segunda-feira, 30 de maio de 2005

Bom...sem metas e objetivo o ser humano não caminha...então...já tenho novas metas para esse semestre e o próximo:
* Kenjutsu
* Faculdade de Sistemas de Informação (essa vai ser hard core...pq não tem muito a ver com minhas habilidades comuns...vou gastar os neurônios que eu não gastei na outra)

E venham as horas...;)

domingo, 29 de maio de 2005



Hoje eu acordei incrivelmente cheia de vontade de trocar.
Trocar carinho, afeto, novidades enfim, tudo aquilo que participa numa boa intenção de relacionar-se, seja em que nível for.
Por que percebi, na real, que boa parte do nosso dia dia a gente passa num receber incessante e nada dá.
Quando dá, é visando lucros posteriores...
Como somos egoístas. Mas também,até esse egoísmo é facil de entender pois estamos tão cheios de problemas o tempo inteiro que quando aparece um ser que nos mostra discretas impressoes de serenidade...lá vamos nós descarregando nele nossos medos, angustias, aflições e sonhos.
Só temo o tipo de relacionamento doente que isso pode trazer. Pois na verdade a troca é fundamental para "basear" a intimidade.
Sei lá...acho que não tenho propriedade suficiente para abordar a esse respeito...também sou assim. Mas acho que, to conseguindo enxergar o mal disso tudo...quem sabe haja jeito ainda.
Mas, confesso que para "ver" essa realidade precisei senti-la, toca-la e , nesse toque, me ferir. Para que a cicatriz me mostrasse o real sentido da necessidade de troca.
Sei lá...a partir de agora vou dar mais importancia a essa necessidade para melhorar o nível dos meus relacionamentos.

Sabado que vem vou com o Xandi fazer uma aula de kenjutsu...to empolgadissima! Vou virar samurai...lalalalala...

sexta-feira, 27 de maio de 2005

Então...depois de um feriado com dor de cabeça e cheio de sopas estou melhor.
Acho que a partir de agora vou buscar novas prioridades na minha vida, agradecer a Alah, Clemente e misericordioso, pela minha vida básica e funcional.
No mais, hoje de manhã fui acordada à real pelas minhas bochechas cor de rosa, perguntando a respeito do kenjutsu, arte marcial que amo e quero urgentemente começar a praticar. Acho que no próximo sábado vamos lá ver qualé. Fico empolgadíssima de imaginar eu aprendendo a arte da espada!
Vou pô aqui a história do Kenjutsu p vcs conhecerem...hum... desabafei a respeito do que me aflige para um amigo. Contei a versão mais real e, de certa forma, cruel. Me sinto melhor. Ainda com uma boa sensação de "idiotia". Mas falei oq não calava. Que bom.

Lá vai o Kenjutsu:

Japão, era Feudal, os Samurais dominavam uma pequena região insular ao extremo oriente. Na luta por terras e poder, dentro dos limites de seus castelos, os guerreiros treinavam as artes da guerra, buscando a conquista da honra de seus nomes e dos diversos clãs aos quais pertenciam.

Cada feudo possuía seu próprio estilo de manejar armas: como a lança, a alabarda, o bastão e principalmente a espada, arma tida como a “Alma do Samurai”.

Dados históricos chegam a mencionar 200 estilos diferentes de se manejar a espada, a essa arte se dava o nome de "Kenjutsu"; a “Arte da Espada”.
O termo "Kenjutsu" aparece pela primeira vez em 1.281 d.C., após as tentativas dos Mongóis em invadir o Japão. Nessa época, os Samurais começaram a aprimorar as técnicas da espada, levando seu desenvolvimento, a um nível nunca alcançada por nenhuma outra cultura na história da humanidade.

O Kenjutsu atingiu seu apogeu durante o período Edo, ironicamente foi nesse período de 200 anos de paz, que as artes da guerra floresceram. Mas do que simples técnicas de combate, o Kenjutsu se tornou um caminho de elevação espiritual, que permanece até os dias atuais, fruto das influências Zen e Confucionistas.

Foi no final do século XIX que o Imperador Meiji restabeleceu seu poder imperial, abolindo assim a nobre classe dos Samurais. Mas para preservar as tradições, o Kenjutsu é simplificado, sendo assim, nasce o Kendo.

O chamado "Kendo Moderno" surgiu após a 2ª Guerra Mundial. Com a derrota do Japão, uma das imposições dos E.U.A foi proibir à prática dos estilos tradicionais de Kobudo. Esta medida visava enfraquecer o espírito nacionalista dos japoneses. Após 7 anos de proibição, um comitê para a re-elaboração do Kendo fora formado.

