xamãs toltecas e descobri ser uma sonhadora que espreita. Muito espreitadora.

Nestes momentos conheci ervas de poder, vi de perto a disciplina e o perigo de transitar por entre mundos e aprendi a respeitar aquilo que desconheço.

Mas de alguma forma não era o México que terminaria a minha formação e nem seus poderosos xamãs. Há uma força latente e intermitente que paira sob todas as casas de brujos e eu pude ser envolvida de forma muito acolhedora por elas mas não eram as minhas forças. Mas foram elas que me levaram para onde eu precisava terminar meu primeiro treinamento: os antigos mundos celtas.

Novamente me vi em treinamento porém mais fortalecida, inteira e pronta. É muito interessante que estes "novos caminhos" nos transformam em ambitos que jamais sonharia em entrar se não tivesse saido da zona de conforto dos dias conhecidos para peregrinar.

A minha própria descendencia espanhola/portuguesa me faz crer que tenho sangue antigo, forte e Celta correndo nas veias e foi nesse caminho fui terminar a jornada.

Quando encontrei os xamãs celtistas, entrei em contato com historias que se pareciam muito comigo, com deuses que falavam de mim e com forças que podia, de alguma forma, controlar pois eram minhas.

A Espanha foi um caminho que me voltou ás raizes antigas e mágicas que existem dentro de mim e o que foi despertado nesta jornada, nunca mais irá dormir.

Nesta jornada aprendi sobre a energia feminia, sua importancia e como ela pode ser usada. A manipulação das energias, o conhecimento das forças da natureza, dos seres que não vemos e dos ancestrais, terminaram por formar alguma coisa dentro de mim que me traria para este caminho de forma definitiva.

Aprendi a ser uma mulher inteira, uma virgem, uma bruxa e acima de tudo aprendi a honrar a sabedoria antiga que me foi passada.

Foi algo muito parecido com uma graduação que, ao final do 10º mês esta nova eu voltou ao mundo novo, de uma forma muito mais plena. O reflexo desta mudança se deu em vário aspectos e inclusive no meu novo posicionamento profissional.

Fazem 4 anos desta jornada incrível que me fez aprender a ser eu mesma e hoje, ao sonhar com uma peregrinação me deu uma saudade sagrada deste tempo.

Tudo se transforma quando a gente busca a mudança. Eu agradeço aos deuses das mudanças, aos ventos que me guiam e a vida que é eterna, por poder caminhar sempre...ainda que o caminho seja trilhado muitas vezes em meio a névoas e obstaculos. É assim que tem que ser, para ser o que realmente é.

Postagens relacionadas

4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Por favor inscreva-se para receber as ultimas postagens no e-mail.