quinta-feira, 9 de março de 2006

Uma música e uma foto hoje...

Mais um ano que se passa, mais um ano sem você. Já não tenho a mesma idade, envelheço na cidadea vida é jogo rápido para mim ou prá você.

Mais um ano que se passa e eu não sei o que fazer!Juventude me abraça,e um ano pra esquecer, um feliz aniversário para mim ou prá você...

Feliz aniversário - envelheço na cidade

Meus amigos minha rua, as garotas da minha rua, não os sinto, não os tenho... mais um ano sem você!

As garotas desfilando, os rapazes a beber. Já não tenho a mesma idade, não pertenço a ninguém.


Ando ouvindo as rádios de São Paulo ultimamente...as músicas que tocam nos dials da minha terra tem um "quê" de personificação de todos os meus humores. Sim, sinto muita falta da minha terra cinza, oca e cheia de oportunidades.

Mas é engraçado que hoje percebo a distância que ela tem da minha realidade cotidiana. Ela se encaixa perfeitamente em visitas e férias na caótica metrópole mas uma vida lá creio não ter mais.

Há tanto a ser desvendado aqui ainda, tantos mitos a cairem e tantos sonhos a se realizar que acabei me acomodando a essa intensa gama de novidades que hão de vir. Tenho medo dessa maré de tranquilidade caótica, dessa estranha calma dentro do olho do furacão. Na verdade o medo maior é me acostumar mal e folgar, deixar o "alerta" de lado e perder a força.

Perdi meu amor relativo e aparentemente único. Não que eu já não tivesse essa certeza, mas o dia a dia me mostrou realmente que ilusões são bolhas finas de sabão ao céu, num pequeno minuto o belo se desfaz e a paisagem segue como se nada tivesse acontecido.

Começo a pensar se foi o fato de desistir da volta à capital, que o deixa idealizadamente distante dos meus olhos mais comuns ou o fato de que nada daquilo que pensava sentir era maior que ilusões infantis dentro de uma mulher. Somos amigos, talvez, num futuro próximo sócios...isso me soa frio. Mas não tenho bases para acreditar que isso é mais que "arquétipo".

Não entendo. Amanhã terei outros amores verdadeiros que se dissolverão como bolhinhas de sabão? Tenho medo de crescer. Não consigo medir as possibilidades irreversíveis da realidade...sei lá...vou viver meu caminho atrapalhadamente como sempre. Acho que tenho que crescer para muitas coisas e dentre elas eu mesma.

Desisti de viajar, ano que vem quem sabe faça uma especialização em São Paulo mesmo, lá na Panamericana. Agora quero focar meu carro e o jojutsu. No kenjutsu estou me programando para ir 2x por semana...e o carro to querendo perder o medo dele.


Postagens relacionadas

4/ 5
Oleh

Assine via e-mail

Por favor inscreva-se para receber as ultimas postagens no e-mail.