A arte do Kendo deveria seguir os moldes dos esportes modernos, como: o basquete, o basebol ou o futebol. Após 3 anos fora elaborado o Kendo Moderno. Uma espécie de esgrima, em que se usavam as duas mãos, fora apresentada ao governo da ocupação.

Mesmo com tamanhas proibições, os mais importantes estilos tradicionais de Kenjutsu sobreviveram, graças aos esforços dos Mestres, que fizeram de sua vida uma luta para preservar o verdadeiro espírito do Budo japonês.

O Sensei Jorge Kishikawa, após décadas de pesquisa e treinos, é autorizado diretamente pelos Mestres, dos mais importantes estilos de esgrima japonesa (ryuha), a ensinar a arte do Kenjutsu. Entre outros, o Niten Ichi Ryu, de Miyamoto Musashi, Suio Ryu, imortalizado pelo “Mangá Lobo Solitário” e o “Shinto Ryu”.

O conhecimento do Sensei está compilado em um Sen Ki Sho (Sen = guerra, Ki = energia, Sho = escrito). São conhecimentos adquiridos em mais de 3 décadas de treino, que resultaram em uma brilhante carreira esportiva, conquistando o recorde de mais de 80 vitórias consecutivas em torneios brasileiros de Kendo.

A espada usada em combate é feita de bambu, sendo a mesma usada no Kendo (shinai), porém, os movimentos e a versatilidade do combate, conferem ao Kenjutsu todos os golpes possíveis e imagináveis, fazendo com que o praticante sinta o estilo único e emocionante dessa arte impar.

Viu porque acho isso tudo o máximo e quero virar samurai?
Por isso.
Bom dia!

segunda-feira, 23 de maio de 2005

Tô ouvindo um daqueles sons que escuto quando fico pra dentro.
Esse fim de semana foi extremamente profundo psicologicamente falando.
Me senti diversar vezes ridícula. E, de certa forma aconchegada.
Legal minha tia ter vindo para cá. Foi bacana nossos passeios. Essa coisa de familia é, de certa forma, muito legal. COnversamos muito e temos muito em comum. Ela falou da minha mãe. Engraçado se dar conta de que ela é irmã da minha mãe...e que minha mãe morreu pra ela também...coisas malucas...minha cabeça tá lelé.
Sábado foi chato. Tive uma conversa necessária com um cidadão aí e tudo aquilo que eu achava que era não é. É complicado...essa coisa de relacionamentos é fogo. Gostar de alguém é muito complicado, principalmente quando esse alguém é gaucho e extremamente complexo.
Sei lá...não quero me preocupar com isso não. Quero ficar quietinha no meu cantinho.
Tem muita coisa precisando se organizar dentro da minha cabeça. Não quero chorar por ninguém sem motivo. Porque na real, quando se trata de amor sou muito assustada. E nessa instintiva mania de me preservar acabo detonando boas possibilidades...mas não quero pressionar nada não. Tô na minha...mas ando cansada...acho realmente q preciso de férias, ver tv, comer comida natural, dormir bastante e ficar quietinha em casa. Quem sabe volta a vontade de sair e me sociabilizar...sei lá...sei lá mesmo.
Dia dia dia dia...vou ficar confusa e entrar em sincope...tive dois finais de semana familia depois de 4 anos sem saber oq era isso....bom...bem bom...vou pra salvador...eba!

terça-feira, 17 de maio de 2005

Não tô mais com vontade de escrever aqui. Ando sem paciência, desgostando de furtivas visitas de pessoas que não percebem que não fazem parte da minha vida e por isso, não precisam saber se estou bem ou mal...e levemente com TPM

...acho que esse deve ser o maior motivo da falta de vontade de escrever aqui...

Fui, esse final de semana ver minha irmã e tia. Ambas morenas e altas e isso deixa nítida a minha diferença física também com elas.
É legal, de certa forma, mórbido, saber que a minha irmã sabe tanto da minha mãe quanto eu. E que minha tia também nada sabe, em termos significativos, a respeito dela também.

Só está afirmado novamente, que não pareço, em gênio com ela, minha mãe, e nem com meu pai. E minha irmã parece com minha tia e minha mãe (fisicamente).

Me afastei demais deles durante esse tempo e me sinto estranha ali. Uma típica visita mesmo...Não me sinto "excluída", poia acho q não quero ser como eles mesmo...mas não deixa de ser estranho não saber de nada do que falam, não ter papos em comum e recordar apenas lembranças amareladas pelo tempo.

Isso é bacana de certa forma porque não odeio ninguém, não tenho ciúmes de ninguém e não invejo ninguém.
Só me choca a condição solitária que me permiti atingir. E que já sabia que teria essas consequências.

Ver minha irmã ser mimada e paparicada pela minha tia me deixa, de certa forma feliz por ela não estar sozinha, e espantada com a minha fria reação a respeito disso tudo.

Acho que meus dias de análise a respeito do mesmo me fizeram realmente deletá-los como família, no sentido de unidade. Amo saber que não os odeio e até é bom estar com eles porque me lembra épocas da minha vida que me remetem a mim mesma, como as exatas tiradas da familia, cuja herança tb tenho, a inteligência sensibilizada daquelas mulheres que eu espero sinceramente ter também e o engraçado e atrapalhado jeito de se dirigir a vida meu e da minha irmã: Idênticos. Dentro de suas devidas particularidades.

Ainda hoje, depois de quase 5 anos de distância, percebe-se nitidamente que somos irmãs quando falamos e gesticulamos. Legal isso. É muito importante sentir que temos origens.

Ainda que meu coração não queira laços pois demorou bastante para ele se curar e, definitivamente, não quero mágoas...ainda que infundadas.
Sabe...disso tudo ficaram claras algumas coisas. Quando vi aquelas duas criaturas significativas na minha vida me deu um alívio danado.

Alívio de ver que a vida segue seu rumo inóspito e brando, e que, de certa forma, tudo fica bem. Elas estão bem, vivendo suas realidades cruzadas e fiquei feliz. Estranho dizer isso...mas fiquei feliz por não fazer parte daquilo. Por ser a parte.

O que, quando eu era adolescente me irritaria com certeza, hoje me aliviou.
Acho que é porque realmente aceitei papeis meus e de outros e assim a coisa fica bem.

Bacana a alegria, a risada sincera que saiu de dentro de mim mas sem pretenção de querer fazer parte deles, de suas realidades...com exceção do Ju meu primo lindo que, incondicionalmente amo muito (meu irmão).

Sei lá...me assusta isso tudo porque, quando falava com minha psicóloga e ia concluindo tudo isso que vivi não acreditei realmente que poderia ser assim mesmo.
Mas foi. E isso é bom. Por que na real não adianta querer aquilo que não encaixa na nossa gaveta de viver diário. Minha família não me encaixa e eu não a encaixo em mim. E isso me deixa, de certa forma em paz.

Não vou ter mimos, na real, acho que se tivesse desconfiaria da sinceridade dos mesmos pois nunca os tive; Não ajudas em partos e talz e nem pequenas discussões domésticas.

Deles não terei nada. Mas ainda sim não me sinto nem só, nem má e muito menos ovelha estranha do rebanho.

...muito embora minha aparência tenha sido a única coisa incomoda nesse fim de semana, não por beleza mas por ascendências mesmo...

Sei lá...Minha tia vem a minha casa esse fim de semana e vai ser agradável com certeza. Fico feliz comigo porque superei, de certa forma, a falta familiar que eu senti durante meus dias de guerra. E hoje, quando a calmaria já é uma realidade e eu sigo meus dias, não sinto falta.

Isso me deixa bem tranquila comigo mesmo.
Sei que as consequencias desse isolamento virão de forma psicológica e de repente não muito bacanas num futuro.

Mas vou pedir para o Papai do Céu me ajudar a não ficar menina feia. Alias...esse Carinha ai que fica no "monitoramente" da gente ajuda a beça.
Vô lá...ja escrevi demais.
Bjoca

sábado, 7 de maio de 2005

Dizem que se mudar na chuva dá sorte...eua cho mesmo é que dá mofo...mas, seja lá o que for, será muito bom!
Bom dia de mudança de micromundo em chuva!

segunda-feira, 2 de maio de 2005

Esse final de semana foi excelente...embora toda a "excelência" da data, tenha se dado por um acontecimento muito por mim evitado, porque sabia, de alguma forma, que isso poderia ser docemente perigoso...pra variar é a mesma pessoa de sempre, com seu já conhecido súbito aparecimento.
Magico, pleno...inesperadamente bacana.
Agora já não sei o que pensar.
Mas vou ficar quieta pois tenho a impressão de que o "tudo de bom" do encontro foi só pra mim. Ele não deve ter essa mesma opinião...embora eu quisesse estar equivocada...tomara q esteja e ele se ligue do que sente por mim...sei lá...confusões